Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

30
Mar22

Agora sim, vai ficar tudo bem


Pacotinhos de Noção

png_20220330_201343_0000.png

E pronto, meus amigos. Agora é que a coisa se dá. Vai ficar tudo bem e vai entrar tudo nos eixos. Tomou hoje posse o "nosso" novo Governo. Lembro-vos que termos estado sem quem tão habilmente nos guiasse, levou a uma crise sem precedentes, não só aqui, mas também no Mundo. Estou em crer que se António Costa, e os seus compinchas, já estivessem no poder, o tipo que invadiu a Ucrânia ia pensar duas vezes.

Sim, eu sei que não temos o poderio militar dos E.U.A, a força económica de uma Alemanha, mas o facto é que o biltre, com focinho de Bull Terrier, invadiu o país vizinho quando Costa estava sem o fato-macaco vestido... Coincidência? Se calhar não.

A escalada dos preços dos combustíveis é provável que não pare. Não podemos imputar essa responsabilidade ao nosso tão querido Primeiro-Ministro porque não é ele que manda nos preços. A culpa é desta odiosa guerra que tudo encarece.

Dizem as más línguas, mas eu não acredito, que há muito oportunismo e que agora o conflito russo-ucraniano para tudo serve de desculpa. Que o combustível está caro por pagarmos cerca de 60% de impostos, que o óleo está caro porque aproveitam para dizer que a base da sua produção são cereais importados da Ucrânia, e que o vinho e o azeite, que até são de produção nacional, também encareceram, não por falta de matéria-prima, mas por haver o aumento dos combustíveis. Um litro de azeite que custava 2,80 €, agora custa 3,60 € porque o combustível aumentou e como cada garrafinha de azeite apanha o seu próprio UBER para chegar às prateleiras dos nossos supermercados, então teve que se fazer estes aumentos.

Existem as desculpas de mau pagador, mas aqui temos as desculpas de mau cobrador, que não havendo melhor justificação aproveitam logo aquela que está mais à mão. Até há bem pouco tempo era a pandemia, que tanto nos fustigou, agora isto. Muito resumidamente, é música que o nosso Primeiro toca e que vamos dançando ao ritmo que ele quer.

Neste magnífico novo Governo temos maioria de mulheres. É apenas mais uma do que em relação aos homens, mas como Medina é uma pequena amostra masculina, podemos concluir que o lado feminino ganha por uma ministra e meia.

O que muda isto em relação a outros Governos cuja maioria eram homens?

Para já mudam no que diz respeito à classificação. Dantes dizíamos "estes incompetentes" e agora passaremos a dizer mais frequentemente "estas incompetentes". Depois, e se forem todas tão sensíveis como a Marta Temido, vai ter que haver uma grande fatia do orçamento para lenços de papel. Se bem se recordam Marta Temido chora quando faz trampa, quando diz algo que depois afirma ter sido tirado do contexto, ou quando faz um qualquer discurso fajuto, carregadinho de marketing farsola. Vai ser uma choradeira que não acaba mais.

Gostaria de destacar a nova Ministra da Defesa, Helena Carreiras.

A sua ligação às Forças Armadas acontece porque escreveu alguns livros que abordam o assunto "Mulheres nas Forças Armadas".

Acho bem que tenha sido esse o critério, afinal de contas a Filipa Vacondeus também era apelidada de cozinheira sem nunca o ter sido mesmo, mas como escrevia muitos livros de culinária ganhou esse epíteto.

Pode ser que Helena Carreiras se inspire na cozinheira, tão conhecida pelo seu arroz com cordéis de chouriço, e também consiga fazer uns aproveitamentozinhos, com vista à renovação das nossas tropas.

Vamos aguardar, não quero estar a ser injusto e, como diria Sócrates, o grande Júlio Isidro de Costa, quero deixar o meu voto de confiança a este Governo... "Um voto de confiança de que cada um deles dará o seu melhor, por um país mais justo, por um país mais pobre... Perdão, por um país mais justo, mas também mais solidário." Estas gafes, pá.

03
Dez21

A tenda está montada e somos os palhaços


Pacotinhos de Noção

png_20211203_164614_0000.png

Há dias em que nos sentimos afundados num mar de trampa e quanto mais nos debatemos mais somos engolidos, como de trampa movediça se tratasse. Hoje é um desses dias e temo que a coisa não melhore tão depressa assim.

Não sou minimamente nacionalista nem tenho um orgulho incomensurável de ser português, nem penso que sejamos melhores que os espanhóis, por exemplo. Também não penso que por termos uma franja de população vergonhosa que isso faça do país vergonhoso. É apenas um país habitado por gente que não vale um escarro.

Aquilo que me faz realmente ter vergonha, não de ser português, mas sim de ser um cidadão que convive com outros cidadãos que julgo serem pensantes, é estarmos no fim de uma legislatura de aldrabões, mafiosos e criminosos e ainda assim ter a clara percepção de que estes mesmos vigaristas, muito provavelmente, vão de novo ganhar as eleições. Assim como não sou nacionalista também não sou de esquerda, direita ou centro. Sou de ideias e de trabalho apresentado, e também sou crítico quando não existe esse trabalho e sim falta de vergonha crassa e descarada. Voltar a votar no PS, e na esquerda que hoje temos, é ser violado em determinada rua e voltar a passar naquela rua, apenas porque na outra temos que caminhar mais 5 minutos. Arriscamos a ser de novo violados, mas preferimos dores no rabo a bolhas nos pés.

Quem tiver tempo, e tempo sei que sobrará a alguns, desafio que façam um levantamento de obras públicas e desenvolvimento em geral do país, em anos de governo PS, e façam também um levantamento de escândalos quer de corrupção, lavagens de dinheiro, desvios de fundos e de descaramentos em geral, e depois afirmem se vale mesmo a pena votar nestes abutres.

A decisão tomada pela procuradora do Ministério Público, acerca do acidente que envolveu Eduardo Cabrita, não tem apenas uma palavra que a defina. Tem várias e todas muito feias. Pulhice, vigarice, conluio, maquinação e uma, peço desculpa, mas terei que a dizer, autêntica filha da putice.

Todos desconfiávamos que Eduardo Cabrita, o super-ministro, iria sair fresco e airoso de toda esta situação. Tínhamos a percepção de que o culpado seria o desgraçado atropelado, mas a voz do povo uniu-se e de certa forma defendeu a memória da vítima e ficou alerta para perceber se seria cometida injustiça ou não. A maior injustiça cometida não tem mais retorno, o homem foi rebentado por um BMW de um ministro ranhoso, que ordenou que deveria estar em determinado sítio a determinada hora, e como nova injustiça não poderia ser cometida contra o atropelado puxou-se a corda do outro lado fraco, e de quem poucos se lembraram, ou que até lembraram, mas que não queriam acreditar que houvesse o descaramento de quebrar essa parte da corda.

No final das contas o grande culpado deste acidente foi o motorista. O motorista decidiu por ele que os compromissos do ministro tinham que ser cumpridos e como tal teria que pôr o pé no acelerador. O ministro de nada sabia, ele era apenas um mero passageiro, assim como eu e você que me lê, e que é transportado no comboio da CP ou no autocarro da Carris, sem poder definir se o motorista anda rápido ou devagar.

Este argumento de indivíduo doente mental, de que é um mero passageiro, foi vomitado pelo próprio Cabrita, muito provavelmente após ter almoçado um belo prato de fezes, regado com um bom vinho, mas que não lhe faz mal beber, pois ele será sempre um mero passageiro.

A passagem que mais me custa pagar a este indivíduo é a passagem diária de ser ministro de um Governo que não escolhi, mas que é o que me abalroou, como se de um BMW apreendido a um traficante se tratasse.

Acaba por fazer sentido que esta tragédia tenha por parte fundamental um carro usado por um criminoso, que foi agora definido ser o motorista, que também já foi o anterior dono do carro, mas que não será nunca, em tempo algum e em nenhumas circunstâncias, o javardo do ministro para quem o motorista trabalha.

Peço desculpa pelo desrespeito que este texto demonstra por pessoas que seria suposto merecerem o meu respeito, mas quando assisto a um crime, em que o principal criminoso se escapa da forma mais descarada e vergonhosa possível, ainda para mais sempre com a mão do seu companheiro António Costa apoiada nos seus ombros, tenho alguma dificuldade em manter o respeito.

Por isso digo e peço a todos quanto possam, a abstenção não é solução e urge mudar esta gentalha que de já terem os lugares tão cativos ganharam laivos de ditadores. Os que vierem também hão de errar, mas estes erram, tomam-nos por parvos e cospem-nos na cara.

28
Out21

"Ganda" melão!


Pacotinhos de Noção

PhotoRoom-20211028_012508.png

 

E eis senão quando numa 4ª feira, que é aquele dia da semana chocho, porque está ali mesmo no meio em que ainda falta para o fim-de-semana mas também já não falta tudo, começam a acontecer coisas, e coisas muito engraçadas e os visados não sei se estariam ou não à espera, mas se não estavam "apanharam um ganda melão".

A primeira é uma autêntica salada de frutas.

A Polícia Judiciária fez hoje buscas na Junta de Freguesia de Arroios e na casa da dupla ex-presidente (da Junta e da ABRAÇO).

Ao que parece a PJ, para fazer o caminho da Junta para a casa de Margarida Martins, aproveitou a boleia de um funcionário da Junta que ia levar um quilo de figos à senhora, que são para pagar mas que ficaram assentes no livro dos fiados.

Ao que parece também a senhora é uma pilantra e usou-se do seu lugar de autarca para desviar algum "bago", e não estou a falar de uvas. Estou a falar de pilim, de carcanhol, de cheta.

Para mim não foi novidade que o abraço que esta senhora mais aprecia é o abraço do vil metal. Nos saudosos anos 90 a escola que eu frequentava contactou a então presidente da ABRAÇO para que fosse feita uma visita de estudo com o intuito de dar a conhecer aos jovens os perigos da SIDA, como evitar, a importância de não estigmatizar, e.t.c., ao que a voraz frugívora respondeu que apenas aceita visitas de estudo mediante pagamento. Mandámo-la à fava.

O segundo acontecimento é assim um tanto ou quanto inócuo.

Então não é que o Orçamento de Estado não foi aprovado? Uma oportunidade impressionante de nos podermos afundar a todos um bocadinho mais e o Parlamento não nos permitiu.

O Presidente da República tinha avisado que caso esta situação acontecesse iria convocar eleições, e ao que parece daqui a uns tempinhos lá iremos nós ao sufrágio.

Tenho que admitir que estou em pulgas. Sinto-me como aqueles garotos que têm uns ténis, velhos, sujos, gastos e mal cheirosos mas que sabem que daqui a pouco vão comprar uns novos e estão ansiosos para mandar para o lixo aqueles que já não prestam.

Não sei se a esquerda vai voltar a ganhar. Não tenho confiança no povo votante, que se vende pelas bazucas e promessas que já foram feitas, não foram cumpridas e que serão feitas novamente e o "looping" continuará infinitamente.

Outro "looping" que também acontece quase sempre são os anos de tortura que iremos viver depois de vários anos de desGoverno PS. Foi assim no pós-José Sócrates e vai ser assim no pós-António Costa. A memória do povo é curta e depois dos primeiros anos de um Governo não PS, já se vão começar a inflamar contra quem na altura estiver no poder.

Para finalizar faço apenas uma pergunta.

Hoje, em Outubro de 2021, estamos melhores do que estávamos em 2015, quando Pedro Passos Coelho deixou de ser Primeiro-ministro?

Fica a pergunta.

14
Out21

Tanto queixume


Pacotinhos de Noção

Polish_20211014_192928747.jpg

Cambada de amélias queixosas, é o que vocês todos são.

Gasolina a 2,00€ parece-me bem, aliás parece-me até mais do que bem. Estes preços são necessários para a nossa evolução e por isso acho até que deviam aumentar para 4 ou até 8,00€. Ao fazer isto são só vantagens.

Com gasolina a preços proibitivos só vão passar a andar na estrada doutores e engenheiros, tudo o que é a ralé vai de transportes. Desta forma, caso haja algum acidente, coisa que duvido muito tendo em consideração que quem andará na estrada serão só pessoas de educação acima da média, e como tal condutores conscienciosos, mas na eventualidade de acontecer, não haverá escaramuças porque são todos pessoas que não armam barraca por dá cá aquela palha. Chegarão a acordo calmamente e com termos, e podem até preencher a declaração amigável durante um maravilhoso almoço no Gambrinus, regado com um bom Dom Perignon. A conta deste almoço fica ao preço de meio depósito de combustível.

Com os impostos arrecadados, por cada litro de combustível, teremos um Estado rico e poderoso que investirá toda essa maquia na saúde e na educação. Há a probabilidade que seja na saúde e na educação deles próprios, mas acho bem também. Precisamos de políticos saudáveis e educados, para levar o barco a bom porto... Mas tem que ser um barco a remos porque ser for a gasolina não poderá ser um barco, acho até que não é possível porque o combustível precioso agora é um pouco elitista e só aceita servir de alimentação a uma lancha ou um iate.

Se há coisa de que não podem acusar este Governo é o de ser incongruente.

Aumenta o combustível mas também aumenta de novo o imposto sobre as bebidas açucaradas, sobre o tabaco, bebidas alcoólicas e aumenta também o esforço no bolso dos portugueses. Mas o que é um esforçozinho a mais quando no final está o bem comum a toda uma nação, e que é o de fechar buracos financeiros deixados por gestões deficientes em bancos no passado, no presente e no futuro, porque não sou bruxo mas aposto o dedo mindinho de que mais dia, menos dia rebenta outro escândalo bancário.

Mas comecei este texto por ofender quem me lê e gostaria muito de o continuar a fazer.

Mordem a mão de quem vos alimenta, ou pelo menos de quem vos alimenta moralmente, porque com o também mais que provável aumento dos bens essenciais ao consumo, alimentação é coisa que começará a escassear. Mas vejo tanta gente com um apetite tão grande em utilizar está tão bonita palavra que entrou na moda e que é a RESILIÊNCIA, que o nosso querido António Costa apenas vos quer dar obstáculos a superar para que possam assim ser mais resilientes. Ser resiliente numa pandemia, ficando fechado em teletrabalho ou recebendo o "lay off" é uma fantochada, no que a resiliência diz respeito. Ser resiliente é meterem-se em transportes, faça chuva ou faça sol, para enfrentarem, no mínimo 8 horitas de trabalho para receberem a vossa compensação no final do mês para depois, terem o tostão para pagar aquilo que nos mandam pagar. E sem resistência porque resistência na resiliência é algo para que os nossos governantes não têm paciência.

Resumindo: Pagam -> Trabalham -> Recebem -> Pagam.

Em linguagem técnica de economia, que não sei se entenderão, esta situação é apelidada de "Pescadinha de rabo na boca" em que nos comem a pescadinha e nós ficamos com um ligeiro sabor a rabo na boca. É lixado, mas é assim mesmo.

Para terminar. Tenho um jerricã de 20 litros cheiinho de gasolina. Troco por T3 na Albufeira ou no Alvor. Contactem-me.

07
Set21

O alheamento do Miguel


Pacotinhos de Noção

Momento-da-entrevista-de-Sousa-Tavares-a-Costa-queNuma entrevista ao Primeiro-ministro, onde foram dadas tantas voltas para não recebermos nenhuma informação relevante, e em que se ficou a perceber que aos olhos de António Costa, Paulo Rangel será o mais provável sucessor de Rui Rio (calha bem, depois do que escrevi ontem) a populaça apenas se cativou pelos 2700 euros do primeiro emprego do jovem, que Miguel Sousa Tavares há-de ter sido.

Devo dizer que Miguel Sousa Tavares desperta em mim algo de bonito, uma vez que cada vez que abre a boca a única coisa que me vêm à cabeça é a frase "Estás bonito, estás". A culpa é da TVI que o coloca aquela hora, em que provavelmente já vai jantado e bem regado. Mas os bêbedos também podem ter voz activa, mesmo que a voz pareça mais o coaxar de um sapo. Mas é deixá-lo coaxar... falar, digo.

Ainda assim queria sublinhar que, e lamento se realmente eu estiver certo e a maior parte do pessoal estiver apenas a utilizar este exemplo porque de resto nada conseguiram tirar da entrevista, o Miguel Sousa Tavares fez o chamado de "supondo que".

"Supondo que" um jovem no primeiro emprego ganha 2700€, é um "supondo que" parvo, estúpido e irreal, porque se um jovem conseguir no primeiro emprego chegar aos 700€, não estará no bom caminho mas estará no caminho habitual no nosso país. E sim, estou a falar de pessoal licenciado. Hoje há pessoal licenciado que começa por ganhar muito próximo do salário mínimo nacional, e se querem querem, se não querem metam-se num avião e vão trabalhar no estrangeiro, onde por pouco que sejam mais valorizados, ainda assim são-no mais do que aqui. Conheço muitos casos assim, que não estão felizes pois prefeririam estar em casa, junto dos seus, mas que se recusam a ser gozados no seu recibo de vencimento.

Esta realidade não é só culpa das entidades patronais, que por cada funcionário que têm pagam uma batelada de dinheiro ao Estado, que vai ainda buscar outra batelada ao vencimento de quem trabalha. E quão maior for o vencimento maior é o ro(u)mbo.

Voltando ao Miguelito, que deu um exemplo estúpido porque a realidade dele é diferente.

Será que quem me lê neste momento é assim tão diferente dele?

Pergunto porque nesta pirâmide social em que vivemos não é só quem está lá mesmo no topo, no pico do pico, que não olha para baixo. Para cima todos olham, para invejar e desdenhar o que o outro ganha, e eu até acho que nem tem mal nenhum, se o facto de invejar fizer com que sonhem que um dia lá poderão chegar. Afinal de contas sonhar não custa e por semana há dois sorteios do Euromilhões. Nunca se sabe. Uma coisa é certa, a trabalhar nunca lá chegarão, e a roubar só se tiverem os contactos certos. Mas voltando ao alheamento do Miguel, que afinal é geral.

Existe toda uma classe média que tem mulheres-a-dias e que tentam pagar o mínimo possível à hora a essa senhora. Essa mesma classe média é a que se queixa de que o seu filho ganha pouco no primeiro emprego, até porque houve um grande investimento na universidade privada do seu menino, ignorando o facto de que aquela senhora a quem ela tenta pagar o mínimo possível à hora, para conseguir chegar ao fim do mês com um ordenado que se veja, tem que trabalhar em mais duas ou três senhoras por dia, sendo que todas elas gostariam de lhe pagar menos do que aquilo que pagam e que o filho não anda na universidade, por muito que ela gostasse, mas a vida não lhe permitiu. Ah, e o primeiro que se lembrar de dizer que estudando teriam acesso a bolsas, podem agarrar nesse argumento e enfiar bem fundo na bolsa. As bolsas não são comparticipadas na totalidade. Há sempre gastos numa universidade, que alguém que é filho de uma mulher a dias, por muito esforço e vontade que tenha, não vai conseguir suportar.

Mas estas pessoas da classe média também trabalham, e trabalham para aqueles que gostam que os funcionários vistam a camisola e, como todos sabem, vestir a camisola no nosso país é trabalhar o máximo que conseguires, cumprindo objectivos estapafúrdios, com prazos ridículos, para que a empresa X fique satisfeita com a empresa onde a pessoa da classe média trabalha, para assim garantir mais contratos promissores que vão garantir que o patrão ganhe muito dinheiro, com o mínimo do seu esforço, mas não dando grande valor ao esforço de quem trabalha, para que a sua empresa cumpra os tais objectivos. Mas não podemos levar a mal o patrão. É que ele é como o Miguel, está lá em cima e a realidade dele é diferente da realidade do cidadão comum, assim como a realidade do cidadão comum é diferente da do cidadão de baixa classe social, assim como a do cidadão de baixa classe social é... Esqueçam, abaixo pouco há. A base da pirâmide é esta e se a base for composta pelos que menos têm nunca chegaremos a lado nenhum, porque uma base fraca acabará por se desmoronar. E isto é um facto a que não podemos ficar alheios.

03
Set21

Que comece a palhaçada


Pacotinhos de Noção

Polish_20210903_024820922.png

Eis-nos então chegados à tão falada "silly season".

Os chatos já vão começar a dizer que estou desfasado no tempo, porque esta temporada tão falada nos espaços noticiosos é durante o mês de Agosto e acabámos de entrar em Setembro.

Pois digo-vos que desfasados estão vocês, e é da realidade.

Para mim a "silly season" é uma altura em que podemos apelidar como época da parvoeira, e a única altura em que essa parvoeira está mais diluída é precisamente durante o mês de Agosto. Os responsáveis pelos pais vão quase todos molhar o rabo, nas águas mornas algarvias, e como ficam com o cérebro de molho acabam por não ter tempo para dizer asneiras e fazer patacoadas. Mas mal chega Setembro, lá aparecem eles, bem mais tostadinhos, e de baterias carregadas, para nos dar barrigadas de riso e bastantes dores de cabeça.

João Leão, o nosso valoroso Ministro das Finanças, começou esta semana já com piadolas.

Afirmou que a pandemia nos vai custar 40 mil milhões de euros.

Destes 40 mil milhões apenas 5 mil milhões dizem respeito a ajudas à população ou algo que lhes seja inerente. Tudo o resto são despesas do Estado. Muito provavelmente é para pagar a conta de papel higiénico que o Governo há-de ter comprado logo no início da chegada do vírus. Como se lembrarão houve uma corrida aos pergaminhos higiénicos e como quem faz maiores borradas é o Governo, é bem provável que tenham gasto paletes de papel higiénico, como diria o Herman...

Outra palhaçada que se ficou a saber, já no dia de hoje, foi o pedido de indemnização que a ex-presidente da Raríssimas, Paula Brito da Cunha fez, alegando que a sua demissão foi ilegal e que lhe provocou sérios problemas de ansiedade e depressão e passou até a precisar de acompanhamento psicológico. Considero uma vergonha o que fizeram a esta senhora, que estava habituada a tirar os seus tostões da caixa da Raríssimas e que, assim por dá cá aquela palha a colocaram em tribunal e despediram. Afinal de contas a palha são mais de 300 mil euros, mas não deixa de ser palha. Querem mais "silly" que isto? Então cá vai.

Estão quase a acontecer as eleições autárquicas e aqui a palhaçada é tanta que até acaba por ficar confuso.

Palhaçada de quem está no poder autárquico porque há muito pouco trabalho para mostrar. Posso dar o exemplo da presidente da Câmara Municipal de Almada, Inês de Medeiros, que era um concelho que vinha sistematicamente a crescer e a melhorar, e que nos tempos desta Presidente, estagnou e até regrediu. Quem caminha por Almada ou pela Costa, há-de perceber aquilo que estou a dizer.

Outros palhaços são quem deveria ir votar mas não vai.

Há o argumento de que não vão votar, porque as autárquicas não mudam nada no que ao Governo diz respeito, e é por isto que estão a ser palhaços.

Não se iludam ao pensarem que é o Governo que vos vai tratar de problemas camarários. É o presidente da câmara que vai tratar daqueles assuntos mais corriqueiros, mas que acabam por chatear e melhorar o vosso estilo de vida quando são resolvidos, e os resultados das autárquicas acabam por ser um prólogo no que às legislativas diz respeito. A política começa no poder local e aos poucos vai subindo, para chegar até ao Sr.Presidente da República.

Outros palhaços aqui são toda a oposição, que não se organiza de maneira nenhuma para conseguir fazer assim tremer a máquina do Estado que está mal oleada e trabalha mal, mas que continua a ser a primeira opção da população porque as alternativas são tão boas como bater com o dedo mindinho do pé na esquina de uma cadeira.

E pronto. Em relação a mais palhaçadas que tenham entretanto surgido, encobertas pelo manto da "silly season", lamento mas não vou comentar, porque o dia tem 24 horas e estar a tratar assuntos de fontes inesgotáveis, acabam por levar tempo e como não sou palhaço rico, também tenho que trabalhar.

30
Jun21

Atropelei um passarinho


Pacotinhos de Noção

img_7206.jpg

Ia na A5, no sentido Lisboa - Cascais, e quase a chegar às portagens de S.Domingos de Rana um pássaro bateu-me no pára-brisas. O vidro não estalou mas sei que o pássaro morreu. Pela força da batida tenho a certeza que o pardal não se safou.

Isto aconteceu-me há 14 anos. Não é um trauma mas de alguma forma há-de me ter marcado, porque recordo o episódio com clareza até hoje.

Não me senti um cabrão, mas também não me senti um Cabrita.

Não sei o grau de sentimento de culpa do senhor Cabrita. Sei que do tipo que estava a trabalhar a culpa é total, ou pelo menos o comunicado que o MAI emitiu assim o dá a entender, pois os trabalhos não estavam sinalizados, o senhor estava a jogar à macaca no meio da auto-estrada e até tinha a alcunha de "Pombinho", por isso era mais que certo que poderia vir a ter o triste fim que teve o pardal a quem ceifei a vida.

A humanidade não é flor que se cheire mas quando ganham lugares de elementos governativos então fedem que se fartam. Séculos de história estão ai para o provar, mas mesmo sabendo isto, parece-me vergonhoso, obsceno e amoral demais que depois de tanta incompetência de um Ministro, cujos pedidos de demissão se vão acumulando de dia para dia, o mesmo continue em funções, tenha o apoio do Primeiro-Ministro e que o Presidente se feche em copas no que a esta personagem diz respeito.

Dir-me-ão que foi uma fatalidade... Estou de acordo, foi uma fatalidade, poderia acontecer a qualquer um, o que não é fatalidade é tudo aquilo que aconteceu depois.

Estes joguinhos de poder e protecção, esta máfia engravatada que corrompe o nosso dia-a-dia afirmando que nos governa, está só a governar-se a si mesmo.

O que aconteceu no SEF, se não tivesse saído cá para fora, tinha ficado por isso mesmo. Mas foi divulgado e a viúva do cidadão ucraniano ficou sem marido, sem sustento mas como a crítica internacional teve conhecimento do caso, teve que se calar a senhora com perto de 850 mil euros.

A mulher deste trabalhador não tem a crítica internacional do seu lado. Tem pouca da nacional, porque na altura em que o marido morreu, a crítica até estava mais preocupada com os jogos da selecção, e tem também um Ministério da Administração Interna cujo "patrão" é o tipo que lhe atropelou o marido, e que no lugar de lhe valer, só vai complicar mais as coisas. Isto parece até daqueles filmes em que por mais que o herói se tente safar, a areia movediça da máfia que o persegue é tal, e tem tantas ramificações no poder, que a única coisa que lhe resta fazer é dar-se à morte.

A BRISA já veio desmentir o MAI. A obra estava sinalizada, como aliás é apanágio da empresa em todos os seus trabalhos. Já o MAI não indica os níveis dos testes de alcoolemia, não dá a conhecer a velocidade a que seguia o carro e tentam apenas proteger um Ministro que de tão incompetente e arrogante, levou à morte de uma pessoa.

Mas isto não é caso único. Se bem se recordam, no Verão de 2017 deu-se o incêndio de Pedrogão e morreram pessoas.

O Primeiro-Ministro e o Presidente afirmaram que tal não podia tornar a acontecer... Em Outubro, e porque a época de incêndios supostamente já havia acabado, houve novos incêndios mas não havia os meios indicados para os combater. Morreram mais pessoas. Quem foi responsabilizado? NINGUÉM. A única medida que se tomou foi a obrigatoriedade da limpeza das matas, sob pena de se passar elevadas multas aos proprietários dos terrenos. Importa referir que os terrenos do Estado não servem de exemplo e poucos são limpos.

A empresa para quem Nuno Santos "Pombinho" trabalhava cobriu as custas do funeral. Não o devia ter feito. O Governo, do qual faz parte o elemento que custou a vida a esta pessoa, deveria ter olhado a esta despesa e a muitas outras que advém desta morte. Se os filhos de Ihor Homeniuk têm direito a uma pensão enquanto estiverem a estudar, e a viúva a uma indemnização, então também as filhas e a mulher de Nuno Santos deveriam ter. Os casos são diferentes apenas porque um está a ser abafado e o outro não foi.

Ainda se vai chegar à conclusão de que a culpa é só do motorista, que apenas teve que cumprir ordens, mas como se sabe a corda parte sempre para o lado mais fraco.

Eu matei um pardal e senti-me mal, o Cabrita foi responsável pela morte de um homem, mas não tirou o rabo do carro.

15
Abr21

Se não nos governam, que nos governemos


Pacotinhos de Noção

Polish_20210415_113137129.jpg

Quem andar distraído, e que não conheça a realidade do país, poderá deixar-se envolver pelo mediatismo destas duas personagens. Ambos são exímios em enfiar a cabeça na areia quando algo dá para o torto e a realidade é que não nos governam, apenas se deixam levar. Não me estou apenas a referir a toda a situação em torno do COVID. Fazendo um muito pequeno esforço de memória relembro os incêndios de 2017, que foram uma clara demonstração de falta de prevenção e organização. O de Pedrógão foi uma tragédia e o 1º Ministro, o Presidente e até o Gato das Botas vieram lamentar o acontecimento, mas a verdade é que acabando no calendário a época de incêndios, achou-se por bem que já não havia grandes perigos, sem levar em consideração que estávamos a viver um dos inícios de Outono mais quente dos últimos anos e eis senão quando em Outubro se registam novos incêndios, e se em Junho já tinham morrido 66 pessoas, em Outubro morreram mais 49. Foram 115 mortes em poucos meses, sem que qualquer tipo de vírus tivesse interferido.

A verdade é que tudo passou, não houve consequências políticas, a não ser uma Ministra da Administração Interna que claramente não servia para o cargo e que demonstrava que os mortos não eram gente, mas apenas números.

Isto para dizer que muito pouca coisa mudou. Continuamos a ser marionetas nas mãos destes dois que nós vão deitando migalhas de pão bolorento mas que o propagandeiam como sendo pão-de-ló.

Aquilo que na altura fizeram foi imputar as culpas em quem tinha terrenos e que não os limpava. Gerou-se aqui uma nova oportunidade de multa fácil, que é o que se pretende.

Agora com o COVID a situação acaba por ser a mesma. Não haver vacinas é culpa de todos menos de quem as compra. Biden afirmou que iria vacinar 100 milhões de americanos, depois aumentou a fasquia para os 200 milhões e a verdade é que lá a vacinação decorre a passos largos. Têm mais poder económico? Pois claro que terão, mas o que ganham em poder económico ganha António Costa em chico-espertice. Posso estar a elaborar uma nova teoria da conspiração, mas a nossa vacinação é tão lenta que a ideia que dá é que Costa e Marcelo pretendem que se chegue a uma imunidade de grupo europeia e nós, sendo pequenos e estando aqui neste cantinho, acabamos por poupar ao não ter que investir nas vacinas... Mas a imunidade não se gera desta forma. E depois tentam fazer-nos viver a medo, ameaçando com novos confinamentos. Não é a confinar que a coisa se resolve, mas ainda assim poderá ser a que lhes sai mais baratos, porque apoios são próximos de zero e quem está em teletrabalho até se tem adaptado.

Vacinar, vacinar, vacinar, deveria ser o mote. Não pretendo respeitar caso haja novo confinamento. Os portugueses têm feito a parte deles respeitando o que tem sido indicado, mas acaba por ser frustrante estar a ser prejudicado para depois ver os números aumentar porque os miúdos tiveram que ir para a escola, porque os pais já não os aguentavam em casa, ou porque há uns tantos parasitas que querem beber imperiais nas esplanadas.

Itália, França, Líbia, Holanda, nestes países houve confrontos por causa da revolta que as pessoas começam a sentir por terem que confinar. Não devemos chegar a tanto, a violência só gera violência, mas se TODOS os negócios abrirem e se TODOS fizerem uma vida normal, ainda assim tendo todos os cuidados necessários para evitar ao máximo a transmissão, julgo que conseguimos demonstrar o nosso desagrado.

24
Fev21

Precisamos de um Rambo para a bazuca


Pacotinhos de Noção

601px-RamboIIRPG7-4.jpg

ATENÇÃO! ATENÇÃO! BANDEIRAS AO ALTO QUE VEM AI A BAZUCA DA EUROPA.

É agora que vamos todos sair da cepa torta. Acabou aquela miserabilidade de andar a contar os tostões para a água, a luz e o gás. Com tanto dinheiro até vou pôr lâmpadas de 200w na casa toda e nem as apago...

E os negócios que neste tempo todo não facturaram? Pois que não se preocupem. Levam agora com um tiro da bazuca e fica tudo resolvido.

Pois é, seria bom mas afinal não é. A bazuca vem ai mas não temos um herói justo e digno como o Rambo ou o Comando do Schwarzenegger. Temos antes um Capone ou um Gotti que faz constantes jogos de charme com os tubarões da europa, afim de aumentar a bala da bazuca, mas nunca pensando em como pode beneficiar o povo, que foi o mais fustigado, mas sim com o intuito de engordar os cofres do Estado para depois ir distribundo milhões a seu bel-prazer, construindo novas estradas, cuja construções são sempre adjudicadas a amigos de primos ou sobrinhos (os grupos Lena desta vida), ou para fazer a renovação dos computadores dos serviços do Estado, que depois vão ter grandes máquinas computacionais, mas que em frente ao ecrã continuam a ter a D.Alzira que tem formação de dactilografa, e que com ela o sistema vai sempre abaixo. Falando em computadores vão também aproveitar para "oferecer" aos miúdos os computadores que eles precisavam agora, para terem as aulas em casa. Vão ser os Magalhães 2. Talvez o nome destes agora sejam os computadores "Alves dos Reis", também ele um descobridor, mas este descobria a melhor forma de burlar. Julgo bem adequado.

Vai-se apostar também em aumentar o número de funcionários públicos, e talvez construir ou remodelar um ou outro hospital. Nada contra esta parte, mas isto seriam coisas que o Estado já tinha a obrigação de fazer, viesse bazuca ou não, houvesse pandemia ou não.

Para as tais empresas que, com tanto tempo fechadas ficaram no vermelho... Perdão, vermelho não na verdade ficaram foi roxas, de tão sufocadas estão, com moratórias, layoff e empréstimos para pagar. Para estas, a solução que a bazuca da Europa trouxe foi... mais um bocadinho de suspense... FOI... MAIS EMPRÉSTIMOS.

Contentinhos?

A conclusão a que se chega é que o dinheiro da bazuca da europa é como aquele dinheiro que é dado aos miúdos, pelo aniversário, mas que depois acabam por serem os pais a gastar, porque afinal de contas precisam mais do que o puto, e eles até o sustentam.

05
Fev21

Viva!!! Chegaram os alemães


Pacotinhos de Noção

 

Fiquei maravilhado em ver a pompa e circunstância feita com a chegada dos médicos alemães. Melhor que isto só quando tivemos a final da Champions, para agradecer aos que lutam diariamente contra a pandemia, que na altura eram enfermeiros e bombeiros e que agora são todos... Menos o Diogo Faro.

Não me interpretem mal, a importância de termos ajuda externa é inatacável, só peca por tardia e se mais ajuda houvesse mais deveria ser usada. Aquilo que não me parece natural é a festa toda feita à volta disto. É bom que se tenha noção de que os médicos alemães, os enfermeiros e todo o material que trazem, é necessário porque todos os dias morrem mais de 200 pessoas e porque o nosso SNS não está a conseguir fazer frente aos obstáculos que vão surgindo diáriamente. 

Só não percebo é porque raio trouxeram ventiladores! De certezinha que passaram os 20kg de bagagem permitida e sem necessidade nenhuma. Recordo-me bem que o nosso Primeiro-Ministro tinha feito grande alarido quando garantiu que tinha adquirido 500 ventiladores à China. Mas não foi só o Primeiro-Ministro. Toda a "entourage" jornalistica pró governo também tinha dado muito ênfase à magnífica compra. Já a notícia de que foi feita a anulação de grande parte dessa mesma compra, é que parece ter passado meio despercebida.

No início da pandemia pensei que era uma sorte não termos um governo populista e ditatorial como seria um do André Ventura, por exemplo, mas a verdade é que o tempo passou e aquilo que se vê é que o que temos é um "des"governo popularucho e com laivos ditatoriais.

Justifico a definição do popularucho com exemplos como o dos ventiladores já acima referido, do milagre proclamado por Marcelo que foram os números da primeira vaga, a vergonha da final da Liga dos Campeões, o choro forçado da Marta Temido no aniversário do Instituto Ricardo Jorge, as vacinas que vinham aos milhões e que agora são racionadas porque afinal vêm poucas, o afrouxamento das medidas no Natal e Passagem de Ano porque ficava bem...

Ditatorial porque de há um ano para cá os nossos governantes só ainda não nos disseram de que maneira e a que horas havemos de limpar o rabo, e qual o papel a usar. E mesmo que dissessem ia ficar tudo sujo na mesma, porque com tantas medidas e restrições que foram colocadas e depois tiradas, e depois novamente colocadas mas afinal não são colocadas assim mas assado... de nada adiantou, porque mesmo assim a coisa chegou ao ponto que chegou. Agora até querem punir severamente quem "pular" a fila para ser vacinado. Saltitões estes que nem deviam existir porque afinal de contas (mais uma vez) se tinha feito grande alarido com a divulgação de quem ia gerir a situação de forma imaculada, a TASK FORCE que afinal é apenas uma TASKA FORCE, porque alguém vacinou sem querer um médico que afinal não devia ser vacinado. Para mim foi bebedeira e miraram no braço do médico certo e acertaram no braço do médico errado.

A verdade é que tem morrido gente em todos os países e isto mostra que para os governos não passamos só de números e de votos, que amanhã morrem mais 205, "mas até não está mal porque são menos que ontem", mas há mortes que poderiam ter sido evitadas caso tivesse havido, durante ainda a primeira vaga, planeamento para prever as seguintes. E estou a falar só de doentes Covid que morreram, porque se formos contabilizar os não-Covid que morreram porque não tiveram o seguimento necessário por partes dos médicos e hospitais...

Para terminar deixo uma pequena questão:

850 milhões de euros (dinheiro injectado no Novo Banco QUE VAI FALIR) daria para montar quantos bons hospitais de campanha para doentes Covid?

Por entre abraços e sorrisos, o Toninho e a Martinha que digam quantos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub