Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pacotinhos de Noção

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

A noção devia ser como o açúcar e vir em pacotinhos, para todos tomarmos um pouco...

Pacotinhos de Noção

29
Set21

Então e agora, faz-se o quê?


Pacotinhos de Noção

e-agora.jpg

A pandemia acabou.

Ainda não vi nenhuma notícia que o divulgue mas isto é um facto. A pandemia conforme já a vivemos, acabou.

Ainda há casos de Covid, vão continuar a haver mas agora é que se vai começar a viver o tantas vezes repetido "novo normal", e o novo normal mais não é do que nos habituarmo a viver numa normalidade parecida com a que dantes tínhamos, com a consciência de que existe um vírus que faz parte de tantos outros que nos afectam e que nem por isso nos escondemos em casa, ou andamos a medo na rua.

A prova não foi bravamente superada. Muitos morreram, muitos ficaram com mazelas, muitos viram negócios e vidas destruídas. Não sabemos quantos assassinatos foram cometidos por causa dos confinamentos, e não sabemos quantos suicídios, com ligação directa à pandemia, aconteceram. O saldo não poderá nunca ser positivo.

A situação que vivemos permitiu perceber que a nossa sociedade não é má. A nossa sociedade é uma autêntica merda.

No início, quando pensavam que isto ia durar uma, na pior das hipóteses, duas semanas, andaram a espalhar arco-íris, a bater palmas e a fazer serenatas das varandas de uns para os outros. Mas isto era fogo de palha. Ateou rápido, mas rápido se extinguiu.

Os confinamentos deram os seus frutos. Os trolls, os adolescentes e os velhos malucos que não tinham vida, e que passavam o dia "alapados" em frente a um computador, não aguentaram estar em casa, com familiares com quem não estavam habituados a coabitar sem ser apenas à noite. Precisaram de fugir de qualquer contacto social normal que poderiam ter, e de tão malucos procuraram teorias que lhes fizessem correr o sangue nas veias. Deram de caras com as teorias negacionistas e adoptaram para si estas anormalidades, que se podem equiparar ao "terra planismo".

Mas e agora que o COVID vai começar a ser muito menos falado, o que vai acontecer? O que poderão estes nossos amigos fazer para continuarem a ter papel tão activo e tão importante para a sociedade e que é o papel de mentecaptos?

Já vi um ou outro exemplo de que agora se vão começar a virar para outras pandemias que assolam a nossa sociedade. Aquela que me saltou à vista foi a da obesidade. Já há alguns destes elementos que vão preparando terreno e afirmando que a "obesidade envenena a sociedade".

Se virem um gordo num restaurante vão gritar e chamar-lhe pedófilo, como fizeram com Ferro Rodrigues?

Eu sei, isto parece descabido, mas o problema é real porque este pessoal é como os animais que provam sangue uma vez, e depois ficam quase que em estado selvagem, salivando pela próxima vez em que o possam voltar a provar.

Não costumo generalizar mas neste caso vejo-me obrigado a isso. Houve uma altura em que ainda justificava que tínhamos várias espécies de negacionistas, mas a verdade é que não. Não há um negacionista que seja bom da cabeça. Quem defenda o que os negacionistas defendem, quem se baseie em vídeos e artigos de pessoas que claramente têm distúrbios mentais, como o juiz que está a usar estes desgraçados para se promover com o intuito de um dia mais tarde se candidatar a um qualquer cargo político, demonstra claramente de que, e desculpem-me a expressão, "não jogam com o baralho todo".

Sugiro desde já, que caso estes indivíduos se juntem para estigmatizar alguém, ou grupos de pessoas, deviam de imediato ser alvos de processos criminais que deverão chegar às últimas consequências. Vivemos em liberdade mas também vivemos em sociedade, e se existe alguém que não o compreenda ou respeite, então tem que ser chamado à razão.

Para terminar gostaria de mais uma vez prestar a minha homenagem aos Almirante Gouveia e Melo.

Terminou hoje, com um sucesso avassalador, a sua missão na Task Foce.

Não levantou ondas, fez o seu trabalho e quando viu que estava feito, meteu-se no seu caminho, rumo ao pôr-do-sol, sem se sentir necessitado de colher louros, que lhe seriam todos mais que justos. Mas estes louros não ficarão muito tempo no chão. António Costa há-de lhes fazer uso.

O que não é de todo normal é existir alguém que faz um trabalho de excelência mas que chegando a altura certa de se retirar o faz sem qualquer tipo de problema.

Os meus parabéns pelo trabalho e os parabéns pela dignidade...

Amigos negacionistas, dignidade é uma coisa que dificilmente compreenderão. Tem que ver com moral, decência e respeito.

11
Jun21

Uns são filhos, outros não são federados


Pacotinhos de Noção

downloadfile.png

SOMOS OS MAIORES, CARAÇAS. VAMOS AO EURO E ATÉ OS COMEMOS.

Mas com máscara por favor! Ou então não. Então não porque, ao que parece, a maior parte dos jogadores da selecção já estão imunizados.

A justificação é a de que, e passo a citar o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo (o Cristiano Ronaldo da task force), "a vacinação da selecção portuguesa de futebol e da respectiva equipa técnica que irá participar no Euro2020, já está concluída e insere-se na lógica de excreção, para acções especificas de representação oficial do País em eventos internacionais, junto de organizações que recomendam a vacinação dos participantes"a vacinação da selecção portuguesa de futebol e da respectiva equipa técnica que irá participar no Euro2020, já está concluída e insere-se na lógica de excreção, para acções especificas de representação oficial do País em eventos internacionais, junto de organizações que recomendam a vacinação dos participantes"

Trocado por miúdos, aquilo que isto quer dizer é: "- Meus caros, como sabem atravessamos uma pandemia. Já vacinámos uma franja da população mas grande parte está ainda por vacinar. De qualquer das formas é necessário animar o povinho e, como já dizia o outro, temos que ter Fátima, Fado e Futebol. Decidimos então que os jogadores da selecção têm que ser vacinados, ainda que não estejam na faixa etária indicada, não tenham comorbidades e não desempenhem um trabalho que seja essencial à população."

Fátima teve já o seu momento, aquando das comemorações do dia de Nossa Senhora. Foi tudo muito certinho, as pessoas respeitaram cada uma o seu espaço, que havia sido previamente delimitado. Isto dentro do santuário, porque cá fora estava tudo ao molho e fé em Deus... Neste caso em Nossa Senhora.

O futebol já teve vários momentos em que se viu ser tratado de forma privilegiada, e esta situação das vacinas é apenas mais uma. Percebo que é imperiosa a necessidade de haver este espectáculo do futebol e constato, com esfuziante alegria, que no EURO até já vão acontecer alguns jogos com público. Parece que assim de repente tudo melhorou. E deve mesmo ter melhorado porque até nas notícias de hoje, em que nos injectaram doses cavalares de selecção, nem se fez muita menção ao facto de termos atingido 910 novos casos.

Estes 910 casos valem o que valem. Na minha opinião havendo casos mas não havendo mortes, nem uma corrida desenfreada aos hospitais, interiorizo que as infecções acabarão por ser uma normalidade, e aos poucos nem terão qualquer destaque. Se os grupos de risco estiverem imunizados, as infecções poderão ser, na sua grande parte, apenas sensações de mau estar. Mas isto é o que eu penso. Eu não tenho a obrigação e o dever de informar os cidadãos de como evoluí a pandemia. Já os canais e os blocos de informação...

Mas voltando à questão do futebol, que mais uma vez acaba por ser o "filho" a quem calha a melhor parte do testamento.

Várias vezes já ouvi dizer que o desporto é muito importante, mas quando ouço isto penso inocentemente que se estão a referir à prática, não à visualização.

Se realmente ver futebol é assim tão importante sugiro que a Sport TV, Benfica TV e Eleven Sports, passem a ser sujeitas a receita médica e até comparticipadas pelo Estado.

Gosto bastante de ver futebol, mas não consigo enquadrar este desporto de massas como algo culturalmente necessário, de modo a que até os atletas sejam vacinados antes que outras pessoas, que possam realmente acrescentar algo mais.

Vejo mais necessidade cultural em espectáculos, peças de teatro e até em idas ao cinema.

Se faz sentido vacinar os atletas não faria também sentido vacinar actores e todos aqueles que são necessários para que haja cultura?

Isto leva-me ao terceiro F, de Fado.

Será que vem por ai "A Grande Noite do Fado" e todos os participantes vão ter direito a serem também inoculados?

É cultura, representam Portugal no estrangeiro e grande parte do povo também gosta. Logo ai parecem-me critérios mais que suficientes para justificar a vacinação. Se tal não acontecer, parece-me injusto.

Para acabar queria só chamar a atenção para o seguinte. Só ficámos a saber que os jogadores da selecção foram vacinados porque, depois do jogo contra a Espanha, o jogador espanhol Busquets deu positivo à Covid. Se assim não fosse, a coisa era feita pela calada, para evitar escândalos. Mas até nisso foram não pensaram bem. É que está a começar o EURO e quando joga a selecção os escândalos ficam para segundo plano.

 

05
Fev21

Viva!!! Chegaram os alemães


Pacotinhos de Noção

 

Fiquei maravilhado em ver a pompa e circunstância feita com a chegada dos médicos alemães. Melhor que isto só quando tivemos a final da Champions, para agradecer aos que lutam diariamente contra a pandemia, que na altura eram enfermeiros e bombeiros e que agora são todos... Menos o Diogo Faro.

Não me interpretem mal, a importância de termos ajuda externa é inatacável, só peca por tardia e se mais ajuda houvesse mais deveria ser usada. Aquilo que não me parece natural é a festa toda feita à volta disto. É bom que se tenha noção de que os médicos alemães, os enfermeiros e todo o material que trazem, é necessário porque todos os dias morrem mais de 200 pessoas e porque o nosso SNS não está a conseguir fazer frente aos obstáculos que vão surgindo diáriamente. 

Só não percebo é porque raio trouxeram ventiladores! De certezinha que passaram os 20kg de bagagem permitida e sem necessidade nenhuma. Recordo-me bem que o nosso Primeiro-Ministro tinha feito grande alarido quando garantiu que tinha adquirido 500 ventiladores à China. Mas não foi só o Primeiro-Ministro. Toda a "entourage" jornalistica pró governo também tinha dado muito ênfase à magnífica compra. Já a notícia de que foi feita a anulação de grande parte dessa mesma compra, é que parece ter passado meio despercebida.

No início da pandemia pensei que era uma sorte não termos um governo populista e ditatorial como seria um do André Ventura, por exemplo, mas a verdade é que o tempo passou e aquilo que se vê é que o que temos é um "des"governo popularucho e com laivos ditatoriais.

Justifico a definição do popularucho com exemplos como o dos ventiladores já acima referido, do milagre proclamado por Marcelo que foram os números da primeira vaga, a vergonha da final da Liga dos Campeões, o choro forçado da Marta Temido no aniversário do Instituto Ricardo Jorge, as vacinas que vinham aos milhões e que agora são racionadas porque afinal vêm poucas, o afrouxamento das medidas no Natal e Passagem de Ano porque ficava bem...

Ditatorial porque de há um ano para cá os nossos governantes só ainda não nos disseram de que maneira e a que horas havemos de limpar o rabo, e qual o papel a usar. E mesmo que dissessem ia ficar tudo sujo na mesma, porque com tantas medidas e restrições que foram colocadas e depois tiradas, e depois novamente colocadas mas afinal não são colocadas assim mas assado... de nada adiantou, porque mesmo assim a coisa chegou ao ponto que chegou. Agora até querem punir severamente quem "pular" a fila para ser vacinado. Saltitões estes que nem deviam existir porque afinal de contas (mais uma vez) se tinha feito grande alarido com a divulgação de quem ia gerir a situação de forma imaculada, a TASK FORCE que afinal é apenas uma TASKA FORCE, porque alguém vacinou sem querer um médico que afinal não devia ser vacinado. Para mim foi bebedeira e miraram no braço do médico certo e acertaram no braço do médico errado.

A verdade é que tem morrido gente em todos os países e isto mostra que para os governos não passamos só de números e de votos, que amanhã morrem mais 205, "mas até não está mal porque são menos que ontem", mas há mortes que poderiam ter sido evitadas caso tivesse havido, durante ainda a primeira vaga, planeamento para prever as seguintes. E estou a falar só de doentes Covid que morreram, porque se formos contabilizar os não-Covid que morreram porque não tiveram o seguimento necessário por partes dos médicos e hospitais...

Para terminar deixo uma pequena questão:

850 milhões de euros (dinheiro injectado no Novo Banco QUE VAI FALIR) daria para montar quantos bons hospitais de campanha para doentes Covid?

Por entre abraços e sorrisos, o Toninho e a Martinha que digam quantos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub