Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

08
Out21

Deixem os meninos em paz!!!


Pacotinhos de Noção

Polish_20211008_194357934.jpg

Moro a meio caminho de um Pingo Doce e de uma escola secundária.

Hoje, pelas 8 da manhã, por baixo da janela de casa ouço correria, gritaria, um baque e alguém a pedir que outro alguém não se levantasse. Ficaram curiosos? Também eu fiquei, pois corre-me no sangue a genética de gente cusca e codrilheira, e por isso assomei à janela.

O que passou-se, como diria Luís Filipe Vieira.

Passou-se que dois garotos, com os seus 15/16 anos, com as suas calças chino, da Timberland, bem curtinhas, decidiram ir roubar para o Pingo Doce, metendo guloseimas para dentro das suas mochilas da Eastpak. O alarme tocou e uma funcionária foi atrás deles. A correria que ouvi eram as solas de borracha dos Vans, dos betos meliantes a bater no chão e o baque que ouvi foi quando um dos Joões Maria atravessou a estrada a correr, para fugir da funcionária que calçava Seaside, e se espetou contra um Citröen de um senhor com uns 60 anos, que se estava a deslocar para o trabalho e que ficou com o guarda-lamas todo amassadinho.

"Ah, grande besta. O puto pode estar magoado e ficas preocupado com o carro!?"

Precisamente.

O gatuno de gomas estava meio abananado no chão e o senhor saiu do carro e disse-lhe para não se levantar, que podia estar magoado e que ia chamar os bombeiros. O miúdo não fez caso e começa a levantar-se por dois motivos:

O primeiro era a vergonha de ter ido contra um Citröen e não um Bentley ou um Jaguar, e a segunda era porque tinha que terminar a tarefa a que se tinha proposto, e que era fugir da funcionária do estabelecimento que roubou.

Nisto já se tinham juntado algumas pessoas, entre elas homens valentes e rudes, daqueles que trabalham a arranjar jardins e que gostam de assobiar às miúdas, e que são grandes valentões, que iam dizendo para o miúdo não se levantar, mas ele, consciente da sua missão de se pôr ao fresco, sob pena de chamarem a polícia, e os agentes da autoridade terem que interromper alguma importante reunião do Bernardo Sotto Mayor, pai do ladrãozinho, para lhe dizerem que o filho rouba em supermercados e ainda amolga Citröens, levantou-se e já ia começar a seguir caminho, mas o dono da viatura agarrou-o e afirmou que não o deixaria ir embora, pois amolgou-lhe o bólide.

Ao ouvirem isto os valentões jardineiros, insurgiram-se com o facto de o senhor estar preocupado com o carro e não com o bem-estar do miúdo. Ficaram tão indignados que pareciam pombos a arrulhar, de peito feito.

O condutor afirmou que também estava preocupado com o miúdo, obviamente.

Estávamos portanto numa cena quase de amor. Um cenário pouco dignificante para o menino de leite, é certo, mas um cenário amoroso... Ou quase. Lembram-se do outro João Maria, que também esteve a roubar?

Pois é. Como o seu rabo também estava na rota da seringa, e dela ele queria fugir, não podia deixar que o seu amigo, com o qual partilha a maneira de vestir, e de roubar, parecendo serem quase irmãos gémeos, fosse caçado, unindo então com ele força para em conjunto se virarem ao senhor condutor, de cerca de 60 anos, que ia no seu Citröen para o trabalho, e que agora está amachucado.

O homem, fraca figura, contra os dois betos atestados a gomas da Haribo, não teve hipótese e ambos conseguiram fugir.

Os jardineiros valentões que reclamaram com o senhor, ao verem a juventude a suplantar-se fisicamente contra alguém de mais idade, agarraram na sua coragem, e no seu "diz que faz" e enfiaram bem fundo, num sítio onde o sol não brilha. Mas como afinal eles não são só músculos, depois dos miúdos abalarem, deram um sábio conselho ao condutor. Recomendaram que fosse depois procurar na escola pelos miúdos, para eles pagarem o estrago.

Ora, as conclusões que tiro daqui são algumas e todas negativas.

Tiro aquela em que a malta nova é cada vez menos responsabilizada pelos seus actos. Aliás, não é já a primeira vez que vejo alguém a defender-se de malta mais nova, que comete um ilícito, mas que depois tem um grilo falante e defensor dos oprimidos, que pensa que ao defender quem faz trampa, vai ganhar o seu lugarzinho no céu.

Há anos vi um tipo tentar assaltar, com recurso a arma de fogo, um taxista em Almada. O taxista era primo do Chuck Norris, desarmou o puto gatuno e começou a dar-lhe aquilo que em bom português se chama de "ensaio de porrada". Apareceram logo umas velhas justiceiras a dizer para o taxista não bater no menino. Aquele menino, que segundos antes lhe tinha apontado uma arma à cara para lhe roubar o suor de um dia de trabalho. O gatuno, escusado será dizer, fugiu.

 Em ambas as situações quem foi ajudado foi sempre o bandido.

Houve pessoas prejudicadas, e mais prejudicadas ficaram porque houve alguém que achou por bem defender os coitadinhos que, de uma forma ou de outra, terão sempre uma justificativa para cometerem os actos de bandidagem, de vandalismo ou apenas de irresponsabilidade.

Não é uma questão de falta de dinheiro, de se morar em bairros sociais ou de se ser de um extrato social maior ou menor, porque como referi aqui, os Joões Maria tinham falta de qualquer coisa mas não era de dinheiro. Era educação, empatia, moral, consciência e dignidade.

O homem do Citröen é um coitado porque teve a chapa do seu carro amolgada, mas todos os outros, tanto os que cometeram o acto, como os que os defenderam, não são só uns coitados. São uns pobres coitados, uns derrotados e uns desgraçados, que não permitem que outros como eles sejam postos no lugar porque imaginam que um dia podem ser eles naquele lugar. É por isso que a nossa sociedade está cada vez mais podre e decadente, porque mais facilmente nos colocamos no lugar do esgoto e da ratazana, do que no lado de quem trabalha, tem educação e respeito pelo próximo.

08
Fev21

Mas é que é só style...


Pacotinhos de Noção

stylecoach.jpg

"...é só style..." ou "...manda g'anda style..." são quase interjeições que eram comumente usadas na década de 90. O "style" em si era discutível, mas a verdade é que cada um fazia o seu, seguindo as tendências deste ou daquele estilista ou tentando imitar os actores e músicos que estariam mais na berra, na altura.

Anos passaram e a preguiça tem vindo a ganhar terreno, como se de um galgo hiperactivo se tratasse, principalmente a mental.

Isto porque antes cada um fazia o seu próprio estilo, agora a nova tendência é pagar a alguém para nos fazer seguir determinado estilo. Ou então melhor ainda, podem pagar a alguém que nem vos diz que estilo devem seguir, mas que vos dá as ferramentas ideiais para que então, ai sim, possam vocês mesmo criá-lo. A necessidade gera a oportunidade e foi então assim criada mais uma profissão, que é a de styling coach.

Caríssimos, a verdade é só uma. Paga quem quer e vende quem pode, e se há quem pague para lhe dizerem o que vestir, então que vendam esse serviço. Aquilo que me faz escrever estas linhas prende-se mais com a falta de profissionalismo. Caso não tenham nada de mais importante para fazer, como cortar as unhas ou espremer uma borbulha, peço então que percam por favor, um pouco de tempo pesquisando por styling coach no Instagram. A moça da imagem não interessa de onde é, nem quem é. A única coisa que interessa é que é uma entre muitas, que se diz styling coach e ao ver pelas fotos da pessoa a vontade que dá é tentar perceber quão styling ela conseguiria ser com o cabelo lavado e se em vez do saco do Pingo Doce tivesse um do El Corte Ingles, por exemplo, sempre é mais trendy.

O que é facto é que esta pessoa cobra a alguém porque acha que a maneira como se apresenta é refinada o suficiente, para que possa assim definir que percebe tanto de estilo, podendo até dar conselhos aos outros. Aqui podemos escolher um de dois típicos. Ou o típico "faz o que eu digo, não faças o que eu faço" ou o típico "falta de noção e vergonha na cara".

Reitero que isto não é um ataque pessoal a esta pessoa. Não a conheço, sei qual a sua profissão por aquilo que torna público, mas colegas desta pessoa, há-os por aí aos pontapés, mas não são uns pontapés quaisquer. São uns pontapés magníficos, dados com umas botas cheias de style. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub