Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

01
Ago21

Negacionistas


Pacotinhos de Noção

Polish_20210801_013704957.jpg

Hoje tive o meu primeiro contacto com um negacionista. Não lhe falei, os nossos olhos não se cruzaram, mas a presença dele marcou-me. Não pelas alarvidades ditas, que até nem me eram dirigidas. Eram apenas as típicas atoardas que se lançam para o ar e que quem quiser apanhar, que apanhe.

Foi numa pastelaria e lá estava ele, ali com os amigos sentado a um cantinho. Parecia a típica imagem do bêbedo na taberna que só diz baboseiras. Mas o local não era uma taberna e ele não estava bêbedo, o que é ainda mais grave.

Este negacionista pelos vistos não nega só o COVID e as vacinas. Água e banho também são coisas em que não acredita porque, conforme disse há pouco, os nossos olhos não se cruzaram, mas o meu nariz cruzou-se com o cheiro que dele emanava, e era quase tão mau como a porcaria que a sua boca expelia.

Este parágrafo era desnecessário, mas achei importante partilhar tão gratificante experiência. Não queria ser só eu a sofrer.

Um negacionista não é um tipo de ser recente. Existem desde o início dos tempos e são dotados de uma agilidade mental sem precedentes.

Na pré-história, quando todos diziam que existiam mil perigos quando se saía para caçar e os negacionistas afirmavam serem só balelas e que todos os outros estavam enganados. Escusado será dizer que faziam esta afirmação por não serem dos indivíduos destacados para caçar.

Dando um salto temporal de muitos e muitos anos, chegamos a um negacionista famoso. Pitágoras.

Até então a teoria de que o nosso Mundo era plano como um prato era a mais comum, mas Pitágoras tinha a certeza que não, sendo então considerado negacionista. Não conseguiu provar a sua teoria que só veio a ser comprovada mais tarde por Aristóteles...

Exactamente, utilizei a palavra "comprovada" que é uma palavra utilizada também pela maior parte dos negacionistas mas normalmente de forma um tanto ou quanto leviana.

Aristóteles comprovou a teoria da terra redonda e em contraponto surgem então outros negacionistas, que continuavam a defender a teoria da terra plana.

Por incrível que possa parecer, ainda hoje existe quem acredite nessa bizarrice.

Negacionistas há para tudo, durante todos os tempos e para todos os gostos.

Deixo aqui até uma sugestão à Panrico.

Já não existem cromos nos pacotes dos Bollycaos. Porque é que não fazem uma colecção de cromos negacionistas, muito ao jeito do "Tou", no princípio dos anos 90.

Haveria o "Nego as evidências", "Nego a COVID", "Nego a chegada do Homem à Lua", "Nego a morte do Michael Jackson", "Nego ser filho dos meus pais", "Nego que PI seja 3,14"... Há uma série de negas que dariam cromos infindáveis.

O que muito me incomoda é que ainda por cima tenho visto, nas redes sociais, que alguns destes negacionistas até são seres cultos e pensantes, e a ideia que dá é que apenas são negacionistas para conseguirem ser diferentes e assim fazerem as atenções recaírem sobre eles.

Chego a ver afirmações de que "se posso morrer com COVID, mas também há uma possibilidade de morrer por causa da vacina, ainda que numa escala muito menor, então prefiro nem tomar a vacina". Isto é apenas burro.

Também os cintos de segurança e os capacetes chegaram a ser alvo dos negacionistas. Um dos argumentos acerca dos cintos era o de que em caso de capotamento, seria mais difícil a pessoa soltar-se tornando assim mais difícil sair do veículo, e eu até concordo. Sem cinto a possibilidade de ser cuspido é bem maior, e assim nem se tem trabalho a desencarcerar nem nada. É só meter no saco e levar o corpo.

Em relação aos capacetes nem me recordo de nenhum argumento. Era pura e simplesmente casmurrice.

Mas cada um tem o direito de ter os ideais e pensamentos que quiser. Não acreditam, pois que não acreditem, mas o que é certo é que se não forem vacinados poderão ser uma forte fonte de contaminação e transmissibilidade, e como tal não lhes deveria ser permitido, mesmo numa altura de mais desconfinamento, que frequentassem locais de mais afluência.

Este Governo é uma desgraça. Ao contrário do que muitos pensam e defendem, este é dos piores que já tivemos, e compreendo que haja muitos descontentes, mas contrariar só por contrariar não faz sentido, e ao contrariar estas normas, sanitárias e de vacinação, não estão a prejudicar só o Governo, estão a prejudicar também o Estado e lembrem-se, que o Estado somos nós... Ou também negarão esse facto?

Como se pode ver o negacionista é uma espécie que habita entre nós deste sempre. Não podemos fazer nada e penso até que nem valeria a pena fazê-lo. Um negacionista só o é enquanto tiver quem lhe dê atenção. Se estiver a negar sozinho, é apenas um maluco a falar sozinho, por isso deixemo-los falar.

24
Fev21

Precisamos de um Rambo para a bazuca


Pacotinhos de Noção

601px-RamboIIRPG7-4.jpg

ATENÇÃO! ATENÇÃO! BANDEIRAS AO ALTO QUE VEM AI A BAZUCA DA EUROPA.

É agora que vamos todos sair da cepa torta. Acabou aquela miserabilidade de andar a contar os tostões para a água, a luz e o gás. Com tanto dinheiro até vou pôr lâmpadas de 200w na casa toda e nem as apago...

E os negócios que neste tempo todo não facturaram? Pois que não se preocupem. Levam agora com um tiro da bazuca e fica tudo resolvido.

Pois é, seria bom mas afinal não é. A bazuca vem ai mas não temos um herói justo e digno como o Rambo ou o Comando do Schwarzenegger. Temos antes um Capone ou um Gotti que faz constantes jogos de charme com os tubarões da europa, afim de aumentar a bala da bazuca, mas nunca pensando em como pode beneficiar o povo, que foi o mais fustigado, mas sim com o intuito de engordar os cofres do Estado para depois ir distribundo milhões a seu bel-prazer, construindo novas estradas, cuja construções são sempre adjudicadas a amigos de primos ou sobrinhos (os grupos Lena desta vida), ou para fazer a renovação dos computadores dos serviços do Estado, que depois vão ter grandes máquinas computacionais, mas que em frente ao ecrã continuam a ter a D.Alzira que tem formação de dactilografa, e que com ela o sistema vai sempre abaixo. Falando em computadores vão também aproveitar para "oferecer" aos miúdos os computadores que eles precisavam agora, para terem as aulas em casa. Vão ser os Magalhães 2. Talvez o nome destes agora sejam os computadores "Alves dos Reis", também ele um descobridor, mas este descobria a melhor forma de burlar. Julgo bem adequado.

Vai-se apostar também em aumentar o número de funcionários públicos, e talvez construir ou remodelar um ou outro hospital. Nada contra esta parte, mas isto seriam coisas que o Estado já tinha a obrigação de fazer, viesse bazuca ou não, houvesse pandemia ou não.

Para as tais empresas que, com tanto tempo fechadas ficaram no vermelho... Perdão, vermelho não na verdade ficaram foi roxas, de tão sufocadas estão, com moratórias, layoff e empréstimos para pagar. Para estas, a solução que a bazuca da Europa trouxe foi... mais um bocadinho de suspense... FOI... MAIS EMPRÉSTIMOS.

Contentinhos?

A conclusão a que se chega é que o dinheiro da bazuca da europa é como aquele dinheiro que é dado aos miúdos, pelo aniversário, mas que depois acabam por serem os pais a gastar, porque afinal de contas precisam mais do que o puto, e eles até o sustentam.

21
Fev21

Parece que isto só está mau para uns...


Pacotinhos de Noção

downloadfile.jpg

Quase diáriamente tenho visto nos noticiários o quão difícil é para a restauração enfrentar esta pandemia.

Não podem receber clientes, o TAKE-AWAY não é suficiente para fazer frente às despesas e como tal o Estado deverá, obrigatoriamente, ajudar o sector.

Tudo isto são verdades e acredito que esta altura seja realmente bastante difícil, mas e todos os outros que não são da restauração?

Não sei bem qual foi o critério dos media para escolher qual seria o sector de negócio que merecia a benesse de quase diáriamente ter o papel de coitadinho em todos os noticiários de todos os canais, mas pelos vistos o nome que saiu em sorte foi "RESTAURAÇÃO".

Ao contrário da restauração há inúmeros negócios a quem não lhes é permitido abrir portas, que não podem fazer TAKE AWAY ou entregas, e que provavelmente também não vão conseguir qualquer apoio do Estado, por está ou aquela vírgula que estará a menos ou a mais num qualquer impresso das Finanças ou da Segurança Social.

O Sr.António, que é sapateiro, fechou totalmente. Assim como a Clarisse Cabeleireira, o Alfredo Alfaiate, o Francisco que tem uma boutique, a Alzira que é costureira, o Cajó que tem uma discoteca ou quem tenha um bar, uma sala de espectáculos, uma barbearia, um salão de estética... Todos os negócios estão em maus lençóis, infelizmente muitos deles não vão certamente reabrir e como tal não é DE TODO a restauração o sector de negócios que está a ser o mais fustigado. Calha até o negócio não ser um restaurante e ser uma pastelaria vizinha do INEM, ou de um quartel de Bombeiros, e poderá vir a ter direito a umas vacinazinhas antes que toda a gente. Ora aí está mais uma vantagem que os outros negócios não têm.

Neste momento não há uns mais coitadinhos que os outros. Estão todos no mesmo barco e este barco mete água por todos os lados, mas lá diz o ditado... Quem não chora não mama.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub