Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

27
Mai21

Em alto e bom som, para toda gente ouvir


A.K.

IMG_20210527_012333_270.jpg

Situação passada hoje, no comboio.

Uma senhora fala ao telemóvel em alta-voz. Uma outra senhora, mais velha, pergunta-lhe se pode antes falar em modo normal, porque a incomoda ter que ouvir conversas pessoais.

A senhora pede desculpa, desliga o alta-voz e segue conversa.

Duas paragens mais à frente entram uma senhora africana, com a filha e curiosamente também a falar em alta-voz. Vai sentar-se precisamente junto da senhora mais velha.

Depois de alguns minutos, e vendo que a conversa não ia terminar tão depressa, a senhora mais velha faz o pedido que também tinha feito à outra. A senhora, que está com a filha, dando-lhe assim o exemplo correcto de como agir nestas situações, responde: "Quem está mal muda-se. Não estou a incomodar ninguém e a senhora nem ouve a minha conversa."

A senhora mais velha respondeu que já estava naquele lugar, que se sente incomodada por ter que estar a ouvir conversas privadas, que mesmo sem querer está a ouvir a conversa, tal como toda a carruagem, e que até sabe que a chamada é para a neta poder falar com a avó, e que tem que se ter consciência de não usar desta forma o alta-voz, pois se naquela carruagem todos o fizessem, ninguém conseguiria falar.

A resposta da mãe foi a mais simples de todas. Disse: "Só me está a dizer isso porque sou preta. É racista."

Eu ficaria desarmado com este murro no estômago, mas a senhora mais velha, com todo o seu sangue frio e espírito acutilante, respondeu: "Antes da senhora entrar fiz o mesmo pedido a outra menina, sem lhe ter olhado à cor da pele. E deixe-me que lhe diga que a educação não tem cor, e era isso que devia transmitir à sua filha".

O que é verdade é que a mãe há-de ter tido alguma vergonha, porque acabou por desligar o alta-voz.

Em relação ao esgrimir do argumento do racismo nem me vou pronunciar.

A senhora foi só parva e já aqui tinha referido que vai chegar a altura em que tudo acabará por ser como a história do Pedro e do Lobo. Com tanta vitimização despropositada, vai chegar uma altura em que as pessoas vão deixar de acreditar. E não estou a falar só de questões raciais. Quando há uma denúncia há que se investigar e punir o agressor quando é verdade, mas julgo que também se deve punir o denunciante quando se descobre que é mentira.

Esta questão da alta-voz, das colunas de som, do não se querer saber se estamos ou não a incomodar o próximo é mais um reflexo da falta de educação, noção e senso comum? Será que estamos todos a ficar parvos e já não conseguimos perceber que supostamente é bom "pensar fora da caixa" mas também é bom que cada um se mantenha "dentro do seu quadrado" e que tente não invadir o espaço dos outros. Mesmo em restaurantes é incómodo querer fazer uma refeição e nas mesas do lado ter grupos de pessoas que não se sabem comportar em público, proferindo asneiras em alto e bom som e rindo ou gritando, apenas porque estão muito contentes ou são muito sociais.

Parece-me uma batalha perdida porque na verdade tudo é uma questão de educação e a educação não aparece por osmose. Tem que haver um trabalho de pais, família, sistema de ensino e até da sociedade para que se evitem estas situações e até outras como a da Jéssica do Seixal, cujas agressões fizeram um rapaz correr para a frente de um carro, sendo atropelado e não morrendo por um triz.

A senhora do comboio de hoje, aquela que tinha mais idade, fez a parte dela e eu invejei não ter a capacidade que ela demonstrou de exigir que quem partilha um espaço público comigo me saiba respeitar como eu os respeito a eles.

25
Mai21

A pandemia deu um pandemónio de educação


A.K.

priority-seat-train-japan.jpg

Sobre o início da pandemia.

Vou relembrar a esperança instalada nalgumas pessoas, que afirmaram no início deste fado, que a pandemia também traria coisas positivas, sendo que a mais evidente seria a empatia, a proximidade e o reforço da humanidade.

Estas previsões pareciam as dos astrólogos, que no início de cada ano dizem aquilo que inventam, e que em nada acertam. No princípio, quando todos julgavam que "isto" ia durar uns 2 ou 3 meses, havia gente a bater palmas às janelas, a fazer serenatas, a emocionarem-se com as palavras do Bento Rodrigues e do Rodrigo Guedes de Carvalho. Ao passo que foram entendendo que a situação afinal não era uma mera brincadeira, então começou a mostrar-se a verdadeira essência do ser humano actual.

Primeiro foi a situação do papel higiénico. Amedrontados com o facto de puderem ser apanhados pelo COVID com as calças na mão, o "tuguinha" decidiu que até podia ficar com o rabo de fora, mas tê-lo-ia tão limpinho e tão lustrado, tal foram as engraxadelas à base de tantos rolos de papel higiénico, que com o espanto de ver esfíncteres tão imaculados, o vírus viraria as costas e ia embora, todo envergonhado. Este foi dos primeiros actos de estupidez e egoísmo, e foi mesmo no princípio, para que ninguém se cansasse de esperar...

Depois foram os passeios higiénicos. Nunca se viu tanta gorda de leggings como agora. O passeio deixa de ser assim tão higiénico, quando as leggings usadas são sempre as mesmas, e aparentam ser lavadas muito de vez em quando. Todos pensaram o mesmo e todos se acharam mais inteligentes e iluminados que todos os outros. O pensamento era "vou dar as voltinhas que quiser dar, mas como vou com roupa desportiva digo que estou no passeio higiénico". 

As luvas e as máscaras passaram a ser uma realidade diária. Entretanto as luvas deixaram de se usar tanto. Na minha opinião porque esteticamente, no chão, são menos apelativas que a máscara. A luva dá a sensação de que uma peixeira estava a escamar uma dourada, teve que sair de repente e deixou a luva caída no chão. Já a máscara dá mais estatuto. Quando a vemos no chão a ideia com que ficamos é a de que um médico teve que sair de urgência, para ir salvar uma vida, e nem teve tempo de a colocar no lixo.

Outra das características que ficaram mais vincadas na sociedade foi que deu para perceber, ainda melhor, que a grande maioria das pessoas são porcas. Percebe-se pelas tais luvas e máscaras no chão e também pelo aumento de poias de cães. Passear o canito era mais uma desculpa para andar na rua, mas se bem me lembro não havia nenhum decreto que desse minutos extra de soltura por andar a apanhar bostas. Então vai de deixá-las onde estão.

Filas de supermercado. Havia intermináveis.

Quem quisesse ir buscar um pacote de leite, amaldiçoava a hora em que não comprou uma vaca para ter em casa. Escusado será dizer que se viam famílias inteiras a ir "passear" para o supermercado, e não era rara a vez em que utilizavam o argumento do puto de colo, para passar à frente na fila.

Mas depois de 2 anos de pandemia, a verdade é que se nota que, talvez pelo facto de se ter perdido o hábito de nos cumprimentarmos, as pessoas estão mais mal educadas. É que não é um aperto de mão ou 2 beijinhos que demonstram o quão educado se é.

Estive há poucos dias no hospital. O número de lugares sentados é consideravelmente menor que antes, uma vez que se têm que respeitar distâncias de segurança. A verdade é que nunca tinha visto tanta correria às cadeiras como agora. Ainda por cima de malta mais nova, que quase atropelam os velhos para se conseguirem sentar antes deles. Uma miséria de gente que levou a conversa do Rodrigo Guedes de Carvalho do "aos vossos pais pediram que fossem para a guerra, a vocês pedem que fiquem no sofá..." demasiado à letra. Mas daquilo que percebi, o sofá é em casa, pá!!

Para mim, o balanço que faço desta pandemia acaba por ser positivo, no sentido em que dantes achava que era rezingão, pois tinha a desconfiança de que a sociedade era desgraçada, podendo ser injusto e estar errado. Agora vejo que não estava e o facto de estar certo é extremamente positivo. Pelo menos para mim é.

20
Mai21

O vício de ser do contra


A.K.

Polish_20210520_100640982.png

Começou na última 3ª feira a ser vendida a Raspadinha do Património. Para quem não conhece esta raspadinha qual é a diferença para todas as outras? As diferenças são várias, entre elas o facto de que o dinheiro obtido com a sua venda (custa 1€) será para investir na manutenção de museus e teatros históricos, por exemplo. Diz-se que também poderá servir para criar fundos de apoio a artistas, com o intuito de evitar situações vividas pelos mesmos, como a que sentiram por alturas do confinamento.
Outra diferença é o valor máximo do prémio. Logo aqui dá para perceber que quem atribui é o Estado. Enquanto outras raspadinhas apostam em 20.000 e 50.000€ o Estado atribui apenas 10.000€. Mas também não se pode querer tudo, não vá o valor do prémio fazer falta a algum fundo de restruturação de um qualquer banco privado, e sendo assim faz todo o sentido que o prémio seja mais fraquinho.
Agora a diferença maior e mais nefasta nesta raspadinha e que tem gerado uma grande polémica, existindo até vozes que se têm levantado de forma a mostrar a enorme vergonha que é esta raspadinha. A grande e horrorosa diferença é que esta raspadinha PODE VICIAR. É verdade meus caros leram bem, pode viciar.
Nunca tal se tinha visto. Um jogo, que pertence a um leque de jogos que se apelidam de "jogos de azar", pode levar a que as pessoas fiquem com uma ânsia tão grande de raspar, que nem crostas vão conseguir ter no corpo, raspando-as logo... Sim eu sei, não é a imagem mais bonita mas dá para perceber onde quero chegar.
Não tenho o hábito de jogar em raspadinhas, mas isso pode ser porque as outras não viciam, e como tal nunca me seduziram. Já esta Raspadinha do Património vejo-a nos escaparates das papelarias e parece que ouço uma voz cantante a chamar por mim, deixando-me em transe e com uma vontade doida de usar o meu €uro para ganhar 10.000. Mas tal como o Ulisses, eu resisto ao canto desta sereia feita de cartão, e evito entrar no mundo da dependência.
Atenção, posso até brincar com a situação, mas a verdade é que a adição do jogo é real e coloca muitas famílias em situações complicadas. Agora dizer que esta raspadinha em concreto vicia é o mesmo que dizer que os ovos são carecas. Todo o jogo vicia.
Há o argumento de que é uma vergonha o Estado aproveitar-se de algo que leva à adição para com isso obter alguma espécie de lucro.
Também penso que é uma vergonha. Aliás, é uma pouca vergonha, até porque nunca foi feito.
Qualquer dia o Estado ainda se vai lembrar de cobrar um qualquer imposto abusivo no tabaco e nas bebidas açucaradas, por exemplo. Obviamente não seriam capazes disso, mas até aposto que se fossem iriam dizer que o imposto era para colocar um travão às pessoas, no uso destes produtos, uma vez que são muito prejudiciais à saúde pública. Em última análise, e se fossem mesmo muito descarados, podiam até inventar um imposto especial para os combustíveis, dando a desculpa de que seria para a população utilizar os transportes públicos como alternativa, ou haver mais pessoas por cada carro. Mas isto são hipóteses, porque nada disto existe, o que existe é esta raspadinha viciante e vergonhosa que utiliza a fraqueza dos viciados.
Quem for viciado vai sempre jogar, seja a raspadinha do património, da Santa Casa, do Pai Natal. Todo o viciado não deixa de ser viciado porque o Estado deixar de cobrar. É por isso que sou defensor da legalização de qualquer tipo de drogas, sejam elas leves, pesadas, duras, moles ou até se forem todas "fit" e ginasticadas. Quem consome vai sempre consumir e sendo de mais fácil e controlado acesso, fornecido pelo Estado, então poderia baixar a criminalidade, quer de quem rouba para consumir, quer dos cartéis que as vendem, e o imposto aplicado ia acabar até por ser uma mais valia.
Mas isto é outra história, e como já me estou a alongar vou ver ser encontro mas é uma papelaria onde possa gastar 1 ou 2 euritos. Estou com uma vontade de raspar...

17
Mai21

Como diria Bruno Nogueira: "Fraquinho... Muito fraquinho"


A.K.

original.jpg

Foi hoje o 6º e último episódio do "Princípio, Meio e Fim".
Uma vez que escrevi o que pensava, depois do primeiro episódio, no post "Um tanto ou quanto desiludido" achei por bem voltar a fazê-lo depois do último episódio.
Na altura defendi que a ideia era engraçada mas que faltava alguma comicidade e que dava a sensação de que eram usadas demasiadas "private jokes" que só os intervenientes perceberiam.
Tive imensas reacções ao post, dizendo que o programa era de génio, que era preciso entender a comédia, que as "private jokes" não eram "private jokes".
A verdade é que com o passar dos episódios o programa foi perdendo cada vez mais e mais audiências. Esvaziou rapidamente como se de um balão se tratasse e o recurso ao grito histérico, como forma de tentar ser engraçado, deixa de ter piada quando chegamos aos 4/5 anos de idade e deixamos de ser tão infantis.
Depois de ter assistido a todos os episódios, devo dizer que a série além de nunca descolar na verdade foi-se afundando cada vez mais.
Foi um projecto pioneiro, funcionaria talvez se fosse de episódio único, mas assim mostrou aquilo mesmo que pensava. Serviu apenas para divertir quem nele participou.
Já sei que imensa gente poderá dizer que é preciso aprender a gostar, mas para mim quando o argumento que é usado para uma série que se quer de comédia, é o mesmo argumento que é usado para o sushi, então temos mesmo um problema.
Os intervenientes não deixam de ser bons por terem participado em algo que não funcionou. Já houve outros programas que também não funcionaram e que depois até se tornaram de culto, como a Hora H, do grandioso Herman José, mas o "Princípio, Meio e Fim" por muitas voltas que se dê, penso que difícilmente chegará ao culto.
Algo que também não correu muito bem, foi o facto de os autores criticarem o horário a que o programa foi transmitido. Não me parece que o problema tenha sido o horário, até porque quando a obra se entranha, vê-se nem que seja no dia a seguir, e aqui não aconteceu, tendo até em consideração a falta de burburinho que a mesma criou, a não ser depois do primeiro episódio.
Bruno Nogueira já teve ideias fantásticas, e esta também não era má, mas foi mal conseguida e arrastou-se por demasiados episódios. Foram só 6, mas pareceram muitos mais.

14
Mai21

Quem incumbiu o sermão?


A.K.

Polish_20210514_022012371.jpg

Tendo em consideração a opinião de uma mulher com quem sou casado, uma de quem sou filho e quatro de quem sou irmão, as mulheres estão fartas de ser porta estandartes para homens e movimentos que acham que defendem as mulheres, quando na verdade estão apenas a fazer o trabalho contrário, ou estão a aproveitar o facto para se tornarem apelativos ao sexo feminino. Mal comparado é como o tipo que não sabia tocar, mas que levava a viola para o liceu porque assim fazia sucesso entre as miúdas.
Há uns anos, quando uma mulher chegava a um lugar de destaque numa empresa, na boca dos outros chegava lá porque ou se deitou com a pessoa certa, porque seria filha de alguém fluente, porque era uma cabra ou porque seria efectivamente competente. Hoje em dia a única diferença, na boca dos outros, é que se adicionou mais uma opção que é, "a empresa é obrigada a ter quotas de mulheres na direcção". Isto é uma evolução? Não me parece.
As línguas viperinas vão sempre existir. Se ao invés de ser uma mulher for um tipo jovem, a meritocracia também não existirá, vai-se sempre inventar uma justificação que seja mais apelativa aos comentários maldosos. É uma característica típica do ser humano.
Estar-se sempre a defender a mulher porque é mulher, tem um efeito contrário ao que é pretendido. Tenho visto algumas mulheres a sentirem-se indignadas por terem sempre um qualquer papagaio a falar por elas, sem para isso estar abalizado.
Gostaria de falar sobre a sororidade. Sororidade é uma palavra inventada para servir de escudo a algumas mulheres que, como a grande generalidade das mulheres, fala mal das outras, mas que finge que não porque ela até defende a sororidade. As mulheres falarem umas das outras é algo de inato. Não se consegue lutar contra isso. Inato é também em mim o acto de abrir a porta a uma senhora, deixá-la passar primeiro, dar-lhe o meu lugar e tratá-la com alguma delicadeza, mas hoje em dia sei que piso terrenos pantanosos, porque ao fazê-lo poderei estar a ofender, não a mulher, mas um qualquer movimento que acha que estou a minimizar a mulher. A isto não se chama minimizar, chama-se cortesia. Cortesia essa que por acaso também tenho para com pessoas mais velhas, e nunca levei nenhuma bengalada.
Uma mulher que hoje em dia queira ficar em casa a cuidar dos filhos, que não queira entrar no mercado activo do trabalho, ou que queira ser dona de casa, é encarada como alguém que é manietada pelo marido, ou então que está a prescindir dos seus direitos, quando na verdade está no seu direito fazer ou não aquilo que entender. A sociedade ao exigir que todas as mulheres demonstrem ser realmente espectaculares, estão a colocar uma pressão desnecessária.
Estou de acordo que se defendam as mulheres fazendo leis mais punitivas nos casos de violência doméstica, que se criem apoios às mães que decidam não trabalhar para cuidar dos filhos e também que se criem condições para que as mães que querem trabalhar o possam fazer livremente, sabendo que os seus filhos estão a ser bem cuidados. Agora vitimizações e obrigações que acabam por colocar a mulher numa situação frágil, ai não estou nada de acordo e sei que muitas delas também não.
Se ao lerem estas linhas acharem que não respeito as mulheres, que sou misógino ou machista, então lamento. Não por aquilo que pensam, mas porque não consegui fazer passar a minha opinião correctamente. Mas mais uma vez sublinho, as mulheres têm voz activa. Não precisam de quem acha que deve falar por elas.

11
Mai21

"Podia ter sido eu"


A.K.

child safety never leave.jpg

Há 4 dias morreu uma bebé de 2 anos.

Foi esquecida pela mãe dentro do carro. Entretanto já se gerou uma onda de solidariedade para com a mãe, porque pelos vistos "Podia ter sido eu" ou podia ter sido qualquer pessoa. Analisar este caso faz-nos obrigatoriamente analisar também a situação em que a mãe se colocou.

Posso acreditar que a dor da mãe seja imensa, posso acreditar que foi completamente sem intenção, agora não posso com isso achar, como já vi escrito por ai, que esta senhora não deve pagar pelo seu erro, porque já tem uma punição para a vida toda.

Há um pensamento que não consigo dissociar disto tudo, sendo pai de duas crianças nesta faixa etária. Imagino o sofrimento da bebé ao ver que estava ali sozinha sem a mãe, e não quero sequer imaginar o terror que sentiu quando teve fome, teve sede, sujou a fralda, quando um qualquer carro passou perto dela e buzinou... Pessoas afirmam chorar com pena da mãe, eu tremo e arrepio-me imaginando o sofrimento da filha.

Foi um esquecimento, quem nunca teve?

ESTAMOS A FALAR DE UM BEBÉ, PORRA!

Já vi situações destas relatadas nas redes sociais, em que só faltava arrancar o escalpe do esquecido. A única diferença é que o que se esqueceu foi um cachorro e não um bebé. Estamos neste momento a dar mais valor à vida de um animal do que à de um ser humano!? "Quanto mais conheço as pessoas mais gosto de animais", é isso!?

A teoria é que todos têm um pouco da culpa. A senhora andava com insónias, a senhora é pressionada pela sociedade para ser mãe, mulher e profissional, a culpa é da creche que não avisou quando a criança não apareceu, a culpa é de quem andou na rua e não viu a criança, a culpa é dos homens que não ajudam as mulheres, a culpa é dos patrões que exigem demasiado das mulheres, a culpa é da comunicação social que deu a notícia como se a culpa fosse da mãe. Não me lixem!

Só descobriram que a criança estava esquecida porque esta senhora esgotada, que estava a trabalhar em casa, em frente de um computador, pediu à sua empregada "Maria" para ir buscar os miúdos à escola. Ela não estava na lavoura, ela não estava a apanhar batatas. Todos os trabalhos custam, mas há uns que cansam mais que outros. Se em vez da filha se tivesse esquecido do telemóvel no carro, não daria mais facilmente pela falta dele?

Caríssimos, foi mãe porque quis... E quis 3 vezes. Se não quis então mostra apenas irresponsabilidade. Não se pode apontar o dedo só aos mais desfavorecidos por terem  filhos e não saberem ser pais.

Se em vez de morar na Av. Miguel Bombarda, em Lisboa, esta senhora vivesse num bairro social em qualquer parte do pais, iriam todos dizer que "Podia ter sido eu"?

Se um camionista, que depois de uma viajem França - Portugal, em que passou noites mal dormidas, adormecesse ao volante e atropelasse uma criança, também se iam meter no lugar dele e dizer que "Podia ter sido eu", ou iam dizer que provavelmente ia bêbedo?

A mãe sofre. Não quero nunca sentir este tipo de sofrimento. A culpa está lá toda e ela sente-a bem, agora assim como também pedem para que não se aponte o dedo, também não devem colocar paninhos quentes. A CPCJ vai investigar o caso, porque podem ter-se omitido alguns factos... Ainda nada sabem e ainda nada se disse. Convém lembrar que há mais duas crianças, e que também há um marido destroçado, e que nalgumas das defesas da senhora se deixa implícito que ele é ainda mais culpado que ela. Porque não foi bom marido e não foi bom pai.

Devo referir que estas afirmações são de pessoas que apenas especulam, assim como eu o faço nestas linhas. Nada sabemos acerca destas pessoas, apenas sabemos dos factos que são publicados e o facto maior que é: Uma mãe esqueceu a filha no carro e a criança morreu.

06
Mai21

Depois de mortos só alguns são bons


A.K.

81f1b57e-814b-45d0-a8ed-c62b0f3f6223.jpeg

 

Anteontem morreu o humorista e actor brasileiro Paulo Gustavo.

Por ignorância minha tenho que admitir que desconheço o seu trabalho, mas pesquisando um pouco deu para perceber que era uma estrela no Brasil mas que aqui não tinha grande expressão.

Já tinha visto há uns meses uma notícia que dava conta da doença do artista e nessa notícia era dada a informação de que pouco haveria a fazer. É triste, mas ao que parece seria uma questão de tempo.

Ontem morreu o actor português Cândido Ferreira, vítima de cancro. Não seria um actor que aparecesse muitas vezes nas revistas VIP ou na Caras, mas as suas aparições eram frequentes, quer em filmes quer em novelas e no teatro. Anteontem a actriz Maria João Abreu desmaiou enquanto trabalhava. Sofreu um aneurisma e agora está em coma.

Gostaria que tivessem em atenção que não desprezo nenhum destes artistas nem tão pouco pretendo manchar a imagem de alguém que já faleceu, aquilo que me leva a escrever estas linhas é, mais uma vez, a grande hipocrisia que testemunhei nas redes sociais.

O actor brasileiro Paulo Gustavo, não sendo aqui uma vedeta, logicamente que é alguém cuja "celebração" da morte, os numerosos RIP, e a transcrição de frases que o actor disse, vão obrigatoriamente dar likes... Eu até percebo isso, mas não me lixem! Querem convencer-me que a D.Almerinda, de 65 anos, que mora no Alandroal e que só posta fotos de gatinhos e de flores com abelhas, sabe quem era o Paulo Gustavo? Não saberá mas sabe que toda a gente está a lamentar a morte do artista, e mesmo não o conhecendo, vai lamentar como todos os outros que tem visto lamentar.

Já em relação ao Cândido Ferreira e à Maria João Abreu, pouco ou nada se viu... É que os likes vindos do Brasil, não chegam aos artistas portugueses.

05
Mai21

Perdoai-lhes televisão, pois eles não sabem o que dizem


A.K.

Polish_20210505_014422218.jpg

Sou um adepto confesso da televisão. Sinto sempre algum asco pela falta de agradecimento e pelo "cuspir no prato em que já se comeu", quando ouço alguém afirmar que vê cada vez menos, porque pensam que não tem qualidade. Vejo as coisas de outro prisma.

As pessoas não assistem televisão porque estão cada vez mais preguiçosas. Querem tudo "mastigado" e pronto a consumir. Prova disso são as imensas quantidades de séries que nos são injectadas incessantemente. Existirão séries de qualidade, com certeza, mas a qualidade aumenta substancialmente se for possível ver numa qualquer plataforma de streaming. Se passar na RTP, ou noutro canal qualquer, já não é assim tão boa. Esquisito, não é? Não... Dizer que se viu na Netflix dá outro estatuto. É o estatuto de rebanho, porque acabam por seguir a moda que todos seguem.

Tenho novidades. Séries como Black Adder, Alô Alô, Seinfeld, Cheers, Dexter, Breaking Bad, Friends, Quem sai aos seus, deram todas na televisão e foram todas feitas para essa mesma televisão e perduram todas na história do audiovisual. Já as de agora, uma vez que são feitas em barda, têm o seu grande sucesso mas são de consumo rápido e para serem de memória efémera. Mal comparado são como os "Los del Rio" com a Macarena, ou o "Psy" com o Gangnam Style. Todos os tocam durante um tempo e depois todos os esquecem, para sempre.

Um dos argumentos é que a televisão estupidifica. É verdade. Quando estupidifica mais é naquela altura em que se argumenta que ela estupidifica.

A televisão informa, instrui, esclarece, faz sonhar e ajuda também a discutir opiniões. Além de ser uma autêntica janela para o Mundo. Apenas temos que escolher o que ver.

Quero ver alguém afirmar que se sentiu mais estúpido, depois de ver um episódio do maravilhoso "Portugalmente" do Luís Osório, ou qualquer outro dos seus documentários. Ou uns mais actuais Governo Sombra, Irritações ou Eixo do Mal. Ou com o "Herman Enciclopédia", do Herman ou os episódios dos "Gato Fedorento".

Aprendi imenso com concursos como o "Quem quer ser milionário" do Carlos Cruz, a "Arca de Noé" do saudoso Fialho Gouveia ou até o Palavra puxa Palavra, com o António Sala.

E hoje em dia, o "Traz Prá Frente", com o Alvim, o Markl, a Inês Lopes Gonçalves, o magnífico Júlio Isidro e o Álvaro Costa, só não serve de fonte de curiosidades e informações se não quiserem.

Na televisão há de tudo, é apenas preciso saber escolher, mas a maioria das pessoas não está para isso. Preferem colocar a cabeça enfiada no ecrã de um smartphone ou de um computador e ficar alheios de tudo. Até da família.

Mesmo nessa questão a televisão acaba por ser mais amigável, pois é muito mais simples pais e filhos se sentarem em frente a um televisor e passarem algum tempo, até a partilharem o mesmo espaço, do que cada um pegar no seu aparelho e desaparecerem para os seus cantos acabando por ficarem a viver com estranhos.

Em termos de informação vão dizer que é tudo uma vergonha, mas dizem-no porque só têm a CMTV na ideia. Mas até a CMTV tem o seu mérito. É um facto que acabam por ser sempre os primeiros a chegar.

Mas dizer que a SIC NOTÍCIAS, não tem qualidade, e grande parte da TVI24, é uma desfaçatez. E depois temos, por exemplo, o 6ª às 9, na RTP com a Sandra Felgueiras. Programa de jornalismo de investigação de clara isenção e qualidade.

Não defenderei mais a minha dama. Acho que deixei bem explícito aquilo que penso e relembro que antes da internet a televisão já existia e de uma forma ou outra sempre ajudou a formar e a informar. Não sejam por isso ingratos com ela.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub