Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

23
Nov22

Deixem-se de pequenices


Pacotinhos de Noção

png_20221123_025150_0000.png

Tem sido divulgada uma notícia, que ainda não tendo tido uma confirmação 100% credível, também ainda não foi desmentida, e tendo em consideração os passos recentes dados pelos estúdios da Disney, estou em crer que não será uma notícia falsa.

É um assunto repetido aqui no Pacotinhos de Noção. Se procurarem pelo texto "Pequena Sereia - Inclusão a Martelo", já perceberão parte da minha opinião, mas aquilo que agora pretendem fazer à "Branca de Neve e os 7 anões", ultrapassa todos os limites da noção, da liberdade criativa e do respeito pela história da 7.ª arte.

Ao que parece o filme será lançado nos finais de 2023, princípios de 2024, mas a polémica já surgiu.

Quando se soube desta nova produção da Disney, uma das primeiras vozes que se levantou contra foi a do actor Peter Dinklage.

Peter Dinklage é um actor norte-americano com provas dadas. Já ganhou 5 Emmys e um Globo de Ouro, e conta com uma carreira de mais de 30 anos, mas foi só em 2012, com a sua personagem na série "Guerra dos Tronos", que Peter alcançou grande notoriedade, levando-o até a ganhar os prémios que atrás mencionei. A sua personagem dava pelo nome de Tyrion Lannister, cujas alcunhas eram Meio-Homem, Duende, Pequeno Monstro.

Peter foi escolhido para interpretar este papel, acredito porque é um bom actor, mas principalmente porque é um bom actor anão. A personagem foi escrita como sendo anão porque fazia sentido para a história, interpretada por Peter porque também fazia todo o sentido. De resto devo dizer que muitos dos papéis de Dinklage foram-lhe atribuídos precisamente devido ao seu nanismo. Em "The Last Rites of Ransom Pride" a sua personagem é "O Anão". No seu mais recente filme, "Cyrano", o actor também é escolhido por ser anão, pois no Cyrano de Bergerac original, o herói não quer mostrar à sua amada quem é por ter vergonha do seu imenso nariz, nesta história de 2021 a intenção de não aparecer é a mesma, mas desta feita por ser anão.

Resumindo e concluindo, e não tirando mérito a Peter Dinklage como actor, mas a verdade é que deve o seu sucesso, e o reconhecimento por parte de todos, graças a todos os papéis que fez, e em que ser anão era uma característica definida, e justificada, na história. A pergunta à qual era importante saber a resposta (assner em inglês) é:

Se enquanto precisou, o actor nunca se insurgiu contra isto, porque é que agora, depois do sucesso alcançado, e de ter chegado a milionário, se lembra de vestir a pele de virgem ofendida, de ser humano humilhado pela história, de pessoa segregada, para criar à sua volta uma onda de indignação tal, que levou a Disney a afirmar que no filme "Branca de Neve e os 7 anões", a parte dos anões vai deixar de existir. Em vez de anões vão optar por "umas criaturas mágicas".

Ignorantemente Peter Dinklage defendeu ser uma vergonha estereotiparem os anões como uns tipos que viviam em cavernas, o que como argumento é completamente estúpido, porque os anões não viviam em grutas, trabalhavam nelas, uma vez que eram mineiros.

Não temos anões na Branca de Neve, não temos o beijo do Príncipe à Bela Adormecida porque é um acto não consentido, não temos a Bela e o Mostro, porque ser bela é objectificação da mulher, e chamar Monstro ao Monstro pode ser considerado "bullying", o Egas e o Becas não podiam ser apenas amigos a partilhar o apartamento, tem obrigatoriamente que haver uma relação homossexual, o Apu dos Simpsons não pode ter um caucasiano a fazer a sua voz porque é racismo e qualquer dia o Rato Mickey vai ser cancelado porque não tem pudor em dizer que gosta de uma rata. Deixem-se de falsos moralismos, de puritanismos bacocos. Este tipo de ditadura, de cancelamentos, de espartilhamentos mentais e sociais, acabam por saturar a mente do comum mortal, daquele que não vê o diabo a cada esquina e a maldade em cada vírgula. 

As interpretações são como a maldade, esta apenas nos olhos de quem vê e nos ouvidos de quem houve. Às vezes uma história é apenas uma história, e se há tantos polícias da moralidade a magia da história deixa de existir, e aquilo que poderia ser comparado a um café, que na sua origem era puro, agradável e forte, depois de tanta separação e filtragem, passou a ser apenas uma água de lavar borras que proporcionará as piores caretas, a quem tiver o azar de a bebericar.

Aqui falo de filmes, ou desenhos animados, que sofreram deste escrutínio escabroso, mas esta inquisição espalha mais depressa que fogo em mato seco, e vemos na sociedade exemplos destes, nos mais variados sectores.

Em Portugal, celebramos todos os anos a liberdade que o 25 de Abril de 74 trouxe-nos, mas não sei qual a data que devemos marcar no calendário para assinalar quando essa liberdade passou a ser fictícia. Noutras partes do Mundo, aquilo que vai acontecendo são pessoas, que sempre forem ponderadas, começarem a encostar a extremos, que se dizem conservadores, na esperança de que este culto inquisidor tenha algum travão. É um erro, porque não é com vinagre que se apanham moscas, mas se não pretendem que grande parte dos países, mais tarde ou mais cedo se tornem em estado ditatoriais, deixem-se destas pequenices de espírito, que transformam quem as pratica, em seres tão, mas tão pequeninos, que até os anões da Branca de Neve quando olham para eles, olham de cima.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub