Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

06
Ago21

Foram Cardos, Voltem as prosas... Jornalísticas


Pacotinhos de Noção

original.jpg

Para os mais novos que não conhecem, para os mais velhos que já esqueceram e para os que são simplesmente desmemoriados, a senhora da foto é Manuela Moura Guedes.

As primeiras imagens que me recordo dela são como locutora de continuidade e como cantora com o seu, "Foram Cardos, Foram Prosas".

Como locutora não estava mal, como cantora não estava bem.

Mais tarde passou a apresentar o Telejornal na RTP, e depois o Jornal das 9, na RTP2.

Teve na RTP um programa que eu via com apetite era ainda miúdo. "Raios e Coriscos" era o seu nome e Manuela partilhava a mesa com Miguel Esteves Cardoso e Catarina Portas.

Anos passaram e foi para a informação na TVI, e é aqui que alcança maior visibilidade.

Foi acusada de sensacionalismo, principalmente pela classe política e por colegas jornalistas. Colegas esses que muito provavelmente ainda trabalham no meio, participando em blocos de informação que perdem 10, 20 ou 30 minutos a destacar o Festival do Caracol de Castro Marim. Isso sim é informação.

É verdade que Manuela Moura Guedes tem um estilo peculiar, mas recordo que se agarrou ao caso de Sócrates como um cão a um osso e só o largou quando foi obrigada. Quando os amigos Socretinos, trataram de retirar a jornalista e o Jornal Nacional do ar. Foi um alívio para a classe política e até mesmo para a classe jornalistica, pois havia alguém a fazer jornalismo a sério e isso é coisa para dar trabalho e até trazer problemas. Decidiram antes colocar Joanas Latinos a dizer baboseiras e jornalistas, que já pareceram sérios, a fazer danças ridículas no programa da manhã da TVI, que se queria, pelo menos um pouco, noticioso.

Mas a verdadeira informação é muito incómoda. A questão não é o lucro, porque informação vende, e quando o público percebe que há ali trabalho de casa, vende bem, mas há outros lucros mais elevados que acontecem por detrás do pano e que justificam fulminar a profissão de uma jornalista.

Tenho que dar a mão à palmatória e dizer que Manuela Moura Guedes faz falta no actual jornalismo português. Faz falta ela e todos aqueles que não se verguem aos grandes grupos empresariais que controlam as televisões e que pretendem também controlar a população, e que infelizmente vão conseguindo. Aquela velha máxima de outros tempos, e que é atribuida aos romanos, vai fazendo sentido. A máxima de pão e circo para a plebe, para que assim fiquem entretidos e não incomodem. Se o pão e o circo forem então transmitidos em horários e em blocos noticiosos, que a população acredita serem sérios, está, a missão de estúpidificação de massas, a caminhar de forma galopante.

Deixo aqui um desafio.

Não às generalistas, que sei que não têm coragem, mas ao director da CMTV. Desafio que coloquem a Manuela Moura Guedes no ar. Seria uma enorme aquisição.

Outro gesto que me agradou na jornalista foi quando abandonou o programa "Barca do Inferno" que era moderado pelo Nilton que curiosamente até fazia um belo trabalho, mas que pecou quando demonstrou claramente que entre Manuela Moura Guedes e as outras três peruas, preferia as peruas. É natural, elas respeitavam mais o alinhamento encomendado.

Em relação ao retorno de Manuela Moura Guedes ao jornalismo, embora gostasse muito, não acredito que aconteça. Hoje em dia falta coragem à informação.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub