Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

24
Out21

Terra Nossa do c@r@1h0


Pacotinhos de Noção

Polish_20211024_012804073.jpg

Começo esta m€rd@ deste post duma maneira que vos poderá f*d*r o juízo, mas c@gu€i.

Acharam bonito a introdução que hoje escolhi?

Pois, também me pareceu que não. É vulgar e despropositada.

Não sou um menino de coro nem sequer andei numa escola de padres.

À verborreia conheço-a toda, e até uso com mais frequência do que aquela de que gostaria, mas apenas com quem me sinto à vontade, e só me sinto à vontade com pessoas que me são muito próximas, e raramente o faço na forma escrita. Não sei porquê mas uma asneira escrita parece-me sempre mais sonora do que falada.

Introduzo este tema depois de assistir a mais um episódio do programa Terra Nossa, com o César Mourão.

Não vou criticar o programa, do qual gosto bastante e que é uma fórmula ganhadora, principalmente se forem episódios novos como agora acontece, e não 359 repetições, como a SIC andava a fazer, e essa fórmula ganhadora fica a dever-se quase na sua totalidade à grande capacidade do César Mourão agarrar nos cromos que lhe aparecem, que nos vamos apercebendo que cada vez são mais comuns, arriscando até a que só nos calhem repetidos, e transformando-os naqueles especiais, que todos querem, e que têm até uma moldura prateada todo em volta.

Mas de entre aqueles cromos repetidos, que de tanto saírem até já enjoam, estão os cromos que são as velhas desbocadas que fazem da asneira gratuita e da ordinarice o seu cartão-de-visita.

O problema aqui está no facto de que parece tudo muito forçado. Houve uma primeira dessas senhoras que falou como um tipo das obras, ficou em êxtase quando reparou que a sala se ria e depois foi quase impossível controlar. A seguir a esta pioneira do palavrão, tem havido quase sempre uma velha destas, que em cada frase lança duas ou três pérolas da linguagem chula, que fariam corar até o próprio Bocage.

Não rara é a vez em que estas senhoras ainda não acabaram o "-lho" e já estão a olhar em volta, na procura de gargalhadas que validem a piada que tão bem elaborou.

Percebo que a produção aproveite o momento para colocar no programa, e sei também que não tenho pergaminhos para sugerir ou afirmar se deveriam ou não colocar essas senhoras, porque na verdade o intuito deste texto nem é esse.

Gosto imenso do programa, adoro a maneira como o César Mourão o faz e não mudaria nada, apenas o utilizo porque foi o que despoletou a que escreva este texto que visa criticar um tipo de linguagem que vai cada vez mais sendo corriqueiro e que utiliza despudoradamente o palavrão, ainda para mais o palavrão de "carga pesada".

Quem vier com o argumento que no Norte o palavrão é vírgula, eu apenas coloco dois exemplos que confirmarão se é realmente vírgula ou não.

1º No Norte, quando o pessoal tem uma dor e vai ao médico, para se queixarem dizem, "Sr.Dr. tenho uma dorzinha aqui que me incomoda" ou "tenho uma dorzinha aqui que me está a deixar f***do?"

E quando falam com o Padre da paróquia dizem "Venho-me confessar porque pequei" ou "Venho-me confessar porque fiz m€rd@"?

Mas regionalismos à parte.

Vivo na linha do Estoril, zona reconhecida por ter os betos de Cascais, os meninos e as meninas de bem (tios) e pessoal com educações e formações superiores. Os rapazes são filhos dos actuais administradores de empresas multinacionais e como tal futuros administradores dessas mesmas multinacionais, e as raparigas são as "Tichas" as "Patis" as "Tetés" que vão casar com esses administradores, e a linguagem que mais tenho ouvido ultimamente, utilizada por estes elementos, é de passar pedra-pomes na língua.

Curiosamente até são as raparigas que agora mostram maior orgulho em dizer asneirada e fazem-no com sobranceria, em alto e bom som, sem quererem saber onde estão e quem poderá estar presente, porque elas são "da best" e não devem respeito a nada nem ninguém, e ai de alguém que lhes tente dizer alguma coisa porque "se nem o meu pai me diz como devo falar..." E se calhar é mesmo aqui que mora o problema.

Com tudo isto, aquilo que quero na realidade dizer é que desde as senhoras velhas a dizer asneiras na televisão, (e não só) até às betas de Cascais a ter comportamentos semelhantes, mas sem ser em televisão, com muita pena delas, é-nos permitido chegar à conclusão que o uso deste tipo de linguagem não tem que ver com idade, estrato social ou região. Tem apenas que ver com educação ou falta dela e com noção ou falta dela.

O Fernando Rocha, que sempre foi tão criticado pelas asneiras que tanto utiliza, já apresentou e participou em programas de "day time" e mostrou que sabe, e consegue, falar com todas as vírgulas e pontos nos i's sem ter que no fim dizer "é pró bujão... Mai nada", pois tal não se adequava.

E o Herman, que durante anos foi perseguido por pessooal que dizia que ele era ordinário porque dizia asneiras, asneiras essas que se resumiam a um "cocó", nos dias actuais.

Bem, eu expus aquilo que pensava. Se concordarem concordam, se não concordam vão mas é todos para o...

 

20
Out21

Joana Marques, sua Liliputiana


Pacotinhos de Noção

Polish_20211020_021431468.jpg

Num anterior post intitulado "A estupidez deixa-me estúpido", já tinha enaltecido a capacidade da Joana Marques se rir com a estupidez que nos inunda diariamente, quer na rua, no trabalho e até em casa, mais concretamente ao fim-de-semana à tarde, se tivermos a infeliz ideia de assistir à programação dos canais privados generalistas.

Ao Sábado temos na TVI o "Em Família", com o Rúben Rua.

Considerar que estamos em família até que faz sentido, pois todos temos pelo menos um membro familiar que é sem noção, sem talento e que ainda por cima tem uma enorme falta de sentido de humor. Algo que é também natural pois é defendido que o sentido de humor é uma característica de quem tenha inteligência. Se isto é verdade ou não, não sei, porque nunca achei piada a este tipo de estudos.

Ao Domingos temos o Domingão, com os tripulantes do camião TIR, Luciana e Emanuel.

Uma curiosidade. Já repararam que para a palavra ALUCINADA basta apenas adicionar as letras A e D a LUCIANA, e que em inglês adicionar é ADD. Tem mais um D do que o necessário mas acaba por fazer sentido. O D que sobra do "alucinada" de Luciana pode bem ser entregue ao Emanuel, uma vez que também ele anda ali, em cima do camião, todo alucinado. Estou em crer que possa ser consequência da inalação dos gases de escape da viatura, mas não sei.

Mas o que une Joana Marques, Rúben Rua e Luciana Abreu? A maior parte dos leitores já saberá, até porque quase toda a gente ouve o Extremamente Desagradável, mas eu resumo.

A Joana brincou com uma entrevista parola que o Rúben Rua deu na Rádio Comercial, em que se o modelo/apresentador/namorado da Cristina tivesse o mínimo de noção, fazia-se de morto ou então fingia ter achado piada de tão ridícula que realmente foi essa entrevista. Nela deu para perceber que ele não se acha a última bolacha do pacote, ele é o pacote todo. Vazio, mas é o pacote.

Mas não. Rúben Rua quis demonstrar o quão eloquente conseguiria ser na resposta à humorista, e a ideia que dá é que queria fazer piada com a pouca altura da Joana Marques. Pesquisou "altura" no Google e apareceu-lhe uma explicação da Wikipédia sobre a densidade do ar e ele copiou a parte em que se falava de altura fazendo com que o que escreveu tenha sido uma salgalhada que mistura os limites da comédia, com educação e densidade do ar. Um fartote, digo-vos eu.

Menos discreta acabou por ser aquela que poderia ser considerada a vuvuzela do canal de Carnaxide, Luciana Abreu.

É sabido que a antiga Floribella não nutre grande simpatia pela animadora das manhãs da Renascença, e aproveitou a oportunidade para enviar um recadinho bem endereçado mas sem destinatário explícito, mas que todos perceberam que era a Joana. Até a própria. Deu para perceber porque mais uma vez os pontos comuns com Rúben foram os de que não podem ser ultrapassados os limites do humor, que não se pode brincar com tudo e com todos e, mais importante, indirectas à altura da mulher do quase gigante, Daniel Leitão.

Tanto o Rúben Rua como a Luciana Abreu, são exactamente o tipo de virgens ofendidas que gritariam aos quatro ventos terem sido vítimas de "body shaming", caso alguém fizesse menção a alguma característica física fora do normal da qual pudessem padecer. No entanto é essa a arma que preferiram utilizar... Mas é normal, este é o tipo de arma utilizada pelos ignorantes mas se realmente quisessem ofender a Joana Marques de maneira vincada, mas subtil ao mesmo tempo e em que até fariam o brilharete de mostrar que leram o livro "As Viagens de Gulliver", sem terem tido uma síncope. Poderiam ofender ao dizer que ela era uma "Liliputiana". Ofendiam pela pequena estatura característica dos liliputianos e depois ofendiam também pela fonética "putiana" que não significa nada, mas que reporta logo a algo bem mais ofensivo, se é que me faço entender.

28
Set21

O regresso da "Querida Júlia"


Pacotinhos de Noção

mw-320.jpg

Caso estejam a pensar que falo do extinto programa das manhãs, apresentado pela Júlia Pinheiro, estão redondamente enganados.

A querida Júlia de que falo é outra. Era aquela Júlia que vinha acompanhada pelo querido Rui Zink, pelo querido Manuel Serrão, pelo querido Miguel Esteves Cardoso e até pela, por mim um pouco menos querida mas ainda querida por estar incluída neste "bouquet", Rita Blanco.

Hoje foi para o ar o primeiro episódio do "podcast" d'A Noite da Má Língua.

Infelizmente, o Miguel Esteves Cardoso não embarcou nesta magnífica viagem no tempo, mas tenho esperança que futuramente nos faça uma surpresa.Bonito bonito foi ouvir de novo, 25 anos passados, todas juntas estas vozes tão conhecidas, que têm na boa disposição e na assertividade das suas opiniões a fórmula vencedora, e que tanto sucesso fez no passado. Sucesso esse que certamente se irá repetir.

O curioso é que ao começar a ouvir o episódio senti-me como quando ficamos sem estar com um amigo durante muito tempo, mas que quando o encontramos a conversa surge e flui com naturalidade. Aqui a conversa surgiu, da parte dos emissores com a fluidez que lhes era característica e eu absorvi como sempre o havia feito. Com gosto e ávido de mais.

Há 25 anos estes tipos ajudaram um adolescente a formar as suas opiniões, a definir os seus pontos de vista e a compreender que a política não teria que ser algo aborrecido.

Lembro-me bem do pequeno segmento programático que era a atribuição dos prémios da Má Língua. De início, quando ainda não se sabia bem o que era o programa, eram ainda alguns os vencedores que recusavam o prémio, que não recebiam a Júlia e que eram até desagradáveis. Mais tarde, quando a fama já os precedia, era habitual os visados dos prémios mostrarem o seu sorriso amarelo, muito "contentinhos" com a oferta e havia até alguns que coleccionavam os cilindros de ponta esférica cravejados de bicos.

Fiquei, e estou, genuinamente contente por ter um dos meus programas preferidos de volta. Foi o precursor de programas como o Governo Sombra, agora Programa Cujo Nome Estamos Legalmente Impedidos de Dizer, o Eixo do Mal e outros que entretanto até deixaram de existir. Mas nenhum conseguiu nunca ter o "Je ne sais quois" que "A Noite..." tinha.

Fico também contente por ter a Júlia Pinheiro de volta a um formato que é aquele que de facto lhe fica bem. Fui já entrevistado duas vezes pela comunicadora, em contextos diferentes. Foi sempre muito simpática e profissional, e mesmo sabendo que trabalho é trabalho, não conseguia deixar de pensar que a Júlia Pinheiro, que tinha ali à minha frente, era aquela que políticos, alguns até com os cargos mais elevados do país, temiam e evitavam.

Não tem desprimor nenhum apresentar um programa da manhã ou da tarde, e esse é ainda o formato que Júlia Pinheiro está a fazer, mas tenho que admitir que este género de programas está demasiado bem servido nalgumas das caras de quem os conduz, aqui personificado na Júlia Pinheiro e no Manuel Luís Goucha, noutro caso concreto.

Mas não é disso que queria escrever.

Queria apenas regozijar-me e informar que a Noite da Má Língua voltou, no formato "podcast" e para terem acesso basta pesquisarem no Spotify, por exemplo.

Vou ficar a torcer para que dure pelo menos tanto tempo como o de há 25 anos durou, que o MEC se venha juntar aos seus compinchas, e que daqui a pouco tempo passe de novo para a SIC generalista, para podermos assim ficar tontos com as opiniões inebriantes do Rui Zink, as gargalhadas estrondosas do Manuel Serrão e o mau feitio da Rita Blanco, que tem no Serrão o seu saco de pancada preferido, e vice-versa. Isto tudo conduzido pela Júlia Pinheiro que julguei que já não mais ia rever e que é, esta sim, a Querida Júlia que tanta faz falta à televisão. 

09
Ago21

Todos juntos não fazem um


Pacotinhos de Noção

c7c3b1f3-a3f0-43e0-996b-0a306cbe5572.jpeg

Alguns já reconheceram o senhor que está na foto, outros não fazem a mínima ideia de quem seja.

Este senhor é (ou era, sinceramente não sei se ainda está vivo) o Sr.Engenheiro Luís Almeida, ou o mais comummente conhecido "Papa Concursos".

Nos anos 80 foi vítima de muita admiração, de muita inveja e de muita maledicência.

Inveja e maledicência porque como participava em todos os concursos, e geralmente ganhava, as pessoas afirmavam que não era normal ele conseguir ser sempre seleccionado e que por isso devia estar feito com as produções dos concursos. Lembro-me da justificação dada pelo próprio Engenheiro numa entrevista da época. Espantem-se, mas o senhor naquele tempo tinha em casa um aparelho espectacular e ultra moderno e que era uma fotocopiadora. Como tal, fotocopiava milhares dos cupões que saiam nas revistas e assim tinha quase a garantia de que seria seleccionado.

Mas porque me lembrei de falar neste senhor que "papava" todos os concursos?

Na verdade foi por causa de um pensamento que me surgiu hoje ao saltar de canal em canal.

Reparei que na SIC tínhamos mais uma série do programa das casadoiras que caçam um agricultor, e na TVI acontecia também a magia da paixão, com "O Amor Acontece". O pensamento surgido foi que todos estes concorrentes juntos, os do reality-love show da TVI , com os da SIC e até com concorrentes de séries anteriores destes programas, todos juntinhos não conseguiriam fazer um Engenheiro Luís Almeida. Quer em carisma, quer em inteligência, quer em cultura geral. Aliás, podemos até juntar ao role dos concorrentes os apresentadores e nem assim conseguiríamos chegar perto da capacidade intelectual do antigo concorrente dos concursos.

Isto não é um caso claro de "antigamente é que era bom". Se calhar até nem era, aliás recordo-me bem de uma massa crítica que abominava e falava mal da existência de tantos concursos televisivos... Mal sabiam eles. Mas até dou de barato e vamos fingir em concordar que o antigamente não era bom. O problema não está ai. O problema está é no facto de que o agora não chega sequer a mau, de tão medíocre que é.

Peço imensa desculpa a todos aqueles que assistem a estes programas, e que se possam sentir melindrados por esta minha crítica.

Se gostam de ver este género de programas o problema é vosso, mas o chato é que também acaba por ser um bocadinho meu. Isto porque o consumo feito por vós deste lixo televisivo, vai fazer com que os canais de televisão continuem a apostar nestes formatos, e mesmo eu sabendo que existem outros canais, pergunto-me porque será que os generalistas não podem passar programas que valham um bocadinho a pena?

Eu faço a pergunta e dou a resposta.

PORQUE QUEM VÊ É BURRO. Lamento mas não tenho outro nome. São burros.

Os canais não inventaram nada de novo, eles só dão ao público aquilo que o público pede e que é esta porcaria.

O nível das pessoas que hoje em dia participam nestes programas é tão mau que o pessoal que participou no primeiro Big Brother português, nem para defecar se sentariam ao lado deles, mas ainda assim têm quem os idolatre.

Tenho consciência que programas como "A Noite da Má Língua", com o Rui Zink, "As Noites Marcianas" com o Carlos Cruz, o "CQC" com o Pedro Fernandes ou até uma pérola humorística como o "Herman Enciclopédia" do Herman José, hoje em dia não teriam palco. Não porque não tivessem qualidade, mas porque o público quer o prato todo mastigado para fácil deglutição. Isto já não é de agora. Falando no Herman lembro-me por exemplo do "Hora H", que foi um fracasso não porque não prestasse, mas porque para se ter humor há que ter pelo menos um pouco da massa cinzenta a funcionar, e ao que parece a dormência é total.

Reparem que mesmo programas considerados mais ligeiros como "O Fura-vidas" com o Miguel Guilherme e Ivo Canelas, ou até "Os Malucos do Riso" com o Guilherme Leite e a Carla Andrino, hoje não teriam a quantidade de público como o que foi na altura granjeado, porque aquilo que davam não era "reality", não eram acontecimentos do dia-a-dia... Mas quantas pessoas têm um dia-a-dia tão podre como o destes "reality show" amorosos!?

Há uns anos lembro-me que davam notícias de que na Holanda existia uma zona apelidada de "Red District", em que as senhoras ficavam em montras para venderem os seus corpos aos clientes. Era um escândalo.

Hoje a montra transformou-se em televisão, já são senhoras e senhores, os corpos que se vendem e vendem-se a preços de saldo.

Têm um minuto de fama e sentem as luzes da ribalta, mas um minuto são apenas 60 segundos e a lâmpada funde-se depressa.

01
Jun21

Quem quer cozinhar com o agricultor?


Pacotinhos de Noção

IMG_20210601_013604_166.jpg

Se numa conversa intimista o Daniel Oliveira me perguntasse "O que dizem os teus olhos?", à data de hoje eu diria: "Como telespectador do Hell's Kitchen, clamam por respeito."
Não sou aquele tipo de pessoa que pensa que conta muito para a estatística, mas sou aquele tipo de pessoa que tem a esperança que muitas outras pessoas pensem como eu e que, como tal, também façam como eu quando se sentem de alguma forma desrespeitadas.
O director de programas da SIC, na incessante luta por audiências que devo dizer penso ser perfeitamente legítima, afinal de contas um canal sem audiências é um canal sem interesse empresarial, esqueceu que quem lhe fornece as tão desejadas audiências são os telespectadores. Ao fazer mudanças de programação, com pouco sentido, para poder assim enfiar a martelo a nova temporada do "Quem quer namorar com o agricultor?", esquecendo por completo que durante várias semanas foi vencedor nas audiências por causa de quem via os pupilos do Ljubomir, foi apenas e só um cuspir no prato em que comeu. Ainda por cima um prato em que lhe foi servida uma refeição abastada.
Acredito que o programa do agricultor que quer deixar de ser solteiro, também conte com bastantes audiências. Se assim não fosse isto não ia já para a temporada nº542. Mas há tempo para tudo, e não faz muito sentido deixar de dar a final do programa "Hell's Kitchen" para começar a dar um outro programa e inventar ainda também, para depois do agricultor, uma espécie de fantochada de "Hell's Kitchen - Os finalistas", que mais não foi que a repetição de momentos do programa que deram ainda não há muito tempo.
Não sei se quem vê o programa, que não sendo culinário se pode considerar de cozinha, também vê o programa do namorico com o agricultor. Eu não vejo. Não tenho nada contra "reality shows" e "talent shows" mas o conceito deste, especificamente, não me atrai nem nunca atraiu, sendo que nem nunca assisti a 5 segundos, sequer, do mesmo. Foi por isso que quando tomei conhecimento que este programa tinha sido iniciado, sem sequer ter sido transmitido o final do outro, fiquei um pouco aborrecido.
Então e o que é que vou fazer para demonstrar o meu desagrado? Perguntarão vocês.
Nada que incomode ninguém o suficiente, mas posso garantir o que não vou fazer. Não vou ver a final do Hell's Kitchen, seja ela quando for. Tal como disse, não vai fazer mossa a ninguém, mas eu vou-me sentir muito bem comigo próprio pelo facto de não "papar" aquilo que me querem impingir, apenas porque desta forma promovem um novo programa e guardam o trunfo da final para outro dia. Posso também garantir que nessa altura, o simples facto de não estar a assistir ao programa transmitido pela SIC, não significa que vá obrigatoriamente para a concorrência. Não tendo nada contra, a verdade é que também não suporto "talents shows". Primeiro porque talento há muito pouco, e reparo que quanto menos existe mais baixo é o grau de exigência de quem assiste. Depois porque dos dois que estão a ser transmitidos àquela hora, um deles pertence à Cristina Ferreira, e em vez de assistir a programas da princesa da Malveira, posso aproveitar o tempo para fazer coisas que me custem menos fazer. Entre eles:
- Puxar pêlos do nariz com uma pinça
- Arrancar as unhas dos pés recorrendo a um alicate ferrugento
- Gotejar a vista com sumo de limão
- Decorar o alfabeto cirílico de trás para a frente
- Entalar o escroto no fecho das calças.

17
Mai21

Como diria Bruno Nogueira: "Fraquinho... Muito fraquinho"


Pacotinhos de Noção

original.jpg

Foi hoje o 6º e último episódio do "Princípio, Meio e Fim".
Uma vez que escrevi o que pensava, depois do primeiro episódio, no post "Um tanto ou quanto desiludido" achei por bem voltar a fazê-lo depois do último episódio.
Na altura defendi que a ideia era engraçada mas que faltava alguma comicidade e que dava a sensação de que eram usadas demasiadas "private jokes" que só os intervenientes perceberiam.
Tive imensas reacções ao post, dizendo que o programa era de génio, que era preciso entender a comédia, que as "private jokes" não eram "private jokes".
A verdade é que com o passar dos episódios o programa foi perdendo cada vez mais e mais audiências. Esvaziou rapidamente como se de um balão se tratasse e o recurso ao grito histérico, como forma de tentar ser engraçado, deixa de ter piada quando chegamos aos 4/5 anos de idade e deixamos de ser tão infantis.
Depois de ter assistido a todos os episódios, devo dizer que a série além de nunca descolar na verdade foi-se afundando cada vez mais.
Foi um projecto pioneiro, funcionaria talvez se fosse de episódio único, mas assim mostrou aquilo mesmo que pensava. Serviu apenas para divertir quem nele participou.
Já sei que imensa gente poderá dizer que é preciso aprender a gostar, mas para mim quando o argumento que é usado para uma série que se quer de comédia, é o mesmo argumento que é usado para o sushi, então temos mesmo um problema.
Os intervenientes não deixam de ser bons por terem participado em algo que não funcionou. Já houve outros programas que também não funcionaram e que depois até se tornaram de culto, como a Hora H, do grandioso Herman José, mas o "Princípio, Meio e Fim" por muitas voltas que se dê, penso que difícilmente chegará ao culto.
Algo que também não correu muito bem, foi o facto de os autores criticarem o horário a que o programa foi transmitido. Não me parece que o problema tenha sido o horário, até porque quando a obra se entranha, vê-se nem que seja no dia a seguir, e aqui não aconteceu, tendo até em consideração a falta de burburinho que a mesma criou, a não ser depois do primeiro episódio.
Bruno Nogueira já teve ideias fantásticas, e esta também não era má, mas foi mal conseguida e arrastou-se por demasiados episódios. Foram só 6, mas pareceram muitos mais.

13
Abr21

Um tanto ou quanto desiludido


Pacotinhos de Noção

Polish_20210412_234658185.jpg

Aguardava com alguma expectativa o novo trabalho do Bruno Nogueira. Gosto do facto de que a cada programa que imagina haja sempre algo de inovador. Nisso o "Princípio, Meio e Fim não desilude. Até agora não se tinha visto nada igual e aquando do montar do texto pelos 4 guionistas (Nogueira, Markl, Melo e Martinha) com o passar dos minutos vamos sentindo alguma excitação e angústia, receando que a história chegue ao final sem ter um final... Mas a verdade é que mesmo que isso aconteça, a ideia que me dá é que nem faz mal, porque a piada do programa mora também na imprevisibilidade daquilo que sairá do texto e se sair algo sem final então será assumido, sem qualquer tipo de problemas.

A parte onde fico um tanto ou quanto desiludido é porque no desenrolar do programa as "private jokes" e as situações em que só os intervenientes é que percebem a piada, como por exemplo o Mercúrio Retrógado, fazem com que o espectador se sinta um pouco à parte. 

Bem sei que haverá quem diga que para perceber algumas piadas deveriamos ter seguido o "Como é que o Bicho Mexe", mas importa referir que grande parte dos espectadores televisivos não são pessoas que tenham por hábito seguir directos no Instagram, e o conceito televisivo é muito mais lato que o da internet, não tirando o mérito ao da internet, mas tendo por convicção de que os directos do "Como é que o Bicho Mexe" tiveram os números astronómicos que tiveram porque há uma secreta esperança de quem vê que, sendo o Instagram uma rede social consiga, de uma forma ou outra, socializar um pouco com os protagonistas. É aquela falsa sensação de proximidade.

Mas cingindo-me apenas ao programa que estreou no Domingo. O mal pode ser meu, e com certeza que será. Esperava um bocadinho mais de comicidade e talvez até de "nonsense", que esteve lá, mas que não foi surpreendente.

Aguardo pelo próximo Domingo para que possa ter a confirmação de que estou errado. Não estando não considero que isto seja um mau programa, apenas acho que é para um nicho, que vai sendo cada vez maior, mas que não são a grande generalidade das pessoas que assistem os canais generalistas.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub