Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

28
Jul21

Imbecilidade olímpica


Pacotinhos de Noção

olympics620.jpg

Uma das notícias que durante o dia de hoje teve maior divulgação, foi o facto de nestes jogos olímpicos se ter batido um recorde. Não é na natação, não é no atletismo e não é no halterofilismo.

Estes jogos olímpicos têm mais de 160 atletas que são LGBT.

Fico um bocado confuso porque sabendo que os jogos olímpicos são pura competição, não sabia que a competição tinha mais valor tendo em consideração se gostamos de pessoas do mesmo sexo ou não! Nem sequer sabia que havia uma competição a esse nível.

O atleta britânico de saltos para a água sincronizados Tom Daley, depois de se sagrar campeão olímpico, aproveitou a conferência de imprensa para afirmar que "neste momento se sente muito poderoso por ser um homem homossexual e ainda assim ter conseguido ser campeão olímpico". A confusão instala-se de novo. Não sabia que o ser-se homossexual faz com que fisicamente não se seja tão apto como um heterossexual! Vamos supor então que se o Rocky Balboa fosse homossexual, provavelmente não teria conseguido ganhar ao Apollo Creed? E a Rosa Mota e o Carlos Lopes, teriam menos capacidade de maratonistas? Ficariam a meio da prova?

Reparem que todo e qualquer membro LGBT que afirme que se sente orgulhoso por "mesmo sendo gay conseguir chegar a campeão olímpico", está a ser o mais preconceituoso possível para com toda uma comunidade. É um preconceito com o intuito de ser positivo, mas não deixa de ser preconceito. Na minha opinião é até mais grave porque tem uma carga pesadíssima de condescendência...

-"Ai tão gira, gosta de mulheres mas é muito feminina na dança sincronizada"

-"É homossexual mas segura nos alteres como se fosse hetero"

Esta condescendência aplica-se a tudo e é sempre igualmente feia:

-"Vocês, de leste, são mesmo inteligentes. Vem para um país diferente e aprendem a língua tão bem"

-"Os africanos têm a música e a dança entranhada... Não sei, parece que vem da pele ou está-vos no sangue"

Conheço pessoas de leste que estão cá há 20 anos e não percebem puto de português e conheço pretos que a cantar são uma desgraça e até têm dois pés esquerdos.

Mas voltando ao recorde batido nestes jogos olímpicos.

Competências não se podem confundir com tendências e ao falar de tendências não estou a falar do ser-se ou não homossexual. Estou a falar na tendência crescente de se meter os pés pelas mãos, de se pensar que tudo tem que ver com tudo, e não é verdade. Tom Daley diz que sempre pensou que não conseguiria ser ninguém por ser homossexual. Isto prova que ser imbecil não é exclusivo de heterossexuais. Existem, e existiram, pessoas importantes e vencedoras que sendo homossexuais nunca o viram como entrave. Dou como exemplos Tim Cook, que é presidente da Apple, e Harvey Milk, que sendo gay em 1970, nuns E.U.A. conservadores e extremamente preconceituosos, conseguiu ainda assim vencer em eleições, um cargo de elevada importância em S.Francisco. Defendeu os direitos dos gays e acabou por ser assassinado por isso, mas ele não chegou onde chegou por ser gay, assim como Tom Cook. Chegaram por serem competentes.

Incomoda-me ter conhecimento de heterossexuais que discriminam a comunidade LGBT, mas incomoda-me ainda mais os membros da comunidade que não a respeita, e não se respeitam, utilizando a sua sexualidade como estandarte e como forma de extra validação.

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub