Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

05
Mai21

Perdoai-lhes televisão, pois eles não sabem o que dizem


Pacotinhos de Noção

Polish_20210505_014422218.jpg

Sou um adepto confesso da televisão. Sinto sempre algum asco pela falta de agradecimento e pelo "cuspir no prato em que já se comeu", quando ouço alguém afirmar que vê cada vez menos, porque pensam que não tem qualidade. Vejo as coisas de outro prisma.

As pessoas não assistem televisão porque estão cada vez mais preguiçosas. Querem tudo "mastigado" e pronto a consumir. Prova disso são as imensas quantidades de séries que nos são injectadas incessantemente. Existirão séries de qualidade, com certeza, mas a qualidade aumenta substancialmente se for possível ver numa qualquer plataforma de streaming. Se passar na RTP, ou noutro canal qualquer, já não é assim tão boa. Esquisito, não é? Não... Dizer que se viu na Netflix dá outro estatuto. É o estatuto de rebanho, porque acabam por seguir a moda que todos seguem.

Tenho novidades. Séries como Black Adder, Alô Alô, Seinfeld, Cheers, Dexter, Breaking Bad, Friends, Quem sai aos seus, deram todas na televisão e foram todas feitas para essa mesma televisão e perduram todas na história do audiovisual. Já as de agora, uma vez que são feitas em barda, têm o seu grande sucesso mas são de consumo rápido e para serem de memória efémera. Mal comparado são como os "Los del Rio" com a Macarena, ou o "Psy" com o Gangnam Style. Todos os tocam durante um tempo e depois todos os esquecem, para sempre.

Um dos argumentos é que a televisão estupidifica. É verdade. Quando estupidifica mais é naquela altura em que se argumenta que ela estupidifica.

A televisão informa, instrui, esclarece, faz sonhar e ajuda também a discutir opiniões. Além de ser uma autêntica janela para o Mundo. Apenas temos que escolher o que ver.

Quero ver alguém afirmar que se sentiu mais estúpido, depois de ver um episódio do maravilhoso "Portugalmente" do Luís Osório, ou qualquer outro dos seus documentários. Ou uns mais actuais Governo Sombra, Irritações ou Eixo do Mal. Ou com o "Herman Enciclopédia", do Herman ou os episódios dos "Gato Fedorento".

Aprendi imenso com concursos como o "Quem quer ser milionário" do Carlos Cruz, a "Arca de Noé" do saudoso Fialho Gouveia ou até o Palavra puxa Palavra, com o António Sala.

E hoje em dia, o "Traz Prá Frente", com o Alvim, o Markl, a Inês Lopes Gonçalves, o magnífico Júlio Isidro e o Álvaro Costa, só não serve de fonte de curiosidades e informações se não quiserem.

Na televisão há de tudo, é apenas preciso saber escolher, mas a maioria das pessoas não está para isso. Preferem colocar a cabeça enfiada no ecrã de um smartphone ou de um computador e ficar alheios de tudo. Até da família.

Mesmo nessa questão a televisão acaba por ser mais amigável, pois é muito mais simples pais e filhos se sentarem em frente a um televisor e passarem algum tempo, até a partilharem o mesmo espaço, do que cada um pegar no seu aparelho e desaparecerem para os seus cantos acabando por ficarem a viver com estranhos.

Em termos de informação vão dizer que é tudo uma vergonha, mas dizem-no porque só têm a CMTV na ideia. Mas até a CMTV tem o seu mérito. É um facto que acabam por ser sempre os primeiros a chegar.

Mas dizer que a SIC NOTÍCIAS, não tem qualidade, e grande parte da TVI24, é uma desfaçatez. E depois temos, por exemplo, o 6ª às 9, na RTP com a Sandra Felgueiras. Programa de jornalismo de investigação de clara isenção e qualidade.

Não defenderei mais a minha dama. Acho que deixei bem explícito aquilo que penso e relembro que antes da internet a televisão já existia e de uma forma ou outra sempre ajudou a formar e a informar. Não sejam por isso ingratos com ela.

 

 

30
Jan21

Ídolos... Nunca tive


Pacotinhos de Noção

Um ídolo é alguém que adoramos acima de tudo, que achamos que tudo o que faz é perfeito e colocamos num pedestal.

Considero que nunca tive porque tenho a consciência de que posso admirar o trabalho mas a possibilidade da personalidade do artista não corresponder aquilo que imagino é muito alta.

As minhas memórias televisivas mais antigas têm em Carlos Cruz uma personalidade muito marcante. Quer pela inteligência, quer pelo sentido de humor, o profissionalismo e o à vontade em frente das câmeras.

O "1,2,3" sem Carlos Cruz nunca foi o mesmo, não há dúvidas de que o "Quem quer ser milionário" não teve melhor apresentador que ele, o "Ideias com história" era interessante e instrutivo e as "Noites Marcianas" só com o Sr.Televisão funcionaram bem.

Na década de 90 podemos agradecer à sua produtora pérolas como "A Roda da Sorte" com o Herman José, e "O Preço Certo", que não tirando o mérito a Fernando Mendes, teve na de Carlos Cruz a melhor versão.

Em relação ao tema do processo Casa Pia...

Em 2003, com 21 anos, fiquei com dificuldades em acreditar. O processo foi-se arrastando e foram aparecendo e desaparecendo personagens com uma facilidade impressionante o que para mim significava um processo alicerçado em estacas podres e corroídas. Carlos Silvino (Bibi) já disse que Carlos Cruz não esteve envolvido em nada, supostas vítimas também já afirmaram o mesmo, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem já deu razão a Carlos Cruz, confirmando aquilo que ele sempre disse, que tinha provas da sua inocência mas que nunca foram aceites pelos tribunais portugueses, não lhe permitindo assim uma defesa consistente. Não ponho as mãos no fogo por ninguém, ainda mais por alguém que não conheço, mas há quem o conheça. A filha Marta Cruz, com quem me cruzo várias vezes mas a quem nunca tive a coragem de me dirigir para lhe pedir para servir de intermediário na tentativa de conhecer o seu pai, conhece-o profundamente e não dúvida da sua índole. As suas ex-mulheres, Raquel Rocheta e Marluce, são ex, não precisariam de dar a cara por ele, tomar as suas dores, mas são as primeiras a defendê-lo...

Depois há a luta de um homem que já cumpriu pena mas que se fosse culpado, saindo cá para fora tentaria abafar o caso, mas Carlos Cruz não, Carlos Cruz continua a tentar limpar o seu nome e a sua honra. Talvez não pelos seus, não por si, que têm como concreto que tudo foi um processo vergonhoso, mas para todos aqueles que admirando a pessoa, ficarão sempre com um pé atrás. Nesta luta desigual Carlos Cruz não tem ganho nada. Perdeu estatuto, perdeu dinheiro, perdeu liberdade, perdeu saúde. Conseguindo provar a sua inocência muito difícilmente conseguirá recuperar alguma destas coisas, mas terá a honra, perante os outros, imaculada.

Mas cada um com as suas ideias e convicções e não pretendo converter ninguém.

Conforme iniciei este post, repito. Nunca tive ídolos, mas Carlos Cruz é talvez do mais próximo a isso que posso ter. Ele, Júlio Isidro, Hermam José... Tudo pessoas inteligentes e que passar umas horas com eles, absorvendo as suas histórias de vida, me fariam sentir mais rico. Eles deviam ser as pessoas que inundariam os nossos canais com conteúdos e a quem deveriam ser entregues as apresentações desses programas. Infelizmente não são eternos e devíamos voltar a usufruir já dos seus talentos e conhecimentos para não lamentarmos já cá não estarem, como lamentamos com personalidades como Nicolau Breyner, Fialho Gouveia, Raúl Solnado, António Feio, entre outros.

Em relação a Carlos Cruz sublinho, não meto a mão no fogo por ninguém, mas dava-lhe um abraço sentido.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub