Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

26
Fev23

O chifrudo encornador


Pacotinhos de Noção

Polish_20230226_021604909.jpg

Nesta história toda, do Rúben da Cruz, aquilo que realmente me interessa, e que ainda não vi ninguém perguntar é:

Tendo ele um cabeleireiro de homens, qual é a justificação para este corte de cabelo?

Assim, só de raspão falo acerca da traição.

Tanto da dele, que pelos vistos já mostrou várias vezes o quão confiável pode ser, e a da, agora ex-namorada, que expôs os problemas que o relacionamento DOS DOIS, tinha, para assim se conseguir vitimizar, e conseguir a solidariedade de todas as outras mulheres, que terão certamente no seu agregado, tanto traídas como traidoras porque, e fiquem de boca aberta com aquilo que agora vou dizer, mas também existem mulheres que traem. Não defendo este barbeiro de fraca arte, estou antes a dizer que a demonização que agora fazem do tipo, é apenas ridícula. Sendo ele uma figura pública, e sendo também sabido o seu currículo no que a traições diz respeito, alguém que se fosse candidatar ao lugar de cônjuge deste tipo de pessoa, já sabe à partida que fidelidade não é um dos pontos fortes destes gajos, e se porventura imaginou que conseguirá mudar o carácter de alguém, ainda mais quando o carácter é mau, então além de enganada, é também uma iludida.

Mas virando um bocadinho as agulhas do assunto. Gostava de perguntar a diferença entre a traição de um homem, e a traição de uma mulher.

Pergunto porque quando o homem trai, começou agora a moda da traída divulgar, na esperança de conseguir uma legião de outras traídas que se solidarizem com a dor, e que tragam também os seus galhos, para adensar a fogueira onde o traidor será queimado, sem dó nem piedade. O que aqui não bate muito certo é que tenho memória, de até há bem pouco tempo elevarem a cantora Anitta a divindade, porque ela havia traído o seu namorado, Pedro Scooby.

Os argumentos foram os de que ela assim mostrava a força feminina, de que assim mostrava como era emancipada, e o bom e velho “se homem pode, então mulher também pode”… E de facto pode. Se alguém quiser ter falhas de carácter, assim como o Rúben da Cruz demonstra ter, então só há que ter comportamentos tão deploráveis como o dele, mas como é uma mulher a ter, proponho que batamos palmas.

Pelos vistos a hipocrisia prima pela igualdade de género, funciona tanto no homem como na mulher.

21
Fev23

Se arrependimento matasse...


Pacotinhos de Noção

png_20230221_024602_0000.png

… estavam ainda todos vivinhos da Silva.

Depois da leitura do relatório que nos mostrou apenas a pontinha do iceberg, rapidamente houve vozes do clero que pediram desculpa, que garantiram, a partir de agora, tolerância zero.

Não falarei do escândalo que isto é, nem da vergonha pelo qual todo o clero está a passar, mas estará mesmo?

A foto que ilustra este texto foi tirada aquando da leitura, pelo Dr.Pedro Stretch, do relatório da comissão independente. Eram ali relatados casos de abusos, de actos sexuais cometidos sobre crianças, crianças essas cujo sete delas não resistiram aos traumas e que, já em idade adulta, acabaram por se suicidar.

Durante essa leitura macabra, toda a classe, representada por bispos, padres, catequistas, etc., estava sob escrutínio, e ainda assim é possível ver que dois destes clérigos idiotas, aproveitaram para fazer a sua soneca, o seu “cochilo”. Com que estariam eles a sonhar? Espero que não fosse com querubins seminús, de asa quebrada, para não conseguirem fugir.

Será uma suposição abusiva da minha parte, é certo, mas que respeito e condescendência pode esperar, seja quem for, para membros de uma classe, que tem no seu seio indivíduos que abusam de crianças e que, ao invés de os punirem ou de os denunciarem, tudo fazem para que os casos não sejam divulgados. É isto que representa a Igreja? Uma seita de tipos que defendem ser a extensão de Deus na terra, e que, como seres celestiais que se julgam, não têm o dever de se reger pelas leis do Homem comum?

Duas dioceses não responderam ao inquérito enviado pela comissão. São estas a diocese de Évora e a de Setúbal. Por que razão?

O bispo de Évora veio mentir a público, afirmando que teria respondido por carta. Uma vez que, as respostas não chegaram, teremos então que culpabilizar os CTT pelo extravio da correspondência.

Daniel Sampaio, e já Pedro Stretch, no fim da leitura do relatório, não tiveram nenhum pejo em afirmar que houve várias pressões, por parte de alguns elementos da Igreja, para que não fosse feito o inquérito, para que os resultados não fossem estes, e para que não se importune o Sr. Papa Francisco, aquando da sua vinda às Jornadas Mundiais da Juventude, com este assunto tão incomodo. Já a mim parece-me que se existe altura mais apropriada para fala acerca desse assunto, a altura será sempre aquela onde existam tantos jovens, à mão de semear de padres. É que assim ficam todos de sobreaviso, para que nenhum tipo de bata preta, se lembre de meter a foice em seara alheia.

A conclusão a que chego, após ler e de ouvir muitas notícias acerca deste assunto, é que o arrependimento de quem cometeu, e de quem encobriu estes crimes, é igual a zero.

Só me resta dizer:

“SENHOR, NÃO LHES PERDOEIS, POIS ELES SABEM MUITÍSSIMO BEM O QUE FAZEM”.

20
Fev23

"Ca" gala maravilhosa


Pacotinhos de Noção

 

Vergonha alheia não chega a ser uma definição boa o suficiente para o que estou a sentir.

Uma vez que a TVI começou como canal religioso, não me importava que fosse como Jesus Cristo, e que não passasse dos 33 😁

Espero que paguem bem o suficiente a quem para ali vai fazer figuras tristes.

14
Fev23

É só a ponta do iceberg


Pacotinhos de Noção

png_20230213_224112_0000.png

4815, foi o número lançado a público, de crianças que, às mãos de gente ligada à Igreja, durante os últimos 70 anos, foram vítimas de pedofilia. A comissão independente, que aponta para estes números, afirma que este é o valor mínimo que conseguiram apurar, e se o valor mínimo é este, eu acredito, meus amigos, que o real seja muito, mas muitíssimo superior.

Aguardo pelas declarações do Sr.Presidente da República que, positivo como sempre, se regozijará por não ser um número tão elevado quanto ele imaginaria.

Hoje, as crianças sobre o qual o estudo se debruçou, são já adultos que terão idades compreendidas entre os 45 e os 55 anos. Ao perceber isto, muitos irão relativizar, dizendo que o pior já passou, mas não passou. A pedofilia na Igreja não foi uma moda, ou uma tendência de época. A pedofilia cometida por padres, e pessoas ligadas à instituição católica, continua a existir, e algo que este estudo demonstra também é que existem pelo menos 100 padres, dos que perpetraram os actos de pedofilia analisados, que ainda estão no activo. 

D.José Ornelas, Bispo de Leiria-Fátima, e também presidente da Conferência Episcopal, já veio a público pedir desculpa e afirmar que agora, sim, é que não haverá mais tolerância para com este tipo de gente. No entanto, importa referir que não foi dito se os tais 100 padres, ainda no activo, seriam afastados, ou até denunciados às autoridades. Chamo também a atenção para o pormenor de que Lisboa, Porto, Braga e Leiria, são os lugares onde mais casos aconteceram, e tendo em consideração que D.José Ornelas é Bispo de Leiria, não será de estranhar que o Sr.Bispo não tivesse conhecimento do que se passava, na sua diocese?

Para mim não colhe a tentativa de justificação de que os padres fazem isto porque não podem casar. Se não podem casar e têm ímpetos sexuais, aquilo que deveriam fazer era meter a mão à caixa das esmolas e irem visitar a casa das meninas lá da paróquia deles… Mas não, preferem ser uns bandalhos, ordinários, porcos e criminosos, e abusar de crianças, causando-lhes traumas físicos e psicológicos.

Ler, ou ouvir, os relatos daquilo que sentiram, enquanto crianças, as vítimas destes abusadores chega a ser fisicamente doloroso, tal é a raiva que nos percorre o corpo. E mais uma vez, para quem tudo consegue relativizar, eu peço-vos que façam o seguinte exercício. Imaginem que uma destas crianças era o vosso filho, neto, sobrinho ou irmão, que deixam nos Escoteiros, ou na catequese ao fim do dia. Eles, em vez de se estarem a divertir, ou de estarem a aprender a doutrina cristã, estão a ser apalpados por um qualquer padre, ou a ser violados, com o padre dentro dele, ou que tem que meter o pénis do padre na boca. Nojento e escusado este grafismo, certo? ERRADO, meus amigos, MUITO ERRADO. Estas explicações tão gráficas são pequenas amostras daquilo que foi escrito no relatório, e que eram apenas depoimentos dessas crianças que viram a sua infância abruptamente roubada.

Sei que tocar numa instituição como a igreja é criar inimizades, até neste microcosmos que são os meus seguidores do Instagram, e também no Blogs do Sapo. Isto por a igreja ser a prova viva de que a estupidez humana não se revelou só com o negacionismo de pandemias, ou com os apoios pornográficos a ditadores que invadem países vizinhos, porque a igreja existe já há séculos, há séculos que faz o seu caminho, com os seus virtuosismos, é certo, mas também com muita perversão, com muita canalhice, com imensa indecência, e ainda assim têm uma legião de admiradores, que confundem, fé, com religião e com igreja, que por mais provas dadas que tenham dos crimes cometidos, vão sempre defender a igreja até à própria morte, ou até à morte de quem os acusa.

Sou ateu, não tenho nenhum tipo de fé, mas tenho muito respeito e admiração por quem a tem. Aquilo que não posso nunca é admirar uma instituição constantemente posta em causa, por crimes que se vão sabendo, mas que nunca são punidos porque, como instituição blindada que é, defende os seus, mesmo que os seus sejam monstros. Não posso confiar numa instituição carregadinha de padres, que deveriam ser os representantes de Deus na terra, mas que sabendo que na instituição existem outros padres que abusam de crianças, não “metam a boca no trombone”, com o intuito de fazer com que mais crianças não sofram às mãos desses seus colegas.

É um tema sobre o qual não é fácil de se escrever, sei que também não será fácil de ler. Fico toldado pela raiva que sinto por quem faz mal a crianças, e haverá aqueles que se sentirão ofendidos pelo que escrevo, mas em casos como este não dá para ser cordial, ou polido.

11
Fev23

Coço-me todo para não fazer spoiler


Pacotinhos de Noção

20230211_225808_0000.png

Só hoje vi o terceiro episódio do "The Last of Us".

É incrível como, no meio de um ambiente de apocalipse, os criadores conseguiram, ainda assim, transmitir um ambiente acolhedor, romântico e simpático. Digo ainda mais, como foi possível num episódio de 75 minutos, conseguiram compilar, e fazer-nos sentir um leque tão variado de emoções?

Não sou dos fanáticos do jogo. Nunca joguei, não conhecia, nem sequer sabia do que tratava. Comecei a ver apenas porque era a série do momento, e julguei que, como me aconteceu no caso de tantas outras, não me iria cativar, mas enganei-me. Estou agarrado e, para já, não lhe encontro defeitos. Os cromos do jogo que me vierem dizer que o Joel e a Ellie não são parecidos com os do jogo, lamento, mas para mim a Ellie e o Joel são estes, os do jogo nunca os vi mais gordos.

Quero ver o quarto e o quinto episódio, mas com parcimónia, para não acabarem rápido, porque, para mim, "The Last of Us" está a ser como aquela caixa de bombons magnífica, que comemos devagar, para que o fim demore a chegar.

Pág. 1/2