Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

12
Out22

Lobo em pele de cordeiro


Pacotinhos de Noção

png_20221012_224833_0000.png

Que Marcelo Rebelo de Sousa, como político, era pouco confiável, já muitos sabiam. Um homem populista, vaidoso, que não suporta que a comunicação social fique mais do que 48 horas sem se referir ao Presidente, causando até constantes fugas de informação em Belém para ficar assim sempre no olho do furacão.

Que era um homem com esqueletos no armário, só alguns é que sabiam, calculavam ou lembravam.

Diz-se que um homem é o reflexo da educação que teve, por isso acho que é importante referir que o Professor Marcelo deve o seu nome ao nosso último ditador, Marcelo Caetano. Caetano não foi seu padrinho de baptismo, mas foi padrinho de casamento dos seus pais. Era amicíssimo da família Rebelo de Sousa e o, então Marcelinho, sempre viveu numa família feliz, abastada e impregnada de amizades do Estado Novo. Marcelo Caetano não era o  padrinho de baptismo do Marcelinho, mas era Camilo de Mendonça, um Ministro da Economia de Salazar. 

Em 1972 casa com Ana Cristina Motta Veiga, filha de António Jorge Motta Veiga, outro - adivinhem - ex-Ministro de Salazar, neste caso Ministro da Presidência.

"Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és" é uma máxima mais antiga que Cristo, mas aqui é de fácil aplicação e faz-nos até compreender um pouco melhor a facilidade com que o Presidente da República, em conluio com o Primeiro-Ministro, não teve pudor em ir repetindo estados de emergência, mesmo quando os mesmos já não se justificavam. Era a sua veia de "Estado Novista" a latejar.

Conhecer as raízes de alguém mostra-nos a flor que mais tarde germinará, ou se em lugar de uma flor crescerá uma erva daninha. Dou-vos agora a conhecer, em forma de coscuvilhice, mais um caso que demonstra bem a fibra de que é feita a mais alta figura do Estado.

Estávamos ali pelo ano de 1993/1994, e no programa Parabéns, do Herman José, o convidado era Paulo Portas. Água vai, água vem, e na conversa do ex-director do jornal Independente com o apresentador, vem à baila um assunto em que Paulo Portas conta que, apenas para ter o que dizer, Marcelo se "desbronca" acerca de uma reunião, em forma de jantar, que houve entre Cavaco Silva, Mário Soares e alguns constitucionalistas, entre eles Marcelo, uma vez que é esta a sua formação. Contou tudo tão ao pormenor que até referiu que foi saboreada uma sopa fria, uma "Vichyssoice".

Paulo Portas, para confirmar a informação, contactou outro dos presentes nesse jantar e ficou a saber que a maioria do que Marcelo lhe havia dito era mentira, apenas lhe fez um relato inventado para, mais uma vez, estar no olho do furacão. 

Marcelo não gostou de ser exposto desta maneira em horário nobre, no programa do Herman, e cortou relações com Paulo Portas... E Herman? O que aconteceria a Herman?

Dois anos depois, Herman José estaria no centro de uma nova tentativa de censura a um seu programa. Era o Herman Zap, mais especificamente um sketch sobre a "Última Ceia".

Éramos guiados por um Governo PS, de um muito católico António Guterres. A Igreja não achou piada que brincassem com a história da comezaina final de Jesus, e começou a mexer os cordelinhos. Marcelo, que poderia estar calado, viu aqui uma oportunidade de se vingar de Herman José, e fez todos os esforços possíveis para conseguir censurar o episódio. É importante referir que ele era na altura o líder do PSD, e ainda assim não hesitou em dar o braço ao PS, para poder tentar derrubar Herman. Bato palmas à administração da RTP daquela época, que não cedeu a pressões e não permitiu que o sketch fosse cancelado.

Temos então um Marcelozinho azedo e vingativo.

Estas histórias todas servem para chegar à conclusão de que não me surpreende esta afirmação de que 400 casos de pedofilia não serem, afinal, assim um número tão elevado... E se calhar até não são, depende do ponto de vista.

Será que Marcelo diz que 400 casos denunciados não são muitos, tendo em consideração todos os que ele conhece, ainda para mais estando Marcelo há tanto tempo na política, e envolvido com altas patentes da Igreja?

Este texto vai beber muito ao passado, mas como muitos dos que me lêem são de uma geração mais recente, gosto, ocasionalmente, de referir assuntos que foram autênticos escândalos, mas que vão caindo no esquecimento.

Ballet Rose foi um escândalo de prostituição infantil e pedofilia, na década de 60 do séc.XX, que envolveu personalidades da altura, entre elas Ministros do Estado Novo, e figuras de alta importância na Igreja portuguesa. Dois tipos de grupos com quem Marcelo Rebelo de Sousa sempre teve o gosto de privar. Lembram-se dos padrinhos e do sogro?

É, portanto, perfeitamente normal que para o Sr.Presidente, 400 casos sejam poucos, no meio de tantos que há-de ter tido conhecimento.

Para terminar devo dizer que também me faz um bocadinho de confusão, como o caso de alguns miúdos, já adolescentes, que se prostituíam no Parque Eduardo VII, para ter dinheiro para comprar droga e roupas, teve a repercussão que teve, e este caso, apenas porque envolve a igreja, é abafado o mais possível. A imprensa fala nele, mas com pinças muito compridas.

Não quero criar teorias da conspiração, mas em relação à Casa Pia gostaria que recordassem que os políticos, alegadamente envolvidos, foram os primeiros a ser afastados do caso, porque afinal não havia provas contra eles. A ideia com que se fica é que, realmente, tiveram que adicionar uns nomes sonantes ao processo, para que outros nomes não fossem mencionados. O Herman teve a sorte de terem sido incompetentes quando o tentaram envolver. Outros não tiveram essa sorte. De facto, ser-se alguém famoso em Portugal, às vezes é uma corda no pescoço. 

Sim, sei que este texto está imenso, mas parece-me importante que se consiga traçar um perfil daquela que é a mais alta figura do Estado, mas que dá mais importância a tirar umas selfies, do que ao facto de existirem padres a tirar cuequinhas a crianças.

06
Ago22

E Viveu o Gordo


Pacotinhos de Noção

png_20220806_015246_0000.png

Não tenho por hábito fazer elogios postumos, mas, conforme já escrevi noutras ocasiões, há algumas pessoas que pelo seu longo, e excelente, percurso profissional, me fazem ficar genuinamente triste pelo seu desaparecimento.

Falo de pessoas como Fialho Gouveia, Nicolau Breyner, Raúl Sonaldo e agora o magnífico Jô Soares, que é para mim um dos maiores, a par do Herman José.

Existem outros que também enalteço, como Júlio Isidro e Carlos Cruz, mas estes dois são para mim os ídolos que nunca consegui ter. E não consigo porque idolatrar alguém significa aceitar tudo aquilo que determinada pessoa faz, sem o mínimo sentido de crítica, e é algo que não consigo fazer.

De qualquer das formas, tanto Jô Soares como o Herman, são modelos daquilo que gostaria de ser. Homens que vivendo do humor, podendo até por vezes terem sido menosprezados por escolherem esta vertente artística, conseguem estar muitos furos acima das restantes pessoas, quer pelo talento, pela inteligência, pela cultura geral e pela eloquência com que conseguem fazer chegar a sua arte à grande generalidade da população.

Homens com uma inteligência acima da média, e que não tem pudor em demonstra-lo, e ainda bem, porque de falsas modestias está o mundo cheio.

Mas colocando o Herman de parte, porque o Rei está ai para as curvas, e continuará por cá muitos e bons anos, cingir-me-ei agora a um dos mais reconhecidos intelectuais do Brasil.

Não vou discorrer aqui o seu longo currículo, com o que fez, o que dirigiu, os livros que escreveu. Vou antes remar um pouco contra a maré e dizer que Jô Soares morreu, mas não é por isso que o Mundo ficou mais pobre. Se o Mundo ficou mais pobre é porque é um Mundo tolinho. Jô Soares morreu, mas tudo aquilo que fez, e que nos deu, continua cá. A sua riqueza ficou. 

Não tenho memórias da infância, mas os meus pais disseram-me várias vezes que era eu criança de 2, 3 anos, e imitava especificamente a personagem Reizinho, criada por Jô Soares.

Um rei de baixa estatura, que não permitia a ninguém que pudesse sequer imaginar que o rei seria outro que não ele. O seu nanismo era conseguida pelo facto do humorista interpretar esta personagem sempre de joelhos, o que transformava o simples acto de caminhar, bastante cómico.

Falo aqui de Jô Soares o actor, escritor, apresentador, director e homem da cultura em geral, da pessoa não tenho conhecimento. Sei que teve um filho autista e que sofreu por ver o filho morrer antes dele, o que transtorna qualquer um. Teve uma vida plena, fazia o que gostava, retirou-se quando já não se sentia capaz e foi casado várias vezes, mas isso interessa pouco. Aquilo que apenas me interessa e que mais um dos artistas que acompanharam o meu crescimento e que ajudaram na minha educação, deixou de existir. É uma pena, nada é eterno, a não ser a admiração.

BEIJO PARA O GORDO.

 

14
Jun22

Mais de 40 anos de pérolas a porcos


Pacotinhos de Noção

Polish_20220614_012135118.jpg

Embora seja o maior humorista português de todos os tempos, ainda que 50% alemão, Herman José nunca foi uma personalidade consensual.

Nos anos 80, um humor demasiado avançado, para um Portugal ainda muito rural e iletrado, conquistava grande parte da população, mas também eram muitos os que queriam a sua cabeça. Prova disso mesmo foram as censuras que sofreram alguns dos seus sketches de humor das entrevistas históricas no programa "Humor de Perdição". Anos mais tarde, já na década de 90, e com o seu lugar de referência do humor bem alicerçado, Herman volta a sofrer uma tentativa de rasteira, quando António Guterres, e o seu Governo, tentam censurar o famoso sketch d"A Última Ceia". Gostaria de lembrar-vos que na altura o líder do PSD, e consequentemente da oposição, colocou-se ao lado do Governo nesta tentativa de impedir que o programa fosse para o ar. Esse líder é alguém que todos conhecemos, gosta muito de tirar "selfies" e que, curiosa e infelizmente, é hoje o nosso Presidente da República.

Herman, embora certamente magoado, mostrou sempre ser um homem de grande carácter e convicção, não se vergando perante pressões políticas. Quem siga com regularidade todos os seus trabalhos e entrevistas, poderá tirar as suas ilações acerca do homem e do profissional. Não o conheceremos intimamente porque o artista, que é um bom artista, 

sempre conseguiu manter a sua vida íntima o mais privada possível, deixando sair cá para fora só aquilo que permitia que saísse. Foi talvez essa cortina que lhe serviu até de trunfo para se conseguir defender da vil acusação de que estaria envolvido nos crimes de abuso sexual da Casa Pia. Quem, diabolicamente, o tentou acusar, escolheu mal a data, pois no dia do alegado crime Herman gozava férias no Brasil, e assim conseguiu provar ser alvo de uma mentira. Mentiras essas que o humorista defendeu também serem apontadas a Carlos Cruz, e ter esta convicção, e dizê-la desde sempre, foi o que levou à tentativa de o ligarem ao processo Casa Pia.

Mas voltando à vertente profissional é importante referir que Herman já nos deu óptimas passagens de Fim de Ano, já nos deu o Parabéns e a Roda da Sorte, e vários Hermans com o ano corrente agregado ao nome do programa, que nos enriqueceram com humor e conhecimento, pois se sempre nos soube divertir, Herman também nos soube mostrar um pouco mais além, até em coisas tão básicas como cortar uma castanha para assar, para que depois a casca saia mais facilmente. Esta dica foi dada no seu antigo programa "Moeda de Troika", onde também participavam Rita Ferro e Ana Mesquita.

Mesmo assim, depois de tudo aquilo com que este homem no foi presenteando ao longo de mais de 40 anos de carreira, não faltaram estúpidos, idiotas e os tais porcos que não sabem apreciar as pérolas, a apelidar o Herman José de parolo, por este ter demonstrado que, mesmo sendo o nosso maior nome da comédia, teve a humildade de se vergar perante alguém que tanto admira, e fazer-lhe chegar essa admiração como forma de agradecimento por tudo aquilo que John Cleese para ele representou. Herman podia ser arrogante, convencido, presunçoso, mas não. Herman deu uma lição de humildade e dignidade, mostrando que até os maiores astros têm alguém que os fez entrar em órbita e ter a sua própria luz. Foi um momento bonito, de um grande artista que demonstra também ser um grande homem e que nos últimos Globos de Ouro foi alvo também de bonitas palavras, que lhe foram dirigidas por César Mourão, mas que também teve o outro lado da moeda, e foi o de alguém que tem na sua falsa modéstia a arma para não mostrar ao cidadão comum como tem pouquíssima humildade, ao não dedicar sequer uma palavra a Herman. E refiro-me a Ricardo Araújo Pereira, quando foi receber o seu galardão. Até nisto, Herman José demonstra ser muito mais completo, que qualquer outro humorista português.

SEI que o Herman vai ler este texto, já falámos algumas vezes sobre os mais variados assuntos, e é por isso que gostaria de agradecer-lhe ter-me ensinado a sorrir desde sempre. Eu, tal como tanta gente neste país, tivemos, e temos, os nossos altos e baixos na vida, e posso dizer que tive uma infância complicada, mas — e é das poucas recordações que tenho da infância — lembro com carinho as 2.ªˢ feiras à noite, quando ouvia começar o genérico do Casino Royal, ou mais tarde o Herman Enciclopédia.

Obrigado Herman, por dedicar a sua vida a fazer os outros felizes, e obrigado por não ter vergonha de demonstrar a alguém o quanto o admira, porque assim também eu não o tenho.

Quanto a parolice... Uma das pessoas consideradas mais poderosas e influentes no nosso país gosta de se comparar à Lady Di e andar com imagens da Nossa Senhora cravejadas na parte de trás dos vestidos. Fala alto que se desunha e só lhe falta dizer que "nunca se engana e raramente têm dúvidas". Isso sim, é ser parolo.

30
Mai22

Os famosos não andam lá muito famosos


Pacotinhos de Noção

png_20220530_005530_0000.png

Longe vão os tempos em que ser-se famoso eram sinónimo de encanto, fascínio e exclusividade.

Evitei até agora falar do caso Johnny Depp/Amber Heard, porque não quis de alguma forma influenciar o julgamento, e, porque temia que se um ou outro lessem o meu post, podiam ficar melindrados comigo, e uma amizade tão forte poderia ficar abalada. Sou amigo de lhes frequentar a casa e fazermos brincadeiras parvas e tudo. Uma vez, a Amber até apostou comigo que eu não conseguia fazer uma coisa em cima da cama deles. Eu ganhei a aposta, e eles mandaram um edredão para o lixo. O que vale é que devia ser do IKEA por isso não era assim tão caro.

Este julgamento, e os relatos de tudo o que se passou, mostram que grande partes das vezes ser famoso e rico só difere de um anónimo e pobre, porque a capacidade de não se ter limites é maior e, ao contrário do que se possa pensar, os limites são algo de positivo, pois são eles que nos impedem de sermos estúpidos, inconsequentes, arrogantes e idiotas, e com estes quatro adjectivos consegui caracterizar alguns famosos. Muito basicamente é isto que os diferencia porque depois, bem vistas as coisas, a desgraça é toda a mesma.

Este assunto veio-me à cabeça ao observar a família do Gonçalo Quinaz, que apareceu hoje no Big Brother para lhe prestar apoio. Aqui impera um pouco a futilidade, mas quando imaginamos a família de alguém "FAMOSO" não estamos à espera de um tipo de calções e meias puxadas, uma mãe com um vestido que parece um repolho cor de vinho, demasiado curto para os joelhos que tem, de alguém que vestiu uma camisa, essa sim, cor de repolho e outro alguém com uma camisa que parece feita de retalhos.

Não esperava ver a família real inglesa, até porque essa também tem uns podres bastante malcheirosos, mas esperamos sempre um pouco mais. E a questão nem é por ser em Portugal, conforme demonstrei no início deste texto, e também não tem que ver com dinheiro. O Cristiano Ronaldo tem dinheiro que não acaba mais, e isso comprou-lhe gosto? A ele ou a alguém da família? A Georgina, por exemplo, é tão deslumbrada, e acaba por ter tão mau gosto, que ser for comprar a mala mais cara que houver na BIMBA E LOLA, tenho a certeza que a única coisa que vai aparecer é a BIMBA, a LOLA, com vergonha, há de ter ido dar uma volta.

As redes sociais são também um dos motivos pelos quais aqueles que dantes eram distantes e inalcançáveis, e sobre os quais pouco saberíamos, agora estão aqui mais ao pé, não hesitam em falar e dar opiniões, por mais escabrosas que possam ser, mas que depois permitem que o tal "glamour" se desmorone e nos dê a sensação real de que eles são apenas mais uns.

São poucos os famosos a quem isso não acontece. Posso dizer, por exemplo, que no caso do Herman José isso não acontece.

O motivo de tal não acontecer, mesmo o humorista partilhando tanto da sua rotina diária, é porque tudo aquilo que ele mostra tem gosto, tem requinte, mesmo que esteja apenas a mostrar os pepinos que tem na sua horta.

06
Mar22

Um TABU de que se deve falar


Pacotinhos de Noção

20220306_201312_0000.png

Estreou ontem o novo programa do Bruno Nogueira, TABU.

Relembro-vos há uns meses ter escrito o quão desiludido fiquei com o programa "Princípio, Meio e Fim", porque se assemelhava a uma reunião confusa de amigos, que decidiram que haveriam de se juntar todos, filmar, e depois mostrar o que dali resultou.

Muitos colocaram no programa o epíteto de genial, e que só os mais requintados poderiam gostar, que era preciso aprender a apreciar por ser muito fora da caixa, mas a verdade é que se um programa de comédia precisa de instruções para fazer rir, então não é um programa de comédia, é só um programa.

A verdade é que começou em glória, não cativou a grande generalidade do público e terminou sem deixar nenhum tipo de saudades.

Não critiquei uma única vez a capacidade humorística de Bruno Nogueira, pois não era com aquele programa que tinha que prestar provas. As provas necessárias já foram dadas anos antes, com outros formatos e outros estilos, e no "Princípio, Meio e Fim houve apenas a concepção de algo que não foi tão bem conseguido, quanto o haviam pretendido.

Aquilo que se destaca, ao observar o percurso de Bruno Nogueira, é a vontade de sempre fazer diferente, de aproveitar um espaço que, de certa forma, ninguém teve a ousadia, o discernimento ou o vislumbre de pegar. Se o "Princípio, Meio e Fim" era uma reunião de amigos, que não transparecia para o público qualquer tipo de afecto ou simpatia, TABU é uma reunião de desconhecidos que partilham entre eles (e também connosco) parte das suas histórias de vida, mas que corre muito bem, pois não existem piadas pré-concebidas e humores gastos e requentados metidos a martelo. Pelo contrário, existem ali pessoas em conversa onde, de uma maneira ou de outra, a piada surge, sendo aproveitada, para o programa, e funciona muitíssimo bem. Depois temos a parte de "stand up" do Bruno, que mata um pouco as saudades do tempo em que frequentava o "Levanta-te e Ri", mas que o súpera em muito. Temos agora alguém mais maduro, com menos manias de miúdo rebelde, uma inteligência mais acutilante, e que lhe é até exigida, tendo em atenção os assuntos focados.

Este programa não nos mostra como a vida pode ser perfeita mesmo que se tenha limitações. Mostra-nos, isso sim, que no meio da imperfeição que é a vida, existe espaço para momentos perfeitos em que nos conseguimos rir de motivos que normalmente nos levariam a chorar.

TABU é uma lufada de ar fresco por vir meter a mão de forma abrupta e indelicada, em assuntos que são normalmente mexidos com pinças, e com uma dose cavalar de cautela, que só assim acontece devido aos grupos crescentes de "canceladores" que julgam que o humor, o cinema, a televisão, a escrita e o teatro, se devem reger por regras por eles definidas, e que têm uma elasticidade elevada a zero, obrigando a que todos tenham que andar dentro de uma linha por eles definida.

Nogueira passa essa linha por vontade própria, e fê-lo de maneira exímia, pois tratou todos os protagonistas do programa de ontem, sem "coitadismos", ouvindo as suas histórias, mas brincando com o que havia para brincar. Não sendo o mesmo formato, assemelho muito este programa ao "Som de Cristal", em que Bruno brincava com os artistas da música popular portuguesa de uma forma divertida, mas nunca ofensiva, mostrando por eles um respeito que não existe normalmente nem nalguns anfitriões de programas que vivem tanto na base destes artistas, e que até fazem Festas e Domingãos inteiros, com a música por eles comercializada.

Se este programa mostrou a genialidade de Bruno Nogueira?

Não mostrou este, assim como não mostrou o "Princípio, Meio e Fim". A genialidade do artista não se constrói com um ou outro programa. Constrói-se com uma carreira de sucessos e insucessos, altos e baixos, louvores e polémicas, mas sempre com a constante de dar algo de novo e interessante a quem vê. No panorama humorístico nacional actual existe apenas um génio, e é Herman José, que tem carreira, vida, história e que foi ousando.

Sei que existe também quem considere Ricardo Araújo Pereira um génio, e aqui não poderia estar mais em desacordo. Não querendo comparar os dois, mas já comparando, Bruno Nogueira já caminhou por vários estilos e não teme a mudança, RAP está preso à comédia política, e parece de lá não querer sair, tansformando-se assim num Jon Stewart de Carnaxide, o que nem é desprimor nenhum, e o ex-Gato Fedorento e bastante bom naquilo que faz, mas ficando muito preso a um estilo, poderá deixar de saber fazer todos os outros. Já Bruno gradualmente vai construindo o tal caminho para um dia poder acalentar a ser

um génio, não comparável ao Herman, mas que terá também lugar de destaque.

Parabéns ao Bruno Nogueira, à SIC e aos protagonistas do primeiro episódio do TABU. Fico, ansioso, a aguardar os próximos episódios.

24
Out21

Terra Nossa do c@r@1h0


Pacotinhos de Noção

Polish_20211024_012804073.jpg

Começo esta m€rd@ deste post duma maneira que vos poderá f*d*r o juízo, mas c@gu€i.

Acharam bonito a introdução que hoje escolhi?

Pois, também me pareceu que não. É vulgar e despropositada.

Não sou um menino de coro nem sequer andei numa escola de padres.

À verborreia conheço-a toda, e até uso com mais frequência do que aquela de que gostaria, mas apenas com quem me sinto à vontade, e só me sinto à vontade com pessoas que me são muito próximas, e raramente o faço na forma escrita. Não sei porquê mas uma asneira escrita parece-me sempre mais sonora do que falada.

Introduzo este tema depois de assistir a mais um episódio do programa Terra Nossa, com o César Mourão.

Não vou criticar o programa, do qual gosto bastante e que é uma fórmula ganhadora, principalmente se forem episódios novos como agora acontece, e não 359 repetições, como a SIC andava a fazer, e essa fórmula ganhadora fica a dever-se quase na sua totalidade à grande capacidade do César Mourão agarrar nos cromos que lhe aparecem, que nos vamos apercebendo que cada vez são mais comuns, arriscando até a que só nos calhem repetidos, e transformando-os naqueles especiais, que todos querem, e que têm até uma moldura prateada todo em volta.

Mas de entre aqueles cromos repetidos, que de tanto saírem até já enjoam, estão os cromos que são as velhas desbocadas que fazem da asneira gratuita e da ordinarice o seu cartão-de-visita.

O problema aqui está no facto de que parece tudo muito forçado. Houve uma primeira dessas senhoras que falou como um tipo das obras, ficou em êxtase quando reparou que a sala se ria e depois foi quase impossível controlar. A seguir a esta pioneira do palavrão, tem havido quase sempre uma velha destas, que em cada frase lança duas ou três pérolas da linguagem chula, que fariam corar até o próprio Bocage.

Não rara é a vez em que estas senhoras ainda não acabaram o "-lho" e já estão a olhar em volta, na procura de gargalhadas que validem a piada que tão bem elaborou.

Percebo que a produção aproveite o momento para colocar no programa, e sei também que não tenho pergaminhos para sugerir ou afirmar se deveriam ou não colocar essas senhoras, porque na verdade o intuito deste texto nem é esse.

Gosto imenso do programa, adoro a maneira como o César Mourão o faz e não mudaria nada, apenas o utilizo porque foi o que despoletou a que escreva este texto que visa criticar um tipo de linguagem que vai cada vez mais sendo corriqueiro e que utiliza despudoradamente o palavrão, ainda para mais o palavrão de "carga pesada".

Quem vier com o argumento que no Norte o palavrão é vírgula, eu apenas coloco dois exemplos que confirmarão se é realmente vírgula ou não.

1º No Norte, quando o pessoal tem uma dor e vai ao médico, para se queixarem dizem, "Sr.Dr. tenho uma dorzinha aqui que me incomoda" ou "tenho uma dorzinha aqui que me está a deixar f***do?"

E quando falam com o Padre da paróquia dizem "Venho-me confessar porque pequei" ou "Venho-me confessar porque fiz m€rd@"?

Mas regionalismos à parte.

Vivo na linha do Estoril, zona reconhecida por ter os betos de Cascais, os meninos e as meninas de bem (tios) e pessoal com educações e formações superiores. Os rapazes são filhos dos actuais administradores de empresas multinacionais e como tal futuros administradores dessas mesmas multinacionais, e as raparigas são as "Tichas" as "Patis" as "Tetés" que vão casar com esses administradores, e a linguagem que mais tenho ouvido ultimamente, utilizada por estes elementos, é de passar pedra-pomes na língua.

Curiosamente até são as raparigas que agora mostram maior orgulho em dizer asneirada e fazem-no com sobranceria, em alto e bom som, sem quererem saber onde estão e quem poderá estar presente, porque elas são "da best" e não devem respeito a nada nem ninguém, e ai de alguém que lhes tente dizer alguma coisa porque "se nem o meu pai me diz como devo falar..." E se calhar é mesmo aqui que mora o problema.

Com tudo isto, aquilo que quero na realidade dizer é que desde as senhoras velhas a dizer asneiras na televisão, (e não só) até às betas de Cascais a ter comportamentos semelhantes, mas sem ser em televisão, com muita pena delas, é-nos permitido chegar à conclusão que o uso deste tipo de linguagem não tem que ver com idade, estrato social ou região. Tem apenas que ver com educação ou falta dela e com noção ou falta dela.

O Fernando Rocha, que sempre foi tão criticado pelas asneiras que tanto utiliza, já apresentou e participou em programas de "day time" e mostrou que sabe, e consegue, falar com todas as vírgulas e pontos nos i's sem ter que no fim dizer "é pró bujão... Mai nada", pois tal não se adequava.

E o Herman, que durante anos foi perseguido por pessooal que dizia que ele era ordinário porque dizia asneiras, asneiras essas que se resumiam a um "cocó", nos dias actuais.

Bem, eu expus aquilo que pensava. Se concordarem concordam, se não concordam vão mas é todos para o...

 

17
Mai21

Como diria Bruno Nogueira: "Fraquinho... Muito fraquinho"


Pacotinhos de Noção

original.jpg

Foi hoje o 6º e último episódio do "Princípio, Meio e Fim".
Uma vez que escrevi o que pensava, depois do primeiro episódio, no post "Um tanto ou quanto desiludido" achei por bem voltar a fazê-lo depois do último episódio.
Na altura defendi que a ideia era engraçada mas que faltava alguma comicidade e que dava a sensação de que eram usadas demasiadas "private jokes" que só os intervenientes perceberiam.
Tive imensas reacções ao post, dizendo que o programa era de génio, que era preciso entender a comédia, que as "private jokes" não eram "private jokes".
A verdade é que com o passar dos episódios o programa foi perdendo cada vez mais e mais audiências. Esvaziou rapidamente como se de um balão se tratasse e o recurso ao grito histérico, como forma de tentar ser engraçado, deixa de ter piada quando chegamos aos 4/5 anos de idade e deixamos de ser tão infantis.
Depois de ter assistido a todos os episódios, devo dizer que a série além de nunca descolar na verdade foi-se afundando cada vez mais.
Foi um projecto pioneiro, funcionaria talvez se fosse de episódio único, mas assim mostrou aquilo mesmo que pensava. Serviu apenas para divertir quem nele participou.
Já sei que imensa gente poderá dizer que é preciso aprender a gostar, mas para mim quando o argumento que é usado para uma série que se quer de comédia, é o mesmo argumento que é usado para o sushi, então temos mesmo um problema.
Os intervenientes não deixam de ser bons por terem participado em algo que não funcionou. Já houve outros programas que também não funcionaram e que depois até se tornaram de culto, como a Hora H, do grandioso Herman José, mas o "Princípio, Meio e Fim" por muitas voltas que se dê, penso que difícilmente chegará ao culto.
Algo que também não correu muito bem, foi o facto de os autores criticarem o horário a que o programa foi transmitido. Não me parece que o problema tenha sido o horário, até porque quando a obra se entranha, vê-se nem que seja no dia a seguir, e aqui não aconteceu, tendo até em consideração a falta de burburinho que a mesma criou, a não ser depois do primeiro episódio.
Bruno Nogueira já teve ideias fantásticas, e esta também não era má, mas foi mal conseguida e arrastou-se por demasiados episódios. Foram só 6, mas pareceram muitos mais.

05
Mai21

Perdoai-lhes televisão, pois eles não sabem o que dizem


Pacotinhos de Noção

Polish_20210505_014422218.jpg

Sou um adepto confesso da televisão. Sinto sempre algum asco pela falta de agradecimento e pelo "cuspir no prato em que já se comeu", quando ouço alguém afirmar que vê cada vez menos, porque pensam que não tem qualidade. Vejo as coisas de outro prisma.

As pessoas não assistem televisão porque estão cada vez mais preguiçosas. Querem tudo "mastigado" e pronto a consumir. Prova disso são as imensas quantidades de séries que nos são injectadas incessantemente. Existirão séries de qualidade, com certeza, mas a qualidade aumenta substancialmente se for possível ver numa qualquer plataforma de streaming. Se passar na RTP, ou noutro canal qualquer, já não é assim tão boa. Esquisito, não é? Não... Dizer que se viu na Netflix dá outro estatuto. É o estatuto de rebanho, porque acabam por seguir a moda que todos seguem.

Tenho novidades. Séries como Black Adder, Alô Alô, Seinfeld, Cheers, Dexter, Breaking Bad, Friends, Quem sai aos seus, deram todas na televisão e foram todas feitas para essa mesma televisão e perduram todas na história do audiovisual. Já as de agora, uma vez que são feitas em barda, têm o seu grande sucesso mas são de consumo rápido e para serem de memória efémera. Mal comparado são como os "Los del Rio" com a Macarena, ou o "Psy" com o Gangnam Style. Todos os tocam durante um tempo e depois todos os esquecem, para sempre.

Um dos argumentos é que a televisão estupidifica. É verdade. Quando estupidifica mais é naquela altura em que se argumenta que ela estupidifica.

A televisão informa, instrui, esclarece, faz sonhar e ajuda também a discutir opiniões. Além de ser uma autêntica janela para o Mundo. Apenas temos que escolher o que ver.

Quero ver alguém afirmar que se sentiu mais estúpido, depois de ver um episódio do maravilhoso "Portugalmente" do Luís Osório, ou qualquer outro dos seus documentários. Ou uns mais actuais Governo Sombra, Irritações ou Eixo do Mal. Ou com o "Herman Enciclopédia", do Herman ou os episódios dos "Gato Fedorento".

Aprendi imenso com concursos como o "Quem quer ser milionário" do Carlos Cruz, a "Arca de Noé" do saudoso Fialho Gouveia ou até o Palavra puxa Palavra, com o António Sala.

E hoje em dia, o "Traz Prá Frente", com o Alvim, o Markl, a Inês Lopes Gonçalves, o magnífico Júlio Isidro e o Álvaro Costa, só não serve de fonte de curiosidades e informações se não quiserem.

Na televisão há de tudo, é apenas preciso saber escolher, mas a maioria das pessoas não está para isso. Preferem colocar a cabeça enfiada no ecrã de um smartphone ou de um computador e ficar alheios de tudo. Até da família.

Mesmo nessa questão a televisão acaba por ser mais amigável, pois é muito mais simples pais e filhos se sentarem em frente a um televisor e passarem algum tempo, até a partilharem o mesmo espaço, do que cada um pegar no seu aparelho e desaparecerem para os seus cantos acabando por ficarem a viver com estranhos.

Em termos de informação vão dizer que é tudo uma vergonha, mas dizem-no porque só têm a CMTV na ideia. Mas até a CMTV tem o seu mérito. É um facto que acabam por ser sempre os primeiros a chegar.

Mas dizer que a SIC NOTÍCIAS, não tem qualidade, e grande parte da TVI24, é uma desfaçatez. E depois temos, por exemplo, o 6ª às 9, na RTP com a Sandra Felgueiras. Programa de jornalismo de investigação de clara isenção e qualidade.

Não defenderei mais a minha dama. Acho que deixei bem explícito aquilo que penso e relembro que antes da internet a televisão já existia e de uma forma ou outra sempre ajudou a formar e a informar. Não sejam por isso ingratos com ela.

 

 

30
Jan21

Ídolos... Nunca tive


Pacotinhos de Noção

Um ídolo é alguém que adoramos acima de tudo, que achamos que tudo o que faz é perfeito e colocamos num pedestal.

Considero que nunca tive porque tenho a consciência de que posso admirar o trabalho mas a possibilidade da personalidade do artista não corresponder aquilo que imagino é muito alta.

As minhas memórias televisivas mais antigas têm em Carlos Cruz uma personalidade muito marcante. Quer pela inteligência, quer pelo sentido de humor, o profissionalismo e o à vontade em frente das câmeras.

O "1,2,3" sem Carlos Cruz nunca foi o mesmo, não há dúvidas de que o "Quem quer ser milionário" não teve melhor apresentador que ele, o "Ideias com história" era interessante e instrutivo e as "Noites Marcianas" só com o Sr.Televisão funcionaram bem.

Na década de 90 podemos agradecer à sua produtora pérolas como "A Roda da Sorte" com o Herman José, e "O Preço Certo", que não tirando o mérito a Fernando Mendes, teve na de Carlos Cruz a melhor versão.

Em relação ao tema do processo Casa Pia...

Em 2003, com 21 anos, fiquei com dificuldades em acreditar. O processo foi-se arrastando e foram aparecendo e desaparecendo personagens com uma facilidade impressionante o que para mim significava um processo alicerçado em estacas podres e corroídas. Carlos Silvino (Bibi) já disse que Carlos Cruz não esteve envolvido em nada, supostas vítimas também já afirmaram o mesmo, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem já deu razão a Carlos Cruz, confirmando aquilo que ele sempre disse, que tinha provas da sua inocência mas que nunca foram aceites pelos tribunais portugueses, não lhe permitindo assim uma defesa consistente. Não ponho as mãos no fogo por ninguém, ainda mais por alguém que não conheço, mas há quem o conheça. A filha Marta Cruz, com quem me cruzo várias vezes mas a quem nunca tive a coragem de me dirigir para lhe pedir para servir de intermediário na tentativa de conhecer o seu pai, conhece-o profundamente e não dúvida da sua índole. As suas ex-mulheres, Raquel Rocheta e Marluce, são ex, não precisariam de dar a cara por ele, tomar as suas dores, mas são as primeiras a defendê-lo...

Depois há a luta de um homem que já cumpriu pena mas que se fosse culpado, saindo cá para fora tentaria abafar o caso, mas Carlos Cruz não, Carlos Cruz continua a tentar limpar o seu nome e a sua honra. Talvez não pelos seus, não por si, que têm como concreto que tudo foi um processo vergonhoso, mas para todos aqueles que admirando a pessoa, ficarão sempre com um pé atrás. Nesta luta desigual Carlos Cruz não tem ganho nada. Perdeu estatuto, perdeu dinheiro, perdeu liberdade, perdeu saúde. Conseguindo provar a sua inocência muito difícilmente conseguirá recuperar alguma destas coisas, mas terá a honra, perante os outros, imaculada.

Mas cada um com as suas ideias e convicções e não pretendo converter ninguém.

Conforme iniciei este post, repito. Nunca tive ídolos, mas Carlos Cruz é talvez do mais próximo a isso que posso ter. Ele, Júlio Isidro, Hermam José... Tudo pessoas inteligentes e que passar umas horas com eles, absorvendo as suas histórias de vida, me fariam sentir mais rico. Eles deviam ser as pessoas que inundariam os nossos canais com conteúdos e a quem deveriam ser entregues as apresentações desses programas. Infelizmente não são eternos e devíamos voltar a usufruir já dos seus talentos e conhecimentos para não lamentarmos já cá não estarem, como lamentamos com personalidades como Nicolau Breyner, Fialho Gouveia, Raúl Solnado, António Feio, entre outros.

Em relação a Carlos Cruz sublinho, não meto a mão no fogo por ninguém, mas dava-lhe um abraço sentido.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub