Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

24
Fev22

E VIVA O BENFICA


Pacotinhos de Noção

png_20220224_015006_0000.png

Sou adepto do Benfica.

Tornei-me a 23 de Maio de 1990. Nesse dia a minha escola primária fez uma visita de estudo a Vila Viçosa, naquele que era o passeio mais aguardado do ano, o chamado "Passeio Grande". Saíamos de manhã cedo, voltávamos ao final do dia e nesse final de dia jogava-se a final da Taça dos Campeões Europeus. Era o Benfica contra o AC Milan, mas isso a mim pouco me importava. Não ligava nenhuma ao futebol, mas senhor condutor fez o favor de colocar o jogo no rádio e para mim, continuava a não ter a mínima importância. Entretanto, AC Milan marcou golo e o resultado não mais se alterou até ao final, acabando derrotado o Benfica.

Vi alguns dos miúdos da minha escola a chorar e não consegui perceber porquê, mas interessou-me o facto de alguém estar tão ligado a determinado clube que até chorava nas derrotas. 

Ganhei simpatia pelo Benfica numa derrota e a partir dai tomei este clube como o meu, e embora nunca tenha vertido uma lágrima por perderem um qualquer jogo, devo dizer que quando acontece aborrece-me e que raramente perco um jogo.

Dito isto devo também dizer que, não invalidando tudo aquilo que disse anteriormente, sinto-me bastante melindrado quando, depois de um empate do Benfica todos, repito, TODOS os canais de informação portugueses, transmitiam programação referente ao jogo que terminou há pouquíssimo tempo, e que o Benfica até nem ganhou. Mas, e mais notícias, não havia?

Estive o dia todo a trabalhar, cheguei a casa e tinha vontade de saber o que se passava no Mundo, como evoluíram os números da pandemia, sendo agora endemia, se os russos já avançaram sobre a Ucrânia, quanto irá subir o combustível amanhã, se o Cabrita vai ser Ministro dos Transportes... Todas estas pequeninas coisas, que ainda assim considero bastante mais relevantes do que saber se havia ou não grande penalidade, se o Veríssimo deu discurso motivacional ao intervalo ou não, como vão jogar eles na Holanda... Que me desculpem os que amam o futebol mais que aos próprios filhos, mas isto tudo são uma quantidade infindável de trampas sem a mínima importância.

Existem pelo menos 4 canais portugueses de informação e todos eles se vergaram à jornada europeia do Benfica. Falo aqui do Benfica, mas poderia falar de outro clube qualquer.

Aquilo que me parece é que mais uma vez as prioridades estiveram trocadas.

Estamos à beira de uma guerra entre dois países de leste que podem ter como consequência uma nova guerra mundial, conflito este que terá contornos completamente diferentes dos dois que aconteceram em 1914 e 1939, porque existem desta vez armas nucleares aos pontapés, e conforme, supostamente, disse Einstein:

"Não sei com que armas a III Guerra Mundial será lutada. Mas a IV Guerra Mundial será lutada com paus e pedras."

Por isso que se dê a devida "desimportância" ao futebol, e que informem a população daquilo que vai acontecendo na Ucrânia.

Alguns hão de dizer -"Ah e tal, mesmo que haja guerra nunca aqui há de chegar, estão lá do outro lado do Mundo… "- pois é meus queridos amigos, o coronavírus também não ia cá chegar, e também estava do outro lado do mundo, no entanto, fez o estrago que fez.

Mas não faz mal, porque o Benfica jogou, e enquanto houver circo e uma côdea de pão, fica anestesiada a população 

04
Set21

Aos pontapés nas bolas


Pacotinhos de Noção

image.jpg

O recente caso do Rúben Semedo seria de fácil resolução se de cada vez que um futebolista tivesse a infeliz ideia de se meter com uma rapariga num bar, numa discoteca ou noutro qualquer lugar de engate fácil, aparecesse um tipo que lhe desse um valente pontapé nas bolas. Mas um pontapé daqueles em que os testículos até vão fazer cócegas ao cerebelo.

Não porque eu pense que estão a ser misóginos ou abusadores, como parece estar a começar a provar-se neste caso que não foi o que aconteceu. Segundo as notícias mais recentes foi tudo consensual, nos exames forenses ficou provado não ter existido violação e uma mensagem em que a rapariga ameaça o jogador, afirmando que ele vai parar à cadeia se não lhe der 15 mil euros, deixam perceber o "modus operandi" desta pilantra que deveria ir bater com os costados na cadeia.

Isto é fruto da semente lançada pelo caso Mayorga. Na altura a americana utilizou o mesmo estratagema, conseguiu um bom dinheiro do Ronaldo e agora seguem-se as cópias.

Rúben Semedo já mostrou ser alguém com conduta mais que repreensível, mas o facto de já ter errado não pode ser o pressuposto para que agora todas as vozes que contra ele se levantarem, sejam as correctas.

Quando foi a situação do Ronaldo, por ter o historial limpo e ser o melhor do Mundo, apareceu logo quem o defendesse. Já a este desgraçado não faltaram carrascos prontos a puxar a alavanca do cadafalso, quando afinal de contas não tinha culpas no cartório, ou pelo menos quase que não tinha culpas.

Não vou comentar o facto de a rapariga ser menor, até porque a menoridade dela é relativa, pois se a situação foi consensual, aqui os 17 anos resultam como sendo maior, e embora ainda não tenha visto a personagem, 17 anos é uma fase da vida em que facilmente se consegue mentir na idade. A culpa do jogador, e é nesta fase que poderei eriçar os pêlos da nuca às feministas, é que toda a gente sabe que mulheres que parece que se querem aproveitar de jogadores de futebol, normalmente querem mesmo aproveitar-se de jogadores de futebol. Os nossos amigos brasileiros até têm a definição de "Maria Chuteira" para identificar estas meninas.

Pois que parece que é verdade, assim como há homens de pouco carácter também há mulheres que partilham dessa mesma virtude, e por mais que possa haver quem não queira dar a mão à palmatória, este foi um claro caso de tentativa de aproveitamento de um jogador de futebol por uma miúda de 17 anos... Isto mostra mais uma vez, que os valores estão todos deturpados e até aproveito e chamo a atenção para o seguinte. Os valores são-nos entregues em grande parte por quem nos educa, e se esta rapariga tem 17 anos, significa que muito provavelmente os pais são da geração de 80, que é a minha geração. O que se passa pessoal de 80, que andamos a criar uns merdinhas sem valores, sem empatia, com as prioridades trocadas? Sim, porque estou a escrever sobre esta notícia, mas todos os dias há notícias que mostram aquilo que acabo de dizer.

Esta geração de malta mais nova (não todos, como é óbvio, mas grande parte) tem demonstrado que o futuro não augura nada de bom.

Quem podemos culpar!? A internet, os telemóveis e tablets? A PlayStation?

Não meus caros. Devemos culpar a sociedade e os pais, que ao tratar estes míni ditadores a pão de ló, demos-lhes a confiança que agora nos faz ter receio de lhes fazer frente. Falo por mim. Tenho um filho de 4 anos e se alguma vez lhe dei uma palmada na rua há-de ter sido a medo, não vá um qualquer justiceiro das causas ridículas dizer que agrido o meu filho e causar-me problemas, e a verdade é que as palmadas que não lhe dou até poderão a vir fazer falta.

E no final é isto que acaba por acontecer. Criamos jovens sem pudor de inventar histórias que podem causar a desgraça de alguém que é famoso, mas que poderia também ser um cidadão comum.

Em relação aos futebolistas... Andaram o Rui Costa, o Zidane e o Figo a tentar lutar para afastar o estigma de que os jogadores de futebol são burros. Aparece o Rúben Semedo e o Ronaldo, provando que afinal basta darem-lhes um bocadinho de trela e eles lá vão, abanando as caudas, alegres e contentes, colocando a vida e a reputação nas mãos de quem os quiser dominar.

Burros do caraças.

14
Jul21

Ao futebol só vou com guarda-costas


Pacotinhos de Noção

zslip96aexgtm4wt_1626063748.jpegDesde o final do Euro 2020 que se tem falado dos ataques racistas aos jogadores ingleses por não terem ganho, ao jogadores italianos, por terem ganho, e aos adeptos italianos, porque os jogadores ingleses perderam e os italianos ganharam. A questão do racismo aqui interessa-me pouco. Não porque tenha uma gravidade diminuta, nada disso, é na verdade gravíssimo. Não lhe dou a devida importância porque o crime aqui cometido, o racismo, é apenas mais um no meio de tantos outros. Além do racismo temos, agressões, roubos, vandalismo, invasões no estádio e até tentativas de homicídio com recurso a armas brancas...

Devo confessar que desde que Portugal foi afastado, também eu me tinha afastado do Euro, não tenho visto notícias por falta de tempo e desse modo mantive-me na ignorância. Fiquei a saber destas agressões na página do  de Instagram do @carapau_desportivo. São vergonhosas mas não são nada a que nunca cá se tenha assistido.

É curioso que aqueles que pior se portaram sejam os de terras de sua majestade, com lordes, duques e duquesas. Os que são conhecidos por serem a nobreza do planeta, quando tudo o resto é plebe. Mas quem segue o futebol sabe que nisto de se ser grunho, besta e anormal, não é exclusivo da nacionalidade e sim da idiotice. O desporto, que é considerado rei, consegue ser rei de uma população de seres cuja capacidade de utilizar talher ainda está por descobrir. Acham que apreciar futebol é apanhar pielas antes do jogo, andar nas bancadas a desfilar as panças peludas e gregoriadas e no fim saltarem para cima uns dos outros, como se dum ritual de acasalamento se tratasse, caso ganhem, ou então saltarem e agredirem os outros, como se em vez do acasalamento estivessem a disputar território.

O espectáculo do futebol é algo de bonito quando bem jogado mas também quando bem apreciado. Pagar por um bilhete não dá direito a que se molhe a sopa a torto e a direito, nem é validação para puxar da ficha da caixa dos neurónios para que assim se mantenha desligada.

No Reino Unido, quando jogam lá só entre eles, existe um sistema que não permite a entrada de hooligans. Uma vez que o jogo entre Inglaterra e Itália foi lá disputado, porque é que não foi implementado esse sistema.

Justificações para estas atitudes não há, agora impressões há muitas, e aquela mais forte com que fiquei é que, e embora seja triste de ver, o maior mal do futebol são os adeptos e os estádios deveriam continuar vazios.

A corrupção no futebol é o pior? Não. Todos devem ser punidos, mas na corrupção tens um só bandido, numa claque tens centenas e aleijam mais.

28
Jun21

Acabou a tortura


Pacotinhos de Noção

4297548747_3a8b0d59db_b.jpg

Eis que finalmente chegou ao fim aquilo que tantos seguiram atentamente.

Devo admitir que não segui. Tentei ver o primeiro, que me mostrou aquilo que se confirmou. Que a prestação dos elementos foi paupérrima e que se arrastavam de cada vez que deveriam entrar em acção.

A selecção dos escolhidos foi uma desgraça e mais uma vez foi-nos mostrado que em relação aos estrangeiros somos uma vergonha. Eles são muito mais organizados e têm outro ritmo.

Mas finalmente acabou e acabou sem a glória pretendida. É verdade que contámos com uma vedeta, quase de outro mundo, mas nem isso foi a salvação.

Agora é ver o que a vedeta Cristina e a TVI, engendraram para as noites de Domingo.

Pensaram que estaria a falar de futebol?

Nada disso. Ao longo dos anos aprendi a não colocar demasiadas expectativas no futebol. Gosto do jogo, não do que se passa à volta, e com as expectativas baixas, de vez em quando até há surpresas.

Voltando ao All Together Nau.

Nau não é gralha. Naus eram navios de grande porte e este programa foi vendido como sendo algo de grandioso. E até foi. Foi um grandioso "flop" e a nau meteu água por tudo o que é lado.

Bem sei que muita gente apreciou. Pessoalmente, devo dizer que sempre me incomodou quando há acidentes e o pessoal desacelera para ver a desgraça. Aqui foi o mesmo.

Não minto ao dizer que não vi. Aquilo de que tive conhecimento foi o que fui vendo em promoções do programa, em divulgações nas redes sociais e em algum "zapping" que fui fazendo. Perco credibilidade criticando algo que não vi com tanta atenção? Pode até ser, mas se nos poucos meios com que me foram chegando informações, não houve nenhum em que houvesse vislumbre de qualidade ou talento, então alguma coisa está mesmo muito mal, pois normalmente nestes meios escolhem apenas os melhores momentos.

Para terem uma ideia... Hoje, sendo o último episódio, pensei ver o que se estava a passar. Um rapaz cantava "O Melhor de Mim" da Mariza. Se ele estava a dar o melhor dele então posso desde já avançar que o melhor dele só era um bocadinho melhor do que o do Jorge Jesus, quando viralizou ao tentar cantar a mesma música.

Uma inocente criança de 4 anos, que por acaso até é meu filho, ao ouvir o mesmo que ouvi, perguntou-me se aquilo era a brincar. Respondi-lhe que sim e mudei de de canal. Não lhe quis ter que explicar que para a Cristina Ferreira "talento" é sinónimo de "tádifícil" e que o "tádifícil" se referia ao facto de que Portugal não tem estrutura para tentar fazer um programa como o "All Together Now" nivelando então assim muito, mas mesmo muito por baixo.

Defendo que não tem estrutura em várias vertentes.

Não tem estrutura para os jurados, que nos outros países apostam em famosos e aqui apostam em senhoras que batem palmas no programa do Goucha.

Não têm estrutura de talentos, porque cá, nos vários "talent shows" que já existiram, conseguimos contar pelos dedos de uma mão aqueles artistas que vingaram, e mesmo assim um desses dedos é o João Pedro Pais.

Não tem estrutura de apresentação, porque aqui o nome do programa devia ser "Primeiro a Cristina, com o seu ego e os seus vestidos e só depois All Together Now".

Já começa a ser um hábito bater na Cristina Ferreira, mas incomoda bastante quando alguém se acha o melhor, afirma aos 4 ventos que é realmente a melhor, mas que depois, na realidade não o consegue mostrar. O Cristiano Ronaldo, por exemplo. Esse afirma que é o melhor e não tem pudor em o assumir. A diferença é que depois prova que realmente o é, ou que pelo menos está entre os melhores.

Já Cristina Ferreira não o tem conseguido mostrar, nem de perto nem de longe.

Uma pessoa que afirma que é a melhor mas que depois não o consegue demonstrar, então não é a melhor, é só uma gabarolas.

Tendo em consideração o que fui lendo das audiências, o programa foi fraquinho.

Cristina Ferreira tem coleccionado tiros no pé e mostra não ter qualidades como Directora de Entretenimento, na TVI. Mas como a bola é dela e se ela não jogar ninguém joga... Então é deixar rolar.

11
Jun21

Uns são filhos, outros não são federados


Pacotinhos de Noção

downloadfile.png

SOMOS OS MAIORES, CARAÇAS. VAMOS AO EURO E ATÉ OS COMEMOS.

Mas com máscara por favor! Ou então não. Então não porque, ao que parece, a maior parte dos jogadores da selecção já estão imunizados.

A justificação é a de que, e passo a citar o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo (o Cristiano Ronaldo da task force), "a vacinação da selecção portuguesa de futebol e da respectiva equipa técnica que irá participar no Euro2020, já está concluída e insere-se na lógica de excreção, para acções especificas de representação oficial do País em eventos internacionais, junto de organizações que recomendam a vacinação dos participantes"a vacinação da selecção portuguesa de futebol e da respectiva equipa técnica que irá participar no Euro2020, já está concluída e insere-se na lógica de excreção, para acções especificas de representação oficial do País em eventos internacionais, junto de organizações que recomendam a vacinação dos participantes"

Trocado por miúdos, aquilo que isto quer dizer é: "- Meus caros, como sabem atravessamos uma pandemia. Já vacinámos uma franja da população mas grande parte está ainda por vacinar. De qualquer das formas é necessário animar o povinho e, como já dizia o outro, temos que ter Fátima, Fado e Futebol. Decidimos então que os jogadores da selecção têm que ser vacinados, ainda que não estejam na faixa etária indicada, não tenham comorbidades e não desempenhem um trabalho que seja essencial à população."

Fátima teve já o seu momento, aquando das comemorações do dia de Nossa Senhora. Foi tudo muito certinho, as pessoas respeitaram cada uma o seu espaço, que havia sido previamente delimitado. Isto dentro do santuário, porque cá fora estava tudo ao molho e fé em Deus... Neste caso em Nossa Senhora.

O futebol já teve vários momentos em que se viu ser tratado de forma privilegiada, e esta situação das vacinas é apenas mais uma. Percebo que é imperiosa a necessidade de haver este espectáculo do futebol e constato, com esfuziante alegria, que no EURO até já vão acontecer alguns jogos com público. Parece que assim de repente tudo melhorou. E deve mesmo ter melhorado porque até nas notícias de hoje, em que nos injectaram doses cavalares de selecção, nem se fez muita menção ao facto de termos atingido 910 novos casos.

Estes 910 casos valem o que valem. Na minha opinião havendo casos mas não havendo mortes, nem uma corrida desenfreada aos hospitais, interiorizo que as infecções acabarão por ser uma normalidade, e aos poucos nem terão qualquer destaque. Se os grupos de risco estiverem imunizados, as infecções poderão ser, na sua grande parte, apenas sensações de mau estar. Mas isto é o que eu penso. Eu não tenho a obrigação e o dever de informar os cidadãos de como evoluí a pandemia. Já os canais e os blocos de informação...

Mas voltando à questão do futebol, que mais uma vez acaba por ser o "filho" a quem calha a melhor parte do testamento.

Várias vezes já ouvi dizer que o desporto é muito importante, mas quando ouço isto penso inocentemente que se estão a referir à prática, não à visualização.

Se realmente ver futebol é assim tão importante sugiro que a Sport TV, Benfica TV e Eleven Sports, passem a ser sujeitas a receita médica e até comparticipadas pelo Estado.

Gosto bastante de ver futebol, mas não consigo enquadrar este desporto de massas como algo culturalmente necessário, de modo a que até os atletas sejam vacinados antes que outras pessoas, que possam realmente acrescentar algo mais.

Vejo mais necessidade cultural em espectáculos, peças de teatro e até em idas ao cinema.

Se faz sentido vacinar os atletas não faria também sentido vacinar actores e todos aqueles que são necessários para que haja cultura?

Isto leva-me ao terceiro F, de Fado.

Será que vem por ai "A Grande Noite do Fado" e todos os participantes vão ter direito a serem também inoculados?

É cultura, representam Portugal no estrangeiro e grande parte do povo também gosta. Logo ai parecem-me critérios mais que suficientes para justificar a vacinação. Se tal não acontecer, parece-me injusto.

Para acabar queria só chamar a atenção para o seguinte. Só ficámos a saber que os jogadores da selecção foram vacinados porque, depois do jogo contra a Espanha, o jogador espanhol Busquets deu positivo à Covid. Se assim não fosse, a coisa era feita pela calada, para evitar escândalos. Mas até nisso foram não pensaram bem. É que está a começar o EURO e quando joga a selecção os escândalos ficam para segundo plano.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub