Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

12
Nov21

Quantos são?


Pacotinhos de Noção

Polish_20211112_005940482.jpg

Agora sim, a coisa pia mais fino.

O líder do quase extinto CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, mostra a verdadeira razão porque é um Chicão e não um Chiquinho, ou um Chiclete.

Chiclete não é, porque essa a gente "mastiga e deita fora", e deitá-lo fora é coisa que não parece que vá ser assim tão fácil a Nuno Melo. Só se for deitado fora quando levantarem a mesa, e ao sacudirem aquela toalha velha, gasta e cheia de buracos que é o CDS, o líder vá por lá esquecido no meio, como se fosse a rolha de cortiça daquele vinho fraquinho que já se bebeu, mas que acabou e ninguém mais quer repetir.

Chiquinho também não é porque andou no Colégio Militar desde os 10 anos, o que fez dele o equivalente a um Rambo. Um Rambo do Restelo ou Alvalade, é certo, mas ainda assim um Rambo.

Que o Colégio Militar é um portento a criar homens valentões é um facto. Assim de repente, alguém que me lembro que também é um pupilo do mesmo colégio, e por isso um perigo para se andar à batatada, é o Rui Santos. Sim, esse mesmo, o do futebol. É outro que parece um totó, mas se lhe chega a mostarda ao nariz... Cuidado, é capaz até de vos chamar energúmenos.

Chicão, assim todo eriçado e rabugento sem medo de ninguém, fez-me lembrar o Valentão Loureiro, um boneco do Contra-Informação e que era a caricatura do Major Valentim Loureiro, cujo jargão era "Quantos são, quantos são? Não tenho medo de ninguém." O líder do CDS também não sabe ao certo quantos são, mas sabe que não são muitos, porque foram abalando do partido, mas achei piada a esta caricatura que o próprio criou de si e até penso que o José de Pina, conhecido guionista do Contra, devia reunir os colegas e começar mais uma série do programa. Esta personagem pelo menos já está criada, a única coisa que poderá dar mais trabalho é a questão do nome, até porque Chicão já é nome de boneco articulado e por isso usá-lo na mesma seria falta de originalidade.

Mas não desesperem porque tenho uma sugestão. Sugiro que o boneco se chame Chicuzão. É um nome caricato e adapta-se bem ao visado, porque só mesmo sendo um grande cuzão é que conseguiria fazer a maior parte dos militantes do antigo partido de Paulo Portas, baterem com a porta.

Este trecho da entrevista do Observador, em que vimos Chicão em acção, tem apenas alguns segundos, mas é uma montanha-russa de emoções.

Há a indignação de lhe perguntarem se tem medo, há a raiva crescente ao longo da resposta, e depois há a birra que o entrevistado faz quase questão de fazer. Com atenção até quase que vemos lágrimas nos olhos do Rambo Chicão, e um certo beicinho, que ele conseguiu controlar com o "Por amor de Deus", com que acaba o pouco que se viu.

Quanto ao percurso militar de Francisco Rodrigues dos Santos... Aos 10 anos ingressou no Colégio Militar e depois, talvez aos 17/18 anos, foi para a frente de combate, nessa Guerra malvada que é a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Muitas vidas lá se perderam. Se por noitadas ou festas académicas não interessa, mas perderam.

Quem se riu muito com o "percurso militar" de Chicão foram pessoas, como, por exemplo, o General Ramalho Eanes.

Peço desculpa, aqui estou claramente a mentir, porque todas as pessoas sabem que o General não ri. Não é por mal, apenas não sabe como se faz, mas se soubesse riria com gosto, certamente.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub