Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

03
Out22

Religião a quanto obrigas


Pacotinhos de Noção

png_20221003_004743_0000.png

Até hoje ainda não falado no caso de Masha Amini porque não me sinto minimamente capacitado para falar acerca deste assunto. Não é que não tenha opinião, o problema é ter uma opinião que poderá ser demasiado extremista, e como não gosto de extremismos, tenho dificuldade em lidar com os meus.

Masha Amini não foi morreu por ser mulher, uma rebelde, nem, porque quereria ser uma mártir. Na verdade, nem sabemos bem os pormenores da sua morte.

Não sabemos da Masha Amini, mas sabemos de outras 90 pessoas, que depois de Amini, decidiram lutar por algo em que acreditam, e que entra em confronto com a estupidez, ignorância, hipocrisia e uma ideologia bacoca de algo que deveria ser erradicado, e é aqui que me torno extremista.

No meio de tal selvajaria, estas mulheres tiveram a coragem de dar o peito às balas, defendendo algo que não devia sequer ser um direito, devia ser um dado adquirido, e que é uma mulher andar com a cabeça destapada, uma mulher poder ser uma pessoa. Isto é o mais básico dos básicos.

As mulheres muçulmanas não são oprimidas porque os seus homens são machistas, são oprimidas porque os seus homens são idiotas que vêem na religião o seu bem mais precioso, o guia de uma vida, e peço desculpa a quem se sinta ofendido, mas as religiões são o cancro da humanidade. Já viram quantos conflitos existem por esse mundo fora, que têm na religião o seu motor de combustão?

E isto não é de agora. Os cristãos também fizeram das suas, e a história não deixa dúvidas a ninguém. Haverá quem vá todos os Domingos à missa, quem veja nas parábolas religiosas ensinamentos para a vida, mas acabam sempre por aplicar o "faz o que eu digo, não faças o que eu faço".

Como pode uma pessoa guiar-se por algo que já serviu, e serve para dizimar, ou tentar dizimar, outro alguém que tem uma crença diferente da nossa? Algo que faz com que obriguem seres humanos a andar de cara tapada, fazer jejuns intermitentes forçados, a que chamam Ramadão, ou a não comer carne a determinado dia. Temos, por exemplo, na religião católica uma base formada no sacrifício de um tipo que foi humilhado, violentado, torturado e preso numa cruz, aos olhos de um mar de gente, sem ter uma alma que erguesse um braço para o ajudar.

Temos a Bíblia, que serve como escudo protector, para quem julga que só os outros é que pecam, e temos um Alcorão que se serve também do mesmo princípio.

Bem sei que muita gente precisa de acreditar em algo, mas como se pode acreditar em algo cujos todos os meios são aceites para atingir os fins.

Masha Amini foi morta sem sequer renunciar à religião que serviu de desculpa a uns hipócritas para que a pudessem, ou não, matar. Há que respeitar a ordem de colocar um trapo na cabeça de uma mulher, mas pelos vistos o "não matarás" é algo que é para manter à margem.

Choca-me bastante que este assunto não tenha tanta repercussão mediática como teve, por exemplo, a doença da Constança Braddel. Não estou com isto a dizer que a rapariga não tivesse merecido a atenção que lhe foi dada, e essa atenção até lhe abriu uma janela de esperança, mas a luta da Constança era contra uma doença, em que os que sofrem são alguns, os que se salvam são uns poucos desses alguns, mas, infelizmente, está-se a lutar contra uma inevitabilidade. Aqui as que sofrem são imensas, não é uma doença e aquilo contra o que se luta é apenas a interpretação que determinados homens fazem da sua religião.

Como afirmei no princípio, este e um assunto sobre o qual nem sei bem se deveria ter falado. Provavelmente meti os pés pelas mãos e, caso haja comentários contrários aquilo que digo, poderão até estar certos, mas contra factos não há argumentos... As religiões são propaladas como sendo fonte inesgotável do bem, mas pelo que tenho visto são muito mais eficazes a fazer o seu contrário… 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D