Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

03
Out22

Religião a quanto obrigas


Pacotinhos de Noção

png_20221003_004743_0000.png

Até hoje ainda não falado no caso de Masha Amini porque não me sinto minimamente capacitado para falar acerca deste assunto. Não é que não tenha opinião, o problema é ter uma opinião que poderá ser demasiado extremista, e como não gosto de extremismos, tenho dificuldade em lidar com os meus.

Masha Amini não foi morreu por ser mulher, uma rebelde, nem, porque quereria ser uma mártir. Na verdade, nem sabemos bem os pormenores da sua morte.

Não sabemos da Masha Amini, mas sabemos de outras 90 pessoas, que depois de Amini, decidiram lutar por algo em que acreditam, e que entra em confronto com a estupidez, ignorância, hipocrisia e uma ideologia bacoca de algo que deveria ser erradicado, e é aqui que me torno extremista.

No meio de tal selvajaria, estas mulheres tiveram a coragem de dar o peito às balas, defendendo algo que não devia sequer ser um direito, devia ser um dado adquirido, e que é uma mulher andar com a cabeça destapada, uma mulher poder ser uma pessoa. Isto é o mais básico dos básicos.

As mulheres muçulmanas não são oprimidas porque os seus homens são machistas, são oprimidas porque os seus homens são idiotas que vêem na religião o seu bem mais precioso, o guia de uma vida, e peço desculpa a quem se sinta ofendido, mas as religiões são o cancro da humanidade. Já viram quantos conflitos existem por esse mundo fora, que têm na religião o seu motor de combustão?

E isto não é de agora. Os cristãos também fizeram das suas, e a história não deixa dúvidas a ninguém. Haverá quem vá todos os Domingos à missa, quem veja nas parábolas religiosas ensinamentos para a vida, mas acabam sempre por aplicar o "faz o que eu digo, não faças o que eu faço".

Como pode uma pessoa guiar-se por algo que já serviu, e serve para dizimar, ou tentar dizimar, outro alguém que tem uma crença diferente da nossa? Algo que faz com que obriguem seres humanos a andar de cara tapada, fazer jejuns intermitentes forçados, a que chamam Ramadão, ou a não comer carne a determinado dia. Temos, por exemplo, na religião católica uma base formada no sacrifício de um tipo que foi humilhado, violentado, torturado e preso numa cruz, aos olhos de um mar de gente, sem ter uma alma que erguesse um braço para o ajudar.

Temos a Bíblia, que serve como escudo protector, para quem julga que só os outros é que pecam, e temos um Alcorão que se serve também do mesmo princípio.

Bem sei que muita gente precisa de acreditar em algo, mas como se pode acreditar em algo cujos todos os meios são aceites para atingir os fins.

Masha Amini foi morta sem sequer renunciar à religião que serviu de desculpa a uns hipócritas para que a pudessem, ou não, matar. Há que respeitar a ordem de colocar um trapo na cabeça de uma mulher, mas pelos vistos o "não matarás" é algo que é para manter à margem.

Choca-me bastante que este assunto não tenha tanta repercussão mediática como teve, por exemplo, a doença da Constança Braddel. Não estou com isto a dizer que a rapariga não tivesse merecido a atenção que lhe foi dada, e essa atenção até lhe abriu uma janela de esperança, mas a luta da Constança era contra uma doença, em que os que sofrem são alguns, os que se salvam são uns poucos desses alguns, mas, infelizmente, está-se a lutar contra uma inevitabilidade. Aqui as que sofrem são imensas, não é uma doença e aquilo contra o que se luta é apenas a interpretação que determinados homens fazem da sua religião.

Como afirmei no princípio, este e um assunto sobre o qual nem sei bem se deveria ter falado. Provavelmente meti os pés pelas mãos e, caso haja comentários contrários aquilo que digo, poderão até estar certos, mas contra factos não há argumentos... As religiões são propaladas como sendo fonte inesgotável do bem, mas pelo que tenho visto são muito mais eficazes a fazer o seu contrário… 

03
Out21

Ser ou não ser? Eles não são


Pacotinhos de Noção

530789.png

Há algumas personalidades que me irritam particularmente. Duas delas são Joacine Katar Moreira e o suposto humorista, Diogo Faro.

Irritam-me porque são pessoas, uma delas até com um cargo político de relevo, que aproveitam a sua mediatização para lutas propagandeadas como essenciais, mas que depois mostram que usam grandes espingardas que apenas disparam tirinhos de fulminantes.

Os exemplos são imensos, mas aquele de que quero falar é apenas um. O racismo.

Tanto um como outro enchem a boca para afirmar que existe racismo no país, que as pessoas são catalogadas pela cor da pele e que tal não é admissível em pleno século XXI.

Se existe ou não racismo no país, não posso afirmar. Posso afirmar que temos uma grande percentagem da população que é ignorante. Uns são ignorantes e têm falta de educação, proferindo por vezes comentários que poderão ser considerados racistas, derivado a esses dois atributos.

Exemplo disso é, em conversa com alguém que nem conhecem bem, referirem-se a António Costa como o "monhé", ou que foram à loja dos "chinocas", pensando que ao falar desta maneira estão a ser hilariantes. No seu âmago nem se estão a referir com o intuito de ofender porque "em casa, com a família, até falam assim na brincadeira" mas a verdade é que não estão casa, não estão com familiares e até podem mesmo estar a ofender. Mas isto é a ignorância aliada à falta de educação, como disse atrás, e também misturada com algum preconceito, que as pessoas limitadas inevitavelmente têm.

Depois temos os ignorantes do outro lado da barricada. Os activistas de causas emprestadas, que de próprio não têm nem os argumentos. Aqueles que pegam em qualquer situação para fazer um festival contra a opressão do povo branco contra minorias, mesmo quando as minorias não se revêem naquilo que eles estão a defender. Os activistas que querem deitar abaixo monumentos, espartilhar toda uma sociedade, obrigar a uma inclusão que é feita de uma forma que tem tudo menos o ser natural, e apagar o passado enquanto acendem o lume de uma fogueira ateada à base de livros do Tintin, do Astérix e do Lucky Luke.

Estas pessoas irritam-me porque deixam de parte o que verdadeiramente importa, e que é a luta contra os que realmente são perigosos. Os que já cometeram crimes de ódio, tornaram a cometer e têm orgulho em demonstrar que o vão continuar a fazer.

Dia 1 de Outubro faria 54 anos Alcindo Monteiro. Faria mas não fez. Na realidade deixou de fazer anos aos 27, quando foi morto numa visita ao Bairro Alto, a 10 de Junho de 1995. Para nós, o dia de Portugal, para ele o seu último dia, para os assassinos, o dia da raça

Pelo nome quase ninguém sabe de quem estou a falar, mas se eu disser que Alcindo Monteiro é o rapaz preto que foi morto no Bairro Alto, pelo grupo liderado pelo skinhead Mário Machado, os Hammerskins, já grande parte se lembrará.

Vamos lá ver, Alcindo teve na verdade um azar do caraças, e estava mesmo a pedi-las.

Primeiro era preto, logo ai estava mesmo a pedi-las, e depois teve azar porque a grupeta das cabeças rapadas bateu em tanta gente naquele 10 de Junho, sendo que mais ninguém morreu, por isso foi só azar.

Alcindo foi morto porque era preto. Todas as outras pessoas que foram agredidas naquele dia foram-no por serem pretas, e não morreu mais ninguém por mero acaso. Os Hammerskins têm um currículo de agressões qie mais parece uma bíblia, de tantas páginas que tem. Desde agressões com recurso a armas brancas, tacos de basebol, murros, pedradas e pontapés. Está lá tudo.

Houve condenações neste caso. As mais altas de 18 anos, as mais baixas de 2 e meio. Mesmo que tivessem cumprido toda a pena (que não cumpriram) já estavam cá fora, como estão, e estando já voltaram a cometer crimes da mesma tipologia. Se bem que agora a escolha é variada. Agridem pretos, chineses, indianos, ciganos, paquistaneses, homossexuais e até pessoas que se intrometam nas agressões que eles perpetram.

As autoridades têm conhecimento que existe esta organização, o Governo também. Não se escondem e têm páginas nas redes sociais. Aliás, a possibilidade de vir a ser invadido e ofendido por comentários destes acéfalos é grande, porque o esgoto da sociedade parece que tem radares. Quando falam deles acabam sempre por ficar a saber e, por incrível que possa parecer, há sempre alguém que por acaso até está de acordo com algumas ideias que eles apresentam, "mas não concordam com as agressões".

Isto não existe. Concordar com uma vírgula, de algo que organizações como a Hammerskin defenda, é estar a validar tudo aquilo que fazem.

Estes são os verdadeiros crimes de ódio que devem ser julgados e cujas penas deveriam ser exemplares. 18 anos para quem tira a vida a outro, sem nenhum tipo de justificação!? Isto foi matar pelo simples prazer de o fazer, e como tal deveria haver excepções à lei e aplicar prisão perpétua, sem hipóteses de recurso. Não me venham com a desculpa de que errar é humano. Estes tipos não são humanos. São monstros que andam entre nós. Camuflam-se por entre claques de futebol, pois é outra forma de validar pancadaria, e quando não há futebol vão à procura das suas vítimas que hoje há-de ter sido alguém, mas amanhã podes ser tu ou um outro alguém, mas que seja da tua família.

É por isto que os tais activistas da esquerda caviar me dão nervos. Apelidam tudo de racismo ou crimes de ódio, e quando há estes que são MESMO crimes raciais e de ódio, a sociedade acaba por não estigmatizar os criminosos, com tanta força como deveria fazer.

De que me interessa ter vergonha no passado. Não posso ter vergonha de algo que não fiz. É passado e lá ficará. Aquilo que tenho é vergonha do presente e temor pelo futuro, porque se de um lado temos os extremismos bacocos de políticos e figuras públicas como a Joacine Katar Moreia e Diogo Faro, do outro temos verdadeiros extremistas que já provaram que para eles matar é mais simples do que conjugar o verbo "Ser". Até porque Ser, eles não são nada.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D